Notas para uma análise da relação entre corpo e autoria no campo quadrinístico

  • Lucas Piter Alves Costa Universidade do Estado de Minas Gerais
Palavras-chave: Quadrinhos, Autorialidade, Corporeidade, Laerte Coutinho, Transgeneridade

Resumo

O fenômeno da autoria nos mais diversos campos de produção intelectual, artística ou cultural é assunto recorrente nas teorizações dos estudos do discurso. Embora haja vasta bibliografia sobre autorialidade no campo literário, ainda é escassa essa reflexão no campo das histórias em quadrinhos. Estudos recentes sobre a autoria nos quadrinhos sugerem que a autoria é um fenômeno discursivo construído coletivamente por agentes no campo quadrinístico, por meio de práticas e materialidades características desse campo, a fim de fomentar a notoriedade de um nome de autor. Nos últimos anos, a quadrinista Laerte Coutinho, ao fazer sua mudança de gênero, sem alterar seu nome autoral, tem se mostrado um desafio para as reflexões sobre autorialidade centradas apenas no nome de autor, sem considerar o papel que a corporeidade tem na construção do fenômeno da autoria. Assim, retomando essa problemática foucaultiana, o objetivo deste trabalho é tecer apontamentos sobre a relação entre corporeidade e autorialidade na carreira de Laerte no campo quadrinístico. Este trabalho busca formular a hipótese de que, na atualidade, com a proeminência das mídias digitais, a participação do autor e de agentes periféricos no campo quadrinístico é fundamental para a construção da importância de um nome autoral nesse campo. E, por isso, a presença física, corporal e performática do autor se impõe, podendo alterar a forma de recepção de sua obra. Na esteira de Foucault (2009), este trabalho busca indagar qual o papel que o corpo exerce na autorialidade. Esta problemática traz os estudos foucaultianos da autoria, questões de gênero e transgeneridade, corporeidade, mídias digitais e midiatização, teoria dos campos, em especial, o campo discursivo quadrinístico.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

