Violência psicológica na literatura contemporânea

cenas do invisível

Palavras-chave: Gaslighting, Literatura de autoria feminina contemporânea, Carmen Maria Machado, Bruna Maia

Resumo

No âmbito jurídico e social, somente no século XXI é que se passa a reconhecer o abuso mental e psíquico como uma forma de violência, sobretudo contra mulheres, denominada de violência psicológica. No universo ficcional, entretanto, e aqui destacamos a literatura, a questão já era tratada de modo indireto pelo menos desde o século XIX, dando indícios da existência dessa violência de difícil percepção, do campo do simbólico, que viria a ser nomeada tempos depois. Hoje, a discussão permeia a obra de diversas literaturas ao longo do globo, em especial, na escrita feita por mulheres. Nesta perspectiva, pretendemos demonstrar a presença da violência psicológica na literatura de autoria feminina contemporânea em duas obras: em Na casa dos sonhos, da norte-americana Carmen Maria Machado, e em Com todo o meu rancor, da brasileira Bruna Maia.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Daniel Almeida Machado, UFMS
Doutorando do Programa de Pós-Graduação em Estudos de Linguagens na Universidade Federal do Mato Grosso do Sul, Campo Grande, Mato Grosso do Sul, Brasil. E-mail:danimachx22@gmail.com. Bolsista CAPES.    
Angela Maria Guida, UFMS

Doutora em Ciência da Literatura e docente do Programa de Pós-Graduação em Estudos de Linguagens da Universidade Federal do Mato Grosso do Sul, Campo Grande, Mato Grosso do Sul,Brasil. E-mail:angelaguida.ufms@gmail.com.

Referências

BARTHES, Roland. Aula. Tradução de Leyla Perrone-Moisés. São Paulo: Cultrix, 2007.

CIXOUS, Hèlène. O riso da medusa. Tradução de Natália Guerellus e Raísa França Bastos. Rio de Janeiro: Bazar do tempo, 2022.

CRIADO, Caroline Perez. Mulheres invisíveis. O mundo dos dados em um mundo projetado para homens. Tradução de Renata Guerra. Rio de Janeiro: Intrínseca, 2022.

DERRIDA, Jacques. Mal de arquivo: uma impressão freudiana. Tradução de Claudia de Moraes Rego. Rio de Janeiro: Relume Dumará, 2001.

GILMAN, Charlotte Perkins. O papel de parede amarelo. Tradução de Diogo Henriques. Rio de Janeiro: José Olympio, 2022.

GILMAN, Charlotte Perkins. Why I wrote The yellow wallpaper. Disponível em <https://www.cambridge.org/core/journals/advances-in-psychiatric-treatment/article/why-i-wrote-the-yellow-wallpaper/9F0803493F9D522712BB4B31BA5CCDC2>. Acesso em 12 jul, 2023.

GILMAN, Charlotte Perkins. The living of Charlotte Perkins Gilman. Wisconsin: The University of Wisconsin Press. 1990.

KANDINSKY, Wassily. Do espiritual na arte. Tradução de Álvaro Cabral e Antonio de Pádua Danesi. São Paulo: Martins Fontes, 1996.

LISPECTOR, Clarice. A paixão segundo G.H. Rio de Janeiro: Rocco, 2022.

MAIA, Bruna. Parece que piorou: crônicas do vazio existencial. São Paulo: Companhia das letras, 2020.

MAIA, Bruna. Com todo o meu rancor. Rio de Janeiro: Rocco, 2022.

MACHADO, Carmen Maria. O corpo dela e outras farras. Tradução de Gabriel Oliva Brum. São Paulo: Planeta Minotauro, 2018.

MACHADO, Carmen Maria. Na casa dos sonhos: memórias. Tradução de Ana Guadalupe. São Paulo: Companhia das Letras, 2021.

PRECIADO, Paul Beatriz. Multidões queer: notas para uma política dos anormais. In: Estudos Feministas, Florianópolis, n. 19(1): 312, p. 11-20, janeiro-abril, 2011.

RANCIÈRE, Jacques. A partilha do sensível: estética e política. Tradução de Mônica Costa Netto. São Paulo: Editora 34, 2009.

SOLNIT, Rebecca. Os homens explicam tudo para mim. Tradução de Isa Mara Lando. São Paulo: Cultrix, 2017.

SONTAG, Susan. Notas sobre o camp. In: SONTAG, Susan. Contra a interpretação. Tradução de Ana Maria Capovilla. Porto Alegre: L&PM, 1987.

TIBURI, Marcia. A política sexual da casa. In: GILMAN, Charlotte Perkins. O papel de parede amarelo. Tradução de Diogo Henriques. Rio de Janeiro: José Olympio, 2022, p. 5-10.

WOOLF, Virginia. Um teto todo seu. Tradução de Vera Ribeiro. São Paulo: Círculo do livro, 1985.

Publicado
31-12-2023
Como Citar
Machado, D. A., & Guida, A. M. (2023). Violência psicológica na literatura contemporânea. Scripta, 27(61), 18-49. https://doi.org/10.5752/P.2358-3428.2023v27n61p18-49