Mediação narrativa na geração de 30: Graciliano Ramos e o empilhamento palimpséstico de vozes e recursos estilísticos

  • Marcelo Marinho Universidade Federal da Integração Latino-Americana / Université de la Sorbonne Nouvelle https://orcid.org/0000-0001-5147-9769
  • Larissa Paula Tirloni Universidade Federal da Integração Latino-Americana / Universidade Federal do Paraná
Palavras-chave: Vidas Secas, Condição humana, Geração de 30, Recursos estilísticos, Mediação discursiva.

Resumo

Vidas secas (1938), de Graciliano Ramos, abraça as premissas do Romance de 30 e toma como pretexto o drama social e existencial dos retirantes para, por meio de expressivos recursos estilísticos transculturados de sua matriz poética europeia, induzir o leitor a uma prospecção no espaço existente entre a consciência (fictícia) dos personagens e o extenso e corrediço hipertexto em que se verbaliza o drama da própria condição humana. Por meio de um discurso que se desenvolve sob múltiplos registros de linguagem, o narrador apresenta-se como mediador de imbricadas cartografias da existência: os distintos focos narrativos e fontes de enunciação resultam de um antropofágico empilhamento palimpséstico de vozes de múltiplas origens.

 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Marcelo Marinho, Universidade Federal da Integração Latino-Americana / Université de la Sorbonne Nouvelle
Licenciado, Mestre e Doutor em Literatura Comparada pela Université de la Sorbonne Nouvelle, é professor de Literatura Latino-Americana Comparada da UNILA. Lecionou na Université du Québec à Montréal e na Universidade Eötvös Lorànd de Budapeste. Entre inúmeros livros e artigos no Brasil e no exterior, publicou João Guimarães Rosa (Paris, L’Harmattan) e Manoel de Barros – o brejo e o solfejo (Fundação de Cultura do Mato Grosso do Sul e Universidade Católica de Brasília). Como tradutor, dirigiu a edição de Musas na Encruzilhada (HUCITEC, UFSM, URI), coletânea de estudos de Daniel-Henri Pageaux. Realiza estágio pós-doutoral na Université de Paris III.
Larissa Paula Tirloni, Universidade Federal da Integração Latino-Americana / Universidade Federal do Paraná

Professora de Língua Espanhola e Língua Portuguesa Adicional na Universidade Federal da da Integração Latino-Americana, é Doutoranda em Estudos Literários pela Universidade Federal do Paraná. Especialista em Octavio Paz e Elena Poniatowska, tem trabalhos publicados no Brasil e no México. Lecionou na Universidad Nacional Mayor de San Marcos.

Referências

ALVAREZ, Aurora; LOPONDO, Lílian. O discurso da exclusão: um estudo da dêixis no texto literário. Desenredo. v. 8, n. 1. jan./jun. 2012, p. 100-114. Disponível em: <http://www.upf.br/seer/index.php/rd/article/view/2641>. Acesso em: 22 mar. 2015.

ÁVILA, Igor M. Discurso indireto livre em Madame Bovary: o despontar da forma. O Discurso indireto livre em Madame Bovary de Gustave Flaubert. O despontar da forma. Dissertação (Mestrado em Letras Modernas). São Paulo: USP, 2012. Disponível em: <http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/8/8146/tde-14092012-105825/publico/2012_IgorMilenkovichAvila.pdf>. Acesso em: 22 mar. 2015.

BAKHTIN, Mikhail. Marxismo e filosofia da linguagem. São Paulo: HUCITEC, 2009.

BUENO, Luís. Antonio Cândido leitor de Graciliano Ramos. Revista Letras. n. 74. Curitiba: Editora UFPR, n. 74, p. 71-85, 2008. Disponível em: <http://ojs.c3sl.ufpr.br/ojs2/index.php/letras/article/view/10944>.Acesso em: 22 mar. 2015.

CANDIDO, Antonio. Ficção e confissão: ensaios sobre Graciliano Ramos. Rio de Janeiro: Editora 34, 1992.

CARVALHO, Luiz Fernando (direção). Lavoura arcaica. Rio de Janeiro:

Riofilme, 2001. [DVD]

CERQUIGLINI, Bernard. Le style indirect libre et la modernité. Langages. v. 19, n. 73. Março 1984, p. 7-16. Disponível em: <http://www.persee.fr/web/revues/home/prescript/article/lgge_0458-726x_1984_num_19_73_1162>. Acesso em: 22 mar. 2015.

CHARTIER, Pierre. Introduction aux grandes théories du roman. Paris: Bordas, 1995.

DELEUZE, Gilles. La imagen-movimiento. Estudios sobre cine. Buenos Aires: Paidós, 2005.

FIORIN, José Luís. As astúcias da enunciação. São Paulo: Ática, 1996.

LEITE, Lígia Chiappini Moraes. O foco narrativo. São Paulo: Ática, 1985.

MERLEAU-PONTY, Maurice. Le visible et l’invisible. Paris: Gallimard, 1964.

RAMOS, Graciliano. Vidas secas. São Paulo, Record, 1938 – 1979.

RAMOS, Graciliano. Cartas. Rio de Janeiro: Record, 1980.

RAMOS, Ricardo. Lembrança de Graciliano. In: GARBUGLIO, José Carlos;

BOSI, Alfredo; FACIOLI, Valentim. Graciliano Ramos. São Paulo: Ática, 1987.

REUTER, Yves. Introdução à análise do romance. São Paulo: Martins Fontes,

RODARI, Gianni. Grammaire de l’imagination. Paris: Messidor, 1979.

SENNA, Homero. A última entrevista de Graciliano Ramos (1948). Jornal

Opção. n. 1944. 7-13/out/2012. Disponível em: <http://www.jornalopcao.com.br/posts/opcao-cultural/a-ultima-entrevista-de-graciliano-ramos>. Acesso em: 15 março 2015.

Publicado
22-12-2016
Como Citar
Marinho, M., & Tirloni, L. P. (2016). Mediação narrativa na geração de 30: Graciliano Ramos e o empilhamento palimpséstico de vozes e recursos estilísticos. Scripta, 20(39), 261-276. https://doi.org/10.5752/P.2358-3428.2016v20n39p261
Seção
Dossiê: realismos e mediações