A poesia de combate moçambicana: tópicas de um realismo belicoso

  • Ubiratã Souza Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas da Universidade de São Paulo https://orcid.org/0000-0002-0586-8015
  • Rejane Vecchia da Rocha e Silva Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas da Universidade de São Paulo
Palavras-chave: Literatura moçambicana, Poesia de combate, Poesia revolucionária.

Resumo

O objetivo deste artigo é um mapeamento das práticas artísticas revolucionárias que tiveram lugar em Moçambique durante a luta armada (1964 – 1974) e no período imediatamente posterior. Esse mapeamento deve nos levar em direção a um corpus privilegiado dessa produção que são as coletâneas Poesia de combate I (1979) e Poesia de combate II (1977), a partir do qual procederemos análises de poemas específicos que poderão nos fornecer um pequeno repertório de tópicas correntes que nos permitem traçar um perfil estético do que, a partir do debate literário acerca do função da literatura no ambiente revolucionário de Moçambique, seria considerado, a propósito, de “poesia revolucionária”.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Ubiratã Souza, Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas da Universidade de São Paulo
Possui graduação em Letras (2012), pela Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas (USP), mestrado acadêmico em Literaturas Africanas de Língua Portuguesa (2014), pela FFLCH (USP). Atualmente é doutorando no Programa de Pós-Graduação em Estudos Comparados de Literaturas de Língua Portuguesa, na mesma instituição. Tem experiência em crítica literária e suas interfaces com a história social e sociologia histórica, investigando os estudos africanos e da diáspora africana no Brasil.
Rejane Vecchia da Rocha e Silva, Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas da Universidade de São Paulo
Professora Doutora pela Universidade São Paulo na área de Literaturas Africanas de Língua Portuguesa. Graduada em Letras pela UNESP (1987) e História pela USP (1990) Mestrado (1994) e doutorado (2000) em Letras pela USP. Pós doutado pela UFBA (2002-2006) e pela Université Sourbonne (2014). É membro no Núcleo de Apoio à Pesquisa Brasil-África: Novos Horizontes (FFLCH/USP).

Referências

ANDRADE, Homero Freitas de. O realismo socialista e suas (in)definições. In: Literatura e sociedade, São Paulo, nº 13, 2010.

ANDRADE, Mário Pinto de. Antologia temática de poesia africana 2: o canto armado. Praia: Instituto Caboverdeano do Livro, 1980.

BALANDIER, Georges. A noção de situação colonial. Cadernos de campo, São Paulo, nº 3, 1993.

BASTO, Maria-Benedita. A guerra das escritas: literatura, nação e teoria pós-colonial em Moçambique. Lisboa: Vendaval, 2006.

BOAHEN, Albert Adu. Colonialismo na África: impacto e significação. In: BOAHEN, Albert Adu (ed.). História Geral da África v. VII: África sob dominação colonial, 1880-1935. Brasília: UNESCO, 2010.

CABAÇO, José Luís. Moçambique: identidade, colonialismo e libertação. São Paulo: UNESP, 2009.

CÉSAIRE, Aimé. Cahier d’un retour au pays natal. Paris: Présence Africaine,

-1960.

CANDIDO, Antonio. Timidez do romance. In: A educação pela noite. Rio de Janeiro: Ouro sobre azul, 2011.

CABRAL, Amílcar. A arma da teoria: unidade e luta I. Lisboa: Seara Nova, 1976.

FANON, Frantz. Os condenados da terra. Juiz de Fora: UFJF, 2005.

FRELIMO. Poesia de Combate I. Maputo: Departamento de Trabalho Ideológico, 1979.

FRELIMO. Poesia de Combate II. Maputo: Departamento de Trabalho

Ideológico, 1977.

FRY, Peter. Introdução. In: FRY, Peter. (Org.). Moçambique: ensaios. Rio de Janeiro: Ed. UFRJ, 2001.

MACAGNO, Lorenzo. Fragmentos de uma imaginação nacional. Revista

brasileira de Ciências Sociais, São Paulo, v. 24, n. 70, jun. 2009.

MACAGNO, Lorenzo. Multiculturalism in Mozambique? Revista Vibrant,

Brasília, v. 2, n. 5, jul./dez. 2008.

MAGAIA, Albino. Assim no tempo derrubado. Maputo: Instituto Nacional do Livro e do Disco, 1982.

MONDLANE, Eduardo. Lutar por Moçambique. Lisboa: Sá da Costa, 1975.

NAPOLITANO, Marcos. Arte e revolução: entre o artesanato dos sonhos e a engenharia das almas (1917 – 1968). Revista de sociologia e política, Curitiba, n. 8, 1997.

SILVA, Mário Augusto Medeiros da. Frantz Fanon e o ativismo político-cultural negro no Brasil: 1960/1980. In: Estudos históricos, Rio de Janeiro, n. 52, jul./ dez. 2013.

SOUZA, Ubiratã; VECCHIA, Rejane. Entrevista com Isabel de Noronha: dossiê quatro décadas de Independência. Via Atlântica, São Paulo, n. 27, 2015. p. 435 -454.

STRADA, Vittorio. Da “revolução cultural” ao “realismo socialista” / Do

“realismo socialista” ao zdhanovismo. In: HOBSBAWM, Eric (Org.). História do Marxismo V. IX - O marxismo na época da terceira internacional: problemas da cultura e da ideologia. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1987.

Publicado
22-12-2016
Como Citar
Souza, U., & Vecchia da Rocha e Silva, R. (2016). A poesia de combate moçambicana: tópicas de um realismo belicoso. Scripta, 20(39), 94-116. https://doi.org/10.5752/P.2358-3428.2016v20n39p94
Seção
Dossiê: realismos e mediações