O realismo grotesco e o grotesco onírico em “Romance negro”, de Rubem Fonseca

Palavras-chave: Literatura brasileira, Teoria da Literatura, Literatura Comparada,

Resumo

O presente estudo tem como objetivo analisar as estratégias narrativas que viabilizam a representação da estética do realismo grotesco no conto “Romance negro”, presente na obra Romance negro e outras histórias, de Rubem Fonseca, propondo a consideração desta estética literária operando a partir de duas vias principais na obra do autor: a realidade grotesca, abjeta, assustadora, aterradora; e a realidade dos sonhos, o onirismo como forma de escapar da realidade e criar assim uma realidade própria, que serve como forma de protesto frente ao mundo reificado da sociedade capitalista moderna. Ambas representações são atingidas através de suas relações com a estética do grotesco, concebida por sua capacidade de unir paradoxos, neste caso, o paradoxo do sonho e da realidade.

 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Luís Otávio Hott, Universidade Federal de Minas Gerais
Mestre em Teoria da Literatura e Literatura Comparada pela Universidade Federal de Minas Gerais, Licencidado e Bacharelado em Letras pela Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais.

Referências

BACHELARD, Gaston. A água e os sonhos: ensaio sobre a imaginação da matéria. São Paulo: Martins Fontes, 1998.

BAKHTIN, Mikhail. A cultura popular na Idade Média e no Renascimento:o contexto de François Rabelais. São Paulo: HUCITEC; Brasília: Editora da Universidade de Brasília, 1993.

BARTHES, Roland. O efeito de real. In: BARTHES, Roland. O rumor da língua. São Paulo: Martins Fontes, 2004.

BAUMAN, Zygmunt. O mal estar da pós-modernidade. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2001.

COSTA LIMA, Luiz. O cão pop e a alegoria cobradora. In: COSTA LIMA, Luiz. Dispersa demanda. Rio de Janeiro: Francisco Alves, 1981.

FONSECA, Rubem. Romance negro e outras histórias. São Paulo: Companhia das Letras, 1992.

HARVEY, David. Condição pós-moderna. Tradução de Adail Ubirajara Sobral e Maria Stela Gonçalves São Paulo: Loyola, 2. ed., 2012.

JEHA, Julio. As ligações criminais do Gótico. Soletras, Rio de Janeiro, Dossiê n. 27, p. 1-10, jan./jun., 2014.

KAYSER, Wolfgang. O grotesco. São Paulo: Perspectiva, 1986.

POE, Edgar Allan. Contos de imaginação e mistério. Tradução de Cássio de Arantes Leite. São Paulo: Tordesilhas, 2012.

POE, Edgar Allan. Histórias extraordinárias. Tradução de José Paulo Paes. São Paulo: Companhia das Letras, 2014.

POE, Edgar Allan. Poetry and Tales. New York: The Library of America, 1984.

SANTIAGO, Silviano. Errata. In: FONSECA, Rubem. A coleira do cão. Rio de Janeiro: Codecri, 1979

SCHØLLHAMMER, Karl Erik. O caso Fonseca: a procura do real. In: ROCHA, João Cezar de Castro. Nenhum Brasil existe – pequena enciclopédia. Rio de Janeiro: Topbooks, 2003.

Publicado
22-12-2016
Como Citar
Hott, L. O. (2016). O realismo grotesco e o grotesco onírico em “Romance negro”, de Rubem Fonseca. Scripta, 20(39), 130-146. https://doi.org/10.5752/P.2358-3428.2016v20n39p130
Seção
Dossiê: realismos e mediações