Géneros narrativos nas literaturas africanas de língua portuguesa – entre a tradição africana e o “cânone ocidental”

  • Inocência Mata Universidade de Lisboa
Palavras-chave: Gêneros narrativos, Tradição africana, Literaturas africanas de língua portuguesa,

Resumo

Depois do golpe de Estado em Portugal, a 25 de Abril de 1974, começámos, nos países africanos ainda colónias de Portugal, a estudar os “nossos” escritores. Andava eu ainda no liceu e naquele tempo não me lembro de termos estudado autores brasileiros e muito menos africanos. Por isso, na altura, uma questão que me intrigou q uando tive contacto com os primeiros textos africanos, foi a palavra estória – em vez de conto – para referir narrativas curtas. Primeiro pensei tratar-se de mais um “africanismo” (explicação então em voga para qualquer “desvio”); depois, quando fui aprofundando o estudo das literaturas africanas, na Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa, como aluna do Professor Manuel Ferreira, esta questão nunca foi referida como “problema” e, por isso, a designação “naturalizou-se”… Até que me tornei estudiosa dessas literaturas, já então conhecedora da presença do termo na literatura brasileira.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Inocência Mata, Universidade de Lisboa
Professora da Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa na área de Literaturas, Artes e Culturas. É doutora em Letras pela Universidade de Lisboa, com pós-doutoramento em Estudos Pós-coloniais (Postcolonial Studies, Identity, Ethnicity, and Globalization, Universidade de Califórnia, Berkeley). É investigadora do Centro de Estudos Comparatistas, núcleo de excelência, segundo FCT-PT (Fundação para a Ciência e a Tecnologia, Portugal). Possui experiência na área de Letras (Outras Literaturas Vernáculas, Multiculturalismo e Dinâmicas Interculturais e, sobretudo, Estudos Pós-coloniais). Atua principalmente e interessa-se pelos seguintes temas: história, memória, países africanos de língua oficial portuguesa, relações estéticas entre literaturas em português. É directora do Programa de Pós-graduação de Língua e Cultura Portuguesa da Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa. É membro da Associação Internacional de Literatura Comparada, da Association por L Étude des Literatures Africaines (sediada em França), da AFROLIC - Associação Internacional de Estudos Africanos (São Paulo) e da AILP-CSH Associação Internacional de Ciências Sociais e Humanas em Língua Portuguesa. Membro fundador da UNEAS União Nacional de Escritores e Artistas de São Tomé e Príncipe e Sócia Honorária da UEA Associação de Escritores Angolanos. Membro Correspondente da Academia das Ciências de Lisboa Classe de Letras.

Referências

APPIAH, Kwame Anthony, “The Postcolonial and the Postmodern”. In: Bill Ashcroft, Gareth Griffiths e Helen Tiffin, (eds.), The Post-Colonial Studies Reader, London and New York: Routledge, 1999 (pp. 199-124).

BÂ. Amadou Hampatê, “A tradição viva” [Cap. 8]. In: Joseph Ki-Zerbo (Editor). História Geral da África – Volume I. Comitê Científico Internacional da UNESCO para Redação da História Geral da África. 2.ed. rev. Brasília: UNESCO, 2010 (p.167-212).

BENJAMIN, Walter, “O narrador: considerações sobre a obra de Nikolai Leskov” (1936). Magia e Técnica, Arte e Política. Ensaios sobre Literatura e História da Cultura. Obras Escolhidas. Volume I, 3a. Ed. São Paulo, Editora Brasiliense, 1987.

BLOOM, Harold, O Cânone Ocidental. Lisboa: Editorial Caminho, 1997.

CHIZIANE, Paulina, Ventos do Apocalipse (1993) Lisboa: Editorial Caminho, 1999.

GASSAMA, Makhily, Kuma – Interrogation sur la Littérature Nègre de Langue Française (poésie-roman), Dakar-Abidjan: Les Nouvelles Éditions Africaines, 1978.

IRELE, F. Abiola, The African Imagination: Literature in Africa & the Black Diaspora. Oxford: Oxford University Press, 2001.

MATA, Inocência, “No fluxo da resistência: a literatura, (ainda) universo da reinvenção da diferença”. In Revista Gragoatá. Programa de Pós-graduação do Instituto de Letras da Universidade Federal Fluminense. nº 27 – 2º semestre 2009 Niterói, 2010.

MEMMI, Albert, Retrato do Colonizado Precedido do Retrato do Colonizador, Rio de Janeiro: Editora Paz e Terra, 3ª ed., 1989.

ONG, Walter J., Orality & Literacy, London: Routledge, 1997.

RIÁUSOVA, Helena, “Problema da afinidade tipológica e da identidade nacional: o exemplo dos géneros grandes da narrativa da comunidade zonal das literaturas africanas de expressão portuguesa”. In: Littératures Africaines de Langue Portugaise: à la Recherche de l’Identité. Actes du Colloque International Actes du colloque international (Paris, 28-29-30 Novembre, 1 Decembre 1984), Paris: Fondation Calouste Gulbenkian/Centre Culturel, 1985 (pp. 537-543).

ROSCOE, Adrian, Mother is Gold. Cambridge: Cambridge University Press, 1971.

SALES, Germana Araújo e FURTADO, Marli Tereza, Teoria do Texto Narrativo. Belém: EDUFPA, 2009.

TINE, Alioune, “Por une théorie de la littérature africaine écrite”. Présence Africaine (Paris), nr 131-134, 1985.

THIONG’O, Ngugi Wa, Decolonizing the Mind: the Politics of Language in African Literature. Oxford: James Currey, 1996.

VANSINA, Jan, “A tradição oral e sua metodologia” [Cap. 7]. In: Joseph Ki-Zerbo (Editor). História Geral da África – Volume I. Comitê Científico Internacional da UNESCO para Redação da História Geral da África. 2.ed. rev. Brasília: UNESCO, 2010 (p.167-212). (pp. 139-166).

VIEIRA, Luandino. Nosso Musseque. Luanda: Editorial Njira, 2003.

VIEIRA, Luandino, Luuanda. Sao Paulo: Editora Ática, 1990.

WIEVIORKA, Michel, A Diferença, Lisboa, Fenda, 2003.

ZUMTHOR, Paul, Introduction à la Poésie Orale, Paris: Editions du Seuil, 1983.

Publicado
22-08-2018
Como Citar
Mata, I. (2018). Géneros narrativos nas literaturas africanas de língua portuguesa – entre a tradição africana e o “cânone ocidental”. Scripta, 19(37), 81-96. https://doi.org/10.5752/P.2358-3428.2015v19n37p81
Seção
Dossiê temático: Literatura e oralidades