PORNOGRAFIA E DESIGUALDADE DE GÊNERO

uma análise ético-jurídica

  • Bárbara Fonseca Caporali Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais
Palavras-chave: Pornografia, Desigualdade de Gênero, Liberdade de expressão, Teorias Feministas

Resumo

O presente trabalho visa a análise de teorias ético-jurídicas acerca de materiais pornográficos sob a ótica da desigualdade de gênero e da liberdade de expressão. A definição de pornografia que será usada será a de: “materiais gráficos que exploram a sexualidade humana com a exibição da subalternidade sexual da mulher” (DWORKIN; MACKINNON, 1989, p. 34). Na pesquisa inicialmente se propõe a analisar o conceito de feminismo radical e liberal, e o diálogo entre os autores Catharine MacKinnon e Ronald Dworkin sobre a questão, com enfoque na teoria ético-jurídica de MacKinnon. Também será explorada a abordagem da temática no ordenamento jurídico brasileiro, especialmente sob a ótica do revenge porn. A pesquisa se justifica na medida em que a pornografia é um fenômeno que deve ser observado atentamento sob o ângulo das recentes mudanças tecnológicas e da disseminação em massa da internet, por consequência, nota-se um crescente debate existente à respeito do tema, especialmente no cerne do movimento feminista. A metodologia adotada será centrada em pesquisa bibliográfica, de forma a desenvolver estudo exploratório baseado em materiais já elaborados.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Bárbara Fonseca Caporali, Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais

Graduanda em Direito pela Faculdade Mineira de Direito – PUC Minas.

Referências

ALMEIDA, Rariel Torres de; ALMEIDA, Marinalva Severina; CARVALHO, Adriana Pereira Dantas. A relevância da Lei 13.718/2018, seus impactos nos casos de revenge porn e a preservação ao princípio da dignidade da pessoa humana. Revista Jurídica Luso - Brasileira, Lisboa, v.5, n.6, p. 1807-1834, 2020.

ASHCROFT v. Free Speech Coalition. Justia, [S. l.], 2002. Disponível em: https://supreme.justia.com/cases/federal/us/535/234/. Acesso em: 16 out. 2022.

BRASIL. Lei nº 13.718, de 24 de setembro de 2018. Altera o Decreto-Lei nº 2.848, de 7 de dezembro de 1940 (Código Penal), para tipificar os crimes de importunação sexual e de divulgação de cena de estupro, tornar pública incondicionada a natureza da ação penal dos crimes contra a liberdade sexual e dos crimes sexuais contra vulnerável, estabelecer causas de aumento de pena para esses crimes e definir como causas de aumento de pena o estupro coletivo e o estupro corretivo; e revoga dispositivo do Decreto-Lei nº 3.688, de 3 de outubro de 1941 (Lei das Contravenções Penais). Brasília, DF: Diário Oficial da União, 24 set. 2018. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2015-2018/2018/lei/L13718.htm. Acesso em: 15 set. 2022.

BRASIL. Lei nº 14.321, de 31 de março de 2022. Altera a Lei nº 13.869, de 5 de setembro de 2019, para tipificar o crime de violência institucional. Brasília, DF: Diário Oficial da União, 31 mar. 2022. Disponível em: https://www.in.gov.br/en/web/dou/-/lei-n-14.321-de-31-de-marco-de-2022-390279314. Acesso em: 15 set. 2022.

BRASIL. Ministério da Mulher, da Família e dos Direitos Humanos. Diretrizes nacionais feminicídio investigar, processar e julgar com perspectiva de gênero as mortes violentas de mulheres. Brasília, DF: ONU Mulheres, 2016. Disponível em: https://www.gov.br/mdh/pt-br/navegue-por-temas/politicas-para-mulheres/arquivo/central-de-conteudos/publicacoes/2016/livro-diretrizes-nacionais-femenicidios-versao-wb.pdf/view/. Acesso em: 16 out. 2022.

BRASIL. Senado Federal. Lei que pune violência institucional contra vítima de crime entra em vigor. Brasília, DF: Agência Senado, 01 abr. 2022. https://www12.senado.leg.br/noticias/materias/2022/04/01/lei-que-pune-violencia-institucional-contra-vitima-de-crime-entra-em-vigor. Acesso em: 16 out. 2022.

BRIDGES, Ana J; et al. Aggression and sexual behavior in best-selling pornography video: a content analysis update. PubMed, [S. l.], v. 16, n. 10, out. 20110.Disponível em: https://pubmed.ncbi.nlm.nih.gov/20980228/. Acesso em: 10 out. 2022.

