O Gótico Contemporâneo:

Maternidade Às Avessas No Conto “Conservas”, De Samanta Schweblin

Palavras-chave: Literatura gótica contemporânea, Patriarcado, Samanta Schweblin

Resumo

Este artigo dedica-se a uma leitura crítico-analítica da escrita feminina no conto “Conservas” (2022), de Samantha Schweblin, em articulação com a vertente da literatura gótica produzida no século XXI. Vê-se que na atualidade as narrativas góticas ou as que guardam resquícios do maquinário gótico não mais inserem em seus textos elementos convencionais como espectros, cenários aterrorizantes e decadentes, terror, sangue e afins. No entanto, algo próprio da poética gótica parece se manter, a saber: a angústia. Em “Conservas” a angústia se dá por conta de um questionamento que permeia a vida de muitas mulheres: a recusa à maternidade. O século XXI vê certas conquistas femininas alcançadas, no entanto alguns infortúnios permanecem, conforme se problematiza neste trabalho. Os resultados finais devem apontar para a importância das narrativas de horror para dar forma aos nossos questionamentos, bem como à inserção feminina em uma sociedade que mantém as peias do passado patriarcal.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Fabianna Simão Bellizzi Carneiro, Universidade Federal de Catalão

Universidade Federal de Catalão (IEL/UFCAT-GO). Docente Adjunta do Instituto de Estudos da Linguagem. Pós-Doutoranda em Estudos Literários (Universidade Federal de Uberlândia, 2023-2024), sob supervisão da Profa. Marisa Martins Gama-Khalil. Pesquisadora do Grupo: Estudos do Gótico (CNPq) e Pesquisadora do GT da Anpoll Vertentes do Insólito Ficcional. 

Marisa Martins Gama-Khalil, Universidade Federal de Uberlândia

Universidade Federal de Uberlândia (UFU-MG). Professora titular aposentada. Pós-doutora pela Universidade de Coimbra (2014). Pesquisadora Produtividade em pesquisa do CNPq. Professora Pesquisadora do Programa de Pós-Graduação em Estudos Literários de Tangará da Serra/UNEMAT. Professora colaboradora do Programa de Pós-Graduação em Letras da UNIR. Líder do GT da ANPOLL Vertentes do Insólito Ficcional. Líder do Grupo de Pesquisas em Espacialidades Artísticas. Investigadora do Centro de Literatura Portuguesa da Universidade de Coimbra.

Referências

ARGENTINA. Ley nº 27.610 de 15 de Enero de 2021. La presente ley tiene por objeto regular el

acceso a la interrupción voluntaria del embarazo y a la atención post aborto. Boletín Oficial de la República Argentina, Buenos Aires, 15 enero 2021. Disponível em: https://www.boletinoficial.gob.ar/detalleAviso/primera/239807/20210115. Acesso em: 22 abr. 2024.

BADINTER, Elisabeth. Um Amor conquistado: o mito do amor materno. Tradução de Waltensir Dutra. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1985.

BAKHTIN, Mikhail. A cultura popular na Idade Média e no Renascimento: o contexto de François Rabelais. Tradução de Yara Frateschi Vieira. São Paulo: Hucitec, 1987.

BETIM, Felipe. O lento caminho das latino-americanas rumo à igualdade. El País, Madri, 05 dic. 2014. Internacional. Disponível em: https://brasil.elpais.com/brasil/2014/12/04/internacional/1417722300_905578.html. Acesso em: 06 jun. 2023.

BRUHM, Steve. The contemporary Gothic: why we need it. In: HOGLE, Jerrold E. The Cambridge Companion to Gothic Fiction. Cambridge: Cambridge University Press, 2002. p. 259-276.

CAUSO, Roberto de Sousa. Introdução: intersecções na ficção científica brasileira. In: CAUSO, Roberto de Sousa (ed.). Os melhores contos brasileiros de ficção científica: fronteiras. São Paulo: Devir, 2009. p. 11-24.

CIXOUS, Hélène. O riso da Medusa. Tradução de Luciana Eleonora de Freitas Calado Deplagne. In: BRANDÃO, Izabel; CAVALCANTI, Ildney; COSTA, Claudia de Lima; LIMA, Ana Cecília Acioli. Traduções da cultura: perspectivas críticas feministas (1970-2010). Florianópolis: EDUFAL, 2017. p. 129-155.

CORSO, Diana L.; CORSO, Mário. A Psicanálise na Terra do Nunca: ensaios sobre a fantasia. Porto Alegre: Penso, 2011.

FOUCAULT, Michel. Outros Espaços. In: FOUCAULT, Michel. Estética: literatura e pintura, música e cinema. Tradução de Inês Autran Dourado Barbosa. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2001. p. 411-422. (Ditos e escritos III).

