ANÁLISE DE VIABILIDADE ECONÔMICA ENTRE RANABOX® E SISTEMAS DE RANICULTURA CONVENCIONAIS

  • Jefferson Luiz Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais
  • Evelyn Reis Cruz Cruz
  • Guilherme Lobato Menezes
  • Rafahel Carvalho de Souza
Palavras-chave: Rã touro americana, TIR, Análise econômica, Ranicultura

Resumo

A ranicultura no Brasil teve início em meados de 1930, hoje o país é considerado o maior produtor mundial de rãs em sistema intensivo. Ao longo dos anos houve crescimento da produção devido à atratividade do mercado, mesmo que ainda informal, aumentando a demanda por intensificação dos sistemas. Entretanto, a intensificação exige maior investimento e neste contexto, objetivou-se avaliar a viabilidade econômica dos sistemas: Anfigranja, Inundado e RANABOX®. Para tal, foi projetado o fluxo de caixa em três cenários e calculados a Taxa Interna de Retorno (TIR), Valor presente Líquido (VPL), Payback descontado, Taxa Mínima de Atratividade (TMA). Para a definição dos custos produtivos, calculou-se o Custo Operacional Efetivo (COE), Custos Operacionais Totais (COT), Custo Total (CT), Ponto de Equilíbrio (PE), Margem Bruta (MB) e margem liquida (ML). A Análise de sensibilidade dos negócios foi avaliada considerando diferentes preços de venda dos produtos e índices de mortalidade. Os sistemas Anfigranja, Inundado e RANABOX® apresentam 72,3%, 44,6% e 48,2% das combinações preço de venda x mortalidade inviáveis economicamente. No cenário otimista todos sistemas são viáveis economicamente. No cenário intermediário, os sistemas RANABOX® e Inundado apresentam resultados econômicos semelhantes e o Anfigranja demonstra menor viabilidade econômica.

Downloads

Não há dados estatísticos.
Publicado
26-12-2023
Como Citar
Luiz, J., Cruz, E. R. C., Lobato Menezes, G., & Carvalho de Souza, R. (2023). ANÁLISE DE VIABILIDADE ECONÔMICA ENTRE RANABOX® E SISTEMAS DE RANICULTURA CONVENCIONAIS. Sinapse Múltipla, 12(2), 107-120. Recuperado de https://periodicos.pucminas.br/index.php/sinapsemultipla/article/view/23596
Seção
SINAPSE AGRÁRIA