BUCHWALD, E.; FLETCHER, P. R.; ROTH, M. (Eds.). Transforming a rape culture. Min-neapolis: Milkweed Editions, [S. l.], 2003. (Trabalho original publicado em 1993).

CARVALHO, Weliton. Funções do Direito Comparado. Revista de Informação Legislativa, Brasília, DF: Senado Federal, v. 44, n. 175, jul./set. 2007, 139p. Disponível em: https://www12.senado.leg.br/ril/edicoes/44/175/ril_v44_n175_ p139.pdf. Acesso em: 16 out. 2022.

CHAUÍ, Marilena. Participando do debate sobre mulher e violência. Várias autoras, Perspectivas Antropológicas da Mulher, n. 4, Rio de Janeiro: Zahar Editores, 1985. p. 25-62.

COURT Role and Structure. U.S Courts, [S. l.], Disponível em: https://www.uscourts.gov/about-federal-courts/court-role-and-structure. Acesso em: 29 set. 2022.

DWORKIN, Andrea; MACKINNON, Catharine. Pornography and Civil Rights: A New Day for Womens' Equality. Organizing Against Pornography. [S. l.: s. n.], 1988.
DWORKIN, Robert. O direito da liberdade: a leitura moral da Constituição Norte Americana. São Paulo: [S.n.], 2006. p 363.

DWORKIN, Robert. Women and Pornography. In: KOGGEL, Christine. M. Moral Issues in Global Perspective. Toronto: Broadview Press, 2005, p 117-126.

ESTEFAM, André. Direito penal: parte especial (arts. 121 a 234-B). 5. ed. São Paulo: Saraiva Educação, 2018.

GIMENES, Erick. 'Fui assassinada', diz mulher que criou ONG contra 'vingança pornô'. G1, [S. l.], 8 mar. 2014. Disponível em: http://g1.globo.com/pr/norte-noroeste/noticia/2014/03/fui-assassinada-diz-mulher-que-criou-ong-contra-vinganca-porno.html. Acesso em: 10 out. 2022.

GRECO, Rogério. Curso de direito penal - volume 3 - parte especial: artigos 155 a 249 do Código Penal - 12. ed. rev., ampl. São Paulo: Atlas, 2019.

HANISCH, Carol. The personal is political. Carol Hanisch, [S. l.], 2009. Disponível em: https://www.carolhanisch.org/CHwritings/PIP.html. Acesso em: 16 out. 2022.

HAVLIK, Jan Gustave de Souza; REBOUÇAS, Gabriela Maia. Contribuições de Isaiah Berlin para refletir sobre liberdade. Revista Direitos Humanos Fundamentais, Osasco, jul-dez/2016, ano 16, n.2, p. 47-67. Disponível em: http://www.mpsp.mp.br/portal/page/portal/documentacao_e_divulgacao/doc_biblioteca/bibli_servicos_produtos/bibli_boletim/bibli_bol_2006/Rev-Dir-Hum-Fund_v.16_n.02.02.pdf. Acesso em: 05 out. 2022.

HUDSON, David L. Obscenity and Pornography. The Free Speech Center. Middle Tennessee State University, [S. l.], 2022. Disponível em: https://www.mtsu.edu/first-amendment/article/1004/obscenity-and-pornography. Acesso em: 22 set. 2022.

HUNTER; Nan D.; LAW, Sylvia A. Brief Amici Curiae of Feminist Anti-Censorship Taskforce, et al. American Booksellers Association v. Hudnut, 21 U. Journal of Law Reform, Michigan, v. 69, 1988. Disponível em: https://repository.law.umich.edu/mjlr/vol21/iss1/6. Acesso em: 23. set. 2022.

KNIGHT, K. Liberalism and conservatism. In: J. ROBINSON, J.; SHAVER, P.; WRIGHTSMAN, L. (Eds.), Measures of social psychological attitudes. San Diego: Academic Press, 1993, p. 59-158.

LEIDHOLDT, Dorchen; RAYMOND Janice G. The Sexual liberals and the attack on feminism. 1. ed. (The Athene series), [S. l.: s. n.] 1990.

LIBERALISM. Stanford Encyclopedia of Philosophy, [S. l.] 2022. Disponível em: https://plato.stanford.edu/entries/liberalism/#Bib. Acesso em: 10 out. 2022.

LISBINO, Jhon Kennedy Teixeira; CARIDADE, Sónia Maria Martins. Exposição não consentida de conteúdos íntimos na perspectiva do Poder Judiciário brasileiro. Suprema - Revista de Estudos Constitucionais, Brasília, v. 2, n. 1, p. 327-368, jan./jun. 2022.

MACKINNON, Catharine A. Are Women Human? and Other International Dialogues. Cambridge: Harvard University Press, 2006.
MACKINNON, Catharine A. Only words. Cambridge: Harvard University Press, 1993.