ALVES-COSTA, L. P. Quadrinhos: autorialidade, práticas institucionais e interdiscurso. [livro eletrônico]. Catu: Bordô-Grená, 2021. Disponível em: https://shre.ink/alvescostabordogrena. Acesso em: 08 mai. 2023.
AUTHIER-REVUZ, Jacquelina. Heterogeneidade(s) enunciativa(s). Trad. Celene M. Cruz; João Wanderley Geraldi. In: ORLANDI, E. P.; GERALDI, J. W. (Orgs.). O discurso e suas análises. Cadernos de Estudos Linguísticos, n. 19. Campinas, SP: UNICAMP/IEL, 1990, p. 25-42.
AUTHIER-REVUZ, Jacqueline. Palavras incertas: as não-coincidências do dizer. Campinas, SP: Editora da UNICAMP, 1998.
AUTHIER-REVUZ, Jacqueline. Entre a transparência e a opacidade: um estudo enunciativo do sentido. Trad. Leci Borges Barbisan; Valdir do Nascimento Flores. Porto Alegre: EDIPUCRS, 2004.
BOLTANSKI, Luc. La constitution du champ de la bande dessinée. Actes de la recherche en sciences sociales. Vol. 1, n. 1, jan. 1975, p. 37-59. Disponível em: http://www.persee.fr/web/revues/home/prescript/article/arss_0335-5322_1975_num_1_1_2448. Acesso em: 27 ago. 2015.
BOURDIEU, Pierre. A distinção: crítica social do julgamento. 1ª ed. São Paulo: Edusp; Porto Alegre: Zouk, 2007.
BOURDIEU, Pierre. A dominação masculina. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2002.
BOURDIEU, Pierre. A gênese dos conceitos de habitus e de campo. In: BOURDIEU, Pierre. O poder simbólico. Trad. Fernando Tomaz. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 1989, p. 59-73.
CAVALHEIRO, Juciane dos Santos. A concepção de autor em Bakhtin, Barthes e Foucault. Signum: Estudos Linguísticos, Londrina, n. 2, vol. 11, dez. 2008, p. 67-81. Disponível em: http://www.uel.br/revistas/uel/index.php/signum/article/view/3042. Acesso em: 28 nov. 2020.
CHARTIER, Roger. O que é um autor? Revisão de uma genealogia. Trad. Luzmara Curcino; Carlos Eduardo Bezerra. São Carlos: Edufscar, 2012.
CIRNE, Moacyr. A explosão criativa dos quadrinhos. 4. ed. Petrópolis: Vozes, 1974.
CIRNE, Moacyr. História e crítica dos quadrinhos brasileiros. Rio de Janeiro: Europa - Empresa Gráfica e Editora/Funarte, 1990.
COURTINE, Jean-Jacques. Decifrar o corpo: pensar com Foucault. Trad. Francisco Morás. Petrópolis, RJ: Editora Vozes, 2013.
DELORMAS, Pascale. Espace d’etayage : la scene et la coulisse : de la circulation des discours dans le champ litteraire. Fragmentum, [S. l.], n. 51, p. 115-130, 2018. Disponível em: https://periodicos.ufsm.br/fragmentum/article/view/31388. Acesso em: 14 dez. 2022.
DIAS, Cristiane. Análise do discurso digital: sujeito, espaço, memória e arquivo. Campinas: Pontes, 2018.
FOUCAULT, Michel. A arqueologia do saber. Trad. Luiz Felipe Baeta Neves. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2008.
FOUCAULT, Michel. História da sexualidade I: A vontade de saber. Trad. Maria Thereza Albuquerque e J. Albuquerque. Rio de Janeiro: Graal, 1999.
FOUCAULT, Michel. O que é um autor? In: FOUCAULT, Michel. Estética: literatura e pintura, música e cinema. 2.ed. Org. Manoel Barros da Motta. Trad. Inês Autran Dourado Barbosa. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2009, p. 264-298.
FOUCAULT, Michel. Vigiar e punir: nascimento da prisão. 29ª ed. Trad. Raquel Ramalhete. Petrópolis, RJ: Vozes, 2004.
FRAENKEL, Béatrice. La signature: genèse d un signe. Paris: Gallimard, 1992.
GROENSTEEN, Tierry. História em quadrinhos: essa desconhecida arte popular. João Pessoa: Marca de Fantasia, 2004.
GROENSTEEN, Thierry. Système de la bande dessinée. Paris : Presses Universitaires de France, 2011.
GUILBERT, Xavier. La légitimation en devenir de la bande dessinée. Comicalités, 2011. Disponível em: https://doi.org/10.4000/comicalites.181. Acesso em: 29 dez. 2022.
HASHIGUTI, Simone. Corpo de memória. Tese (doutorado). Universidade Estadual de Campinas, Instituto de Estudos da Linguagem, Campinas, SP, 2008.
LAERTE-SE. Direção: Lygia Barbosa da Silvia e Eliane Brum. Distribuição: Netflix, 2017.
LE BRETON, David. A sociologia do corpo. Trad. Sonia Fuhrmann. 6. Ed. Petrópolis, RJ: Vozes, 2012.
MAINGUENEAU, Dominique. Auteur et image d’auteur en analyse du discours. Argumentation et Analyse du Discours [On line], 3, 2009, p. 1-14. Disponível em: http://aad.revues.org/660. Acesso em: 01/12/2012.
MAINGUENEAU, Dominique. Le discours littéraire: paratopie et scène d’énonciation. Paris: Armand Colin, 2004.
MAINGUENEAU, Dominique. Discurso literário. Trad. Adail Sobral. São Paulo: Contexto, 2006.
MAINGUENEAU, Dominique. Doze conceitos em análise do discurso. Trad. Adail Sobral [et al.]. São Paulo: Parábola Editorial, 2010.
MAINGUENEAU, D. Discours et analyse du discours: une introduction. Paris: Armand Colin, 2014.
McCLOUD, Scott. Reinventando os quadrinhos. Trad. Helcio de Carvalho, Marisa do Nascimento Paro. São Paulo: Makron Books, 2006.
MEON, Jean-Matthieu. L'illégitimité de la bande dessinée et son institutionnalisation : le rôle de la loi du 16 juillet 1949. Hermès, La Revue, 2009, n. 54, p. 45-50. Disponível em: http://www.cairn.info/revue-hermes-la-revue-2009-2-page-45.htm. Acesso em: 29 dez. 2022.
ORLANDI, Eni. Eu, tu, ele: discurso e real da história. Campinas: Pontes, 2017.
PERUZZOLO, Adair Caetano. A semiotização do corpo. In: PERUZZOLO, Adair Caetano et al. O corpo semiotizado. Porto Alegre: Edições Est, 1994, p. 9-30.
RAMOS, Paulo. A leitura dos quadrinhos. São Paulo: Contexto, 2010.
Publicado
31-12-2023
Como Citar
Costa, L. P. A. (2023). Notas para uma análise da relação entre corpo e autoria no campo quadrinístico. Scripta, 27(61), 390-415. https://doi.org/10.5752/P.2358-3428.2023v27n61p390-415