Rede de atividades e práticas de letramento: relações entre os espaços individuais e coletivos; interfaces entre movimentos singulares e práticas sociais

  • Jane Quintiliano Guimarães Silva
  • Maria de Lourdes Meirelles Matencio
Palavras-chave: Fazer do professor, Rede de atividades, Formação identitária.

Resumo

Tributário da problemática segundo a qual os processos humanos e socioculturais não são entidades separadas, mas, sim, integradas – e integradoras – na construção social do homem, este estudo propõe-se, à luz do instrumental metodológico redes de atividades, compreender a complexidade do fazer do professor – a sua formação identitária, as práticas discursivas de que participa, a interlocução com os discursos que circulam na esfera acadêmica e escolar, os modos de dizer e os do fazer científico e pedagógico.



Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

ASSIS, Juliana A.; SILVA, Jane Q. G. Gêneros na formação e na atuação do professor de língua materna: o que ainda é preciso dizer e fazer a propósito dessa relação? No prelo, a sair em novembro de 2009.

BAKHTIN, M . Estética da criação verbal. São Paulo: Martins Fontes, 2003.

BAKHTIN, M. Marxismo e filosofia da linguagem. 8 ed. São Paulo: Hucitec, 1990.

DEGENNE, Alain; FORSÉ, Michel. Les réseaux sociaux: une analyse structurale en sociologie. Paris: Armand Colin, 1994.

FERREIRA, Maria Clotilde Rossetti et al. Rede de significações e o estudo do desenvolvimento humano. Porto Alegre: Artmed, 2004.

LATOUR, B.; WOOLGAR, S. A vida de laboratório: a produção dos fatos científicos. Rio de Janeiro: Relume Dumará, 1997.

LEONTIEV, A.N. Activité, conscience, personalité. Moscou: Éditions du Progrès, 1984.

LEONTIEV, A.N. O desenvolvimento do psiquismo. Lisboa: Livros

Horizonte,1978.

LEONTIEV, A.N. The problem of activity in psychology. In: WERTSCH, J.V. (Org.) The problem of activity in soviet psychology. Armonk: M. E. Sharpe, 1981.

LEVY, P. As tecnologias da inteligência: o futuro do pensamento na era da informática. Rio de Janeiro: Editora 34, 1993.

LIPNAK, Jessica; STAMP, Jeffrey. Networks, redes de conexão: pessoas conectando-se com pessoas. São Paulo: Aquarela, 1992.

MORIN, E. A noção de sujeito. In: SCHNITMAN, D. F. (Org.) Novos paradigmas, cultura e subjetividade. Porto Alegre: Artmed, 1999.

ROGOFF, B. A natureza cultural do desenvolvimento humano. Porto Alegre: Artmed, 2001.

SCHNEUWLY, B. Gêneros e tipos de discurso: considerações psicológicas e ontológicas. In: SCHNEUWLY .B.; DOLZ, J. (Org.) Gêneros orais e escritos na escola. Campinas: Mercado de Letras, 2004.

SILVA, J. Q. G.; MATENCIO, Maria de Lourdes M. Referência pessoal e jogo interlocutivo: efeitos identitários. In: KLEIMAN, A. et al. (Org.) Letramento e formação do professor: práticas discursivas, representações e construção do saber. Campinas: Mercado de Letras, 2005.

VYGOTSKY, L. S. Pensamento e linguagem. Tradução de L. Camargo. São Paulo: Martins Fontes, 1991.

Publicado
27-07-2009
Como Citar
Quintiliano Guimarães Silva, J., & de Lourdes Meirelles Matencio, M. (2009). Rede de atividades e práticas de letramento: relações entre os espaços individuais e coletivos; interfaces entre movimentos singulares e práticas sociais. Scripta, 13(24), 31-48. Recuperado de https://periodicos.pucminas.br/index.php/scripta/article/view/4390
Seção
Dossiê: Ensino-aprendizagem da escrita na formação de profissionais de nível universitário