Desejo, jogos de linguagem e metaliteraliedade na "Ode marítima"

  • Audemaro Taranto Goulart PUC Minas
Palavras-chave: Ode martítima, Fernando Pessoa, Desejo, Jogos de linguagem, Metalinguagem ou metaliteratura.

Resumo

O artigo analisa o poema "Ode marítima", do heterônimo Álvaro de Campos, de Fernando Pessoa, pondo em destaque três movimentos que me parecem fundamentais na arquitetura do poema: a projeção do desejo, os jogos de linguagem e a condição metalinguística (ou metaliterária) nele instalada.

 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

AGOSTINHO, Santo. Confissões. Tradução de J. Oliveira Santos e A. Ambrósio de Pina. Bragança Paulista: Editora Universitária São Francisco, 2004.

ARISTÓTELES. Poética.Tradução de Eudoro de Sousa. Porto Alegre: Editora Globo, 1966.

CULLER, Jonathan. Teoria literária: uma introdução. São Paulo: Beca Produções Culturais, 1999.

PELLEGRINO, Hélio. Édipo e a paixão. In: Sérgio Cardoso et al. (Org.). Os sentidos da paixão. São Paulo: Companhia das Letras, 1989, p. 307-327.

PESSOA, Fernando. Obra poética. Rio de Janeiro: Editora Aguilar, 1995.

Publicado
07-12-2012
Como Citar
Goulart, A. T. (2012). Desejo, jogos de linguagem e metaliteraliedade na "Ode marítima". Scripta, 16(31), 15-28. https://doi.org/10.5752/P.2358-3428.2012v16n31p15
Seção
Dossiê: Estética