A mediação literária da realidade colonial: representações da realidade nas literaturas africanas em português

Palavras-chave: Realidade colonial, Miguel Real, Realismo,

Resumo

No radicalismo de uma época de intolerância político-ideológica, como a época vivida nos anos 30-70 do século XX português, dominado pela ideologia (imperial e ditatorial) do Estado Novo, a literatura foi instância importante que buscou registar a realidade através de uma representação objectiva. Era preciso perseguir uma nova ordem política e social (na metrópole e nas colónias) e a transfiguração da realidade em arte (no caso em texto) foi a estratégia plausível para a transfiguração da realidade sócio-política para o campo literário, para parafrasear Miguel Real. Quase meio século depois, após o 25 de Abril, que levou à Revolução dos Cravos e acelerou as independências políticas das colónias portuguesas de África (1973-1975), como é possível entender esta estética – “estilo realista” na expressão de Miguel Real – e apreender a potencialidade anticolonial da estética que efectuou o registo desse tempo em obras de diferentes origens geoculturais, como as africanas, produzidas, tal como as portuguesas, sob o signo da censura?

 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Inocência Mata, Universidade de Lisboa
Professora da Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa na área de Literaturas, Artes e Culturas. É doutora em Letras pela Universidade de Lisboa, com pós-doutoramento em Estudos Pós-coloniais (Postcolonial Studies, Identity, Ethnicity, and Globalization, Universidade de Califórnia, Berkeley). É investigadora do Centro de Estudos Comparatistas, núcleo de excelência, segundo FCT-PT (Fundação para a Ciência e a Tecnologia, Portugal). Possui experiência na área de Letras (Outras Literaturas Vernáculas, Multiculturalismo e Dinâmicas Interculturais e, sobretudo, Estudos Pós-coloniais). Atua principalmente e interessa-se pelos seguintes temas: história, memória, países africanos de língua oficial portuguesa, relações estéticas entre literaturas em português. É directora do Programa de Pós-graduação de Língua e Cultura Portuguesa da Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa. É membro da Associação Internacional de Literatura Comparada, da Association por L Étude des Literatures Africaines (sediada em França), da AFROLIC - Associação Internacional de Estudos Africanos (São Paulo) e da AILP-CSH Associação Internacional de Ciências Sociais e Humanas em Língua Portuguesa. Membro fundador da UNEAS União Nacional de Escritores e Artistas de São Tomé e Príncipe e Sócia Honorária da UEA Associação de Escritores Angolanos. Membro Correspondente da Academia das Ciências de Lisboa Classe de Letras.

Referências

ANTÓNIO, Mário. Poema da farra. Disponível em: http://www.jornaldepoesia. jor.br/mat01.html. Acesso em: 20/11/2016.

AGOSTINHO NETO, António. Adeus à hora largada. In. AGOSTINHO NETO, António. Sagrada esperança. Lisboa: Livraria Sá da Costa Editora, 1974, p. 47- 48.

ALVES REDOL, António. In. Artigos de apoio Infopédia [em linha]. Porto: Porto Editora, 2003-2016. [consult. 2016-11-20 11:05]. Disponível na Internet: https:// www.infopedia.pt/$alves-redol

CRAVEIRINHA, José. Obra poética. Maputo: Imprensa Universitária.

EAGLETON, Terry. Marxismo e crítica literária. São Paulo: Editora UNESP,

FERREIRA, Manuel. No reino de Caliban II. Angola e São Tomé e Príncipe.

Lisboa: Plátano Editora Sá. 1988.

JACINTO, António. Monangamba. In: FERREIRA, Manuel. No reino de Caliban II. Angola e São Tomé e Príncipe. Lisboa: Plátano Editora Sá. 1988, p. 135-136.

JACINTO, António. Castigo pro comboio malandro. In: FERREIRA, Manuel. No reino de Caliban II. Angola e São Tomé e Príncipe. Lisboa: Plátano Editora. 1988, p.132, 133.

JACINTO, António. Poema de alienação. In: FERREIRA, Manuel. No reino de Caliban II. Angola e São Tomé e Príncipe. Lisboa: Plátano Editora, 1988

FERREIRA, José Carlos Ney; VEIGA, Vasco Soares da. Estatuto dos indígenas portugueses das províncias da Guiné, Angola e Moçambique. Anotado. 2a. ed. Lisboa: editora, 1957.

LARANJEIRA, Pires. A negritude africana de língua portuguesa. Porto:

Edições Afrontamento, 1995.

MACHADO, João. Uma breve abordagem ao Neo-Realismo. In: Esquerda.Net.Dossier 172: o neo-realismo em Portugal. 24 de fev. 2012. http://www.esquerda. net/dossier/uma-breve-abordagem-ao-neo-realismo. Acesso em: 30 abr. 2016.

PINTO, Manuel da Costa. Geração 90, submissão à realidade ou guerrilha

literária? Folha de São Paulo. Ilustrada, sábado, 02 de agosto de 2003.

QUEIRÓS, Eça. A literatura nova – o realismo como nova expressão de arte. 4a. Conferência do Casino, 12 de junho de 1871. In: CAMPOS MATOS (Org. e Coord.). Dicionário de Eça de Queirós. Lisboa: Editorial Caminho, 1988.

REAL, Miguel. Historiografia: Morte ao realismo! Viva o realismo! In: REAL, Miguel. O romance português contemporâneo, 1950-2010. Lisboa: Editorial Caminho, 2012.

TENREIRO, Francisco José. Ilha de nome santo. Novo cancioneiro. Coimbra, 1942.

TORRES, Alexandre Pinheiro. O movimento neo-realista em Portugal na sua primeira fase. 2. ed. Lisboa: ICALP/Ministério da Educação, 1983.

TORRES, Alexandre Pinheiro. O neo-realismo literário português. Lisboa:

Moraes Editores, 1977.

WILLIAMS, Raymond. Marxismo, estruturalismo e análise literária. In: Plural – Revista do Programa de Pós-Graduação em Sociologia da USP, São Paulo, v. 21, n. 1, 2014. p. 195-216.

Publicado
22-12-2016
Como Citar
Mata, I. (2016). A mediação literária da realidade colonial: representações da realidade nas literaturas africanas em português. Scripta, 20(39), 81-93. https://doi.org/10.5752/P.2358-3428.2016v20n39p81
Seção
Dossiê: realismos e mediações