QUADROS DE GUERRA: QUANDO A VIDA É PASSÍVEL DE LUTO?

  • Marcel Chaves Ferreira Puc Minas

Resumo

Judith Butler, filósofa norte-americana, é uma das principais teóricas sobre o feminismo, teoria queer e sobre novas leituras éticas, com grande expressão no cenário atual, sendo também professora da Universidade da Califórnia em Berkeley.    Esta resenha pretende apresentar algumas análises do capítulo V, intitulado A reivindicação da não violência, que integra o complexo trabalho desenvolvido por Judith Butler em sua obra Quadros de Guerra. Pretende-se mostrar os principais aspectos de sua escrita e além, obviamente, do tema e conteúdo do capitulo.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Marcel Chaves Ferreira, Puc Minas
Graduando em Direito na Faculdade Mineira de Direito da PUC Minas. Extensionista voluntário na Assessoria Jurídica Popular, voluntário na 5ª. Vara da Justiça Federal. Integrante do Grupo de Estudos Feministas, coordenado pela Profa. Magda Guadalupe dos Santos, FMD PUC Minas, desde 2016.

Referências

BUTLER, Judith. A reivindicação da não violência. Quadros de Guerra: quando a vida é passível de luto. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2015, p.233-259.

Publicado
19-12-2016
Como Citar
Ferreira, M. C. (2016). QUADROS DE GUERRA: QUANDO A VIDA É PASSÍVEL DE LUTO?. Virtuajus, 1(1), 292-294. Recuperado de https://periodicos.pucminas.br/index.php/virtuajus/article/view/13747