FOUCAULT, Michel. Vigiar e Punir. Tradução de Raquel Ramalhete. Petrópolis: Vozes, 2002.

GARCIA, Flavio. “Na estepe”, de Samanta Schweblin: um exemplo de fantástico contemporâneo, na sequência do cânone consagrado por Cortázar. ALEA, Rio de Janeiro, v.18, n 1, p. 65-80, jan./abr. 2016. Disponível em: https://www.scielo.br/j/alea/a/PLj9LCd97H9qxTHZPy7HFJj/?lang=pt. Acesso em: 21 mai. 2023.

GREER, Germaine. A mulher inteira. Tradução de Alda Porto. Rio de Janeiro: Record, 2001.

ISER, Wolfang. A interação do texto com o leitor. In: JAUSS, Hans Robert et al. (org.). A literatura e o leitor: textos de Estética da Recepção. Tradução de Luiz Costa Lima. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1979. p. 17-132.

KARAM, Henriete; ESPÍNDOLA, Angela. O direito e literatura pelas margens: o novo boom latino-americano e a literatura dos silenciados. Revista Opinião Jurídica, Fortaleza, ano 18, n. 29, p. 221-242, set./dez. 2020. Disponível em: https://periodicos.unichristus.edu.br/opiniaojuridica/article/view/3158. Acesso em: 18 mai. 2023.

KRISTEVA, Julia. Pouvoirs de l’horreur: Essai sur l’abjection. Paris: Seuil, 1980.

KRISTEVA, Julia. Tales of love. Tradução inglesa de Leon Roudiez. New York: Columbia University Press, 1987.

MARCELO, Carlos. Samanta Schweblin: ‘O medo me fascina porque exige atenção absoluta’. Estado de Minas, Belo Horizonte, 24 jun. 2016. Pensar. Disponível em: https://www.em.com.br/app/noticia/pensar/2022/06/24/interna_pensar,1375522/samanta-schweblin-o-medo-me-fascina-porque-exige-atencao-absoluta.shtml. Acesso em: 06 jun. 2023.

MARTINS, Maria Cristina. (Re)escrituras: gênero e o revisionismo contemporâneo dos contos de fadas. Jundiaí: Paco Editorial, 2015.

PAZ, Fábio Ramos. Psicodinâmica no gótico contemporâneo: psicopatologias em “O iluminado”, de Stephen King. 2019. Dissertação (Mestrado em Teoria Literária) –Universidade Católica de Brasília, Brasília, 2019.

RAMA, Ángel. El Boom en perspectiva. La crítica de la cultura en América Latina. Tradução de Susana Kerschner. Biblioteca Ayacucho, p. 266-306, [2005]. Disponível em: http://www.ufrgs.br/cdrom/rama/rama.pdf. Acesso em: 16 mai. 2023.

REYES, Xavier Aldana. The Contemporary Gothic. In: OXFORD RESEARCH ENCYCLOPEDIA OF LITERATURE. Oxford: Oxford University Press, 2018.

RICH, Adrienne. When we dead awaken: writing as re-vision. In: GILBERT, Sandra M; GUBAR, Susan (ed.). The Norton anthology of literature by women: the tradition in English. New York: W. W. Norton, 1985. p. 2044-2056.

ROAS, David. A ameaça do fantástico. Tradução de Julián Fuks. São Paulo: Editora Unesp, 2014.

SCHWEBLIN, Samanta. Conservas. In: SCHWEBLIN, Samanta. Pássaros na boca e Sete casas vazias: contos reunidos. São Paulo: Fósforo, 2022. p. 142-149.

SHELLEY, Mary. Frankenstein ou o Prometeu Moderno. Tradução de Christian Schwartz. São Paulo: Penguin-Companhia, 2015.

SPOONER, Catherine. Contemporary Gothic. Londres: Reaktion Books, 2006.

TODOROV, Tzvetan. Introdução à literatura fantástica. São Paulo: Perspectiva, 2008.

VÁSQUEZ, Georgiane. Maternidade e Feminismo: notas sobre uma relação plural. Revista Trilhas da História, Três Lagoas, MS, v. 3, n. 6, p. 167-181, jan.-jun. 2014. Disponível em: https://trilhasdahistoria.ufms.br/index.php/RevTH/article/view/472. Acesso em: 10 ago.

Publicado
31-12-2023
Como Citar
Carneiro, F. S. B., & Gama-Khalil, M. M. (2023). O Gótico Contemporâneo:. Scripta, 27(61), 188-216. https://doi.org/10.5752/P.2358-3428.2023v27n61p188-216