MACKINNON, Catharine A. OnlyFans is not a safe plataform for ‘sex work’. It’s a pimp. The New York Times, Nova York, 6 set. 2021. Disponível em: https://www.nytimes.com/2021/09/06/opinion/onlyfans-sex-work-safety.html. Acesso em: 17 out. 2022.

MACKINNON, Catharine. Toward a feminist theory of the state. Cambridge: Harvard University Press, 1989.

MARGOLIS, Eric. Arquivos de casos de obscenidade: Memórias v. Massachusetts. CBLDF, [S. l.], 7 ago. 2013. https://cbldf.org/2013/08/obscenity-case-files-memoirs-v-massachusetts/. Acesso em: 1 nov. 2022.

MATTOS, A. I. S.; et al. Desigualdades de gênero: uma revisão narrativa. Revista Saúde.Com, [S. l.], v. 11, n. 2, 2015, p.266-27. Disponível em: https://periodicos2.uesb.br/index.php/rsc/article/view/372/302. Acesso em: 1 nov. 2022.

MURARO, Cauê. 22 milhões de brasileiros assumem consumir pornografia e 76% são homens, diz pesquisa. G1, [S. l.], 2018. Disponível em: https://g1.globo.com/pop-arte/noticia/22-milhoes-de-brasileiros-assumem-consumir-pornografia-e-76-sao-homens-diz-pesquisa.ghtml. Acesso em: 26 set. 2022.

ONLINE PORNOGRAPHY: Young people’s experience of seeing online porn and the impact it has on them. Children’s Commissioner, [S. l.], 2016. Disponível em: https://www.childrenscommissioner.gov.uk/wp-content/uploads/2017/06/MDX-NSPCC-OCC-Online-Pornography-CYP-Version-16.5.17.pdf. Acesso em: 26 set. 2022.

ORGANIZAÇÃO DAS NAÇÕES UNIDAS. Strategies for confronting domestic violence: a resource manual. ONU: Nova York, 1993. Disponível em: http://www.unodc.org/pdf/youthnet/tools_strategy_english_domestic_ violence.pdf. Acesso em: 5 jul. 2022.

PORNOGRAFIA NA INTERNET em Números; Uma ameaça significativa para a sociedade. Webroot, [S. l.], 2022. Disponível em: https://www.webroot.com/us/en/resources/tips-articles/internet-pornography-by-the-numbers. Acesso em: 5 jul. 2022.

ROCHA, Cármen Lúcia Antunes. Vida digna: direito, ética e ciência. In: ROCHA, Cármen Lúcia Antunes. (Org.). O direito à vida digna. Belo Horizonte: Fórum, 2004, p. 11-174.

ROSA, Leonardo Gomes Penteado. O liberalismo igualitário de Ronald Dworkin: o caso da liberdade de expressão. 214. 254f. Dissertação (Mestrado em Filosofia e Teoria Geral do Direito) - Faculdade de Direito da Universidade de São Paulo, São Paulo, 2014.

ROTH v. United States. Oyez, [S. l.], 22 abr. 1957. Disponível em: http://www.oyez.org/cases/1956/582. Acesso em: 1 nov. 2022.

RYAN, William. Blaming the Victim. 2 ed. Nova York: Knopf Doubleday Publishing Group, 29 dez. 2010.

SANDLER, Winifred Ann. The Minneapolis Anti-Pornography Ordinance: a Valid Assertion of Civil Rights? Fordham Urban Law Journal, v. 13, n. 4, [S. l.], 1985. Disponível em: https://ir.lawnet.fordham.edu/cgi/viewcontent.cgi?article=1271&context=ulj. Acesso em: 22 set. 2022.

SANTOS, Magda Guadalupe dos. O impacto da corporeidade nos escritos de Catharine MacKinnon na década de 1990. Cadernos de Ética e Filosofia Política, São Paulo, v. 39, n. 2, 2021, p. 45.

SILVA, Elizabete Rodrigues da. Feminismo radical – pensamento e movimento. Travessias, Cascavel, v. 2, n. 3, 2010. Disponível em: https://e-revista.unioeste.br/index.php/travessias/article/view/3107. Acesso em: 23 set. 2022.

SITES ADULTOS e pornográficos nos EUA - Tamanho do mercado 2005–2028. IBS Word, [S. l.], 18 jul. 2022. Disponível em: https://www.ibisworld.com/industry-statistics/market-size/adult-pornographic-websites-united-states/. Acesso em: 5 jul. 2022.

TAVARES, Ligia Maria Ladeira; LOIS, Cecília Cabellero. Anotações sobre a teoria feminista do direito de Catharine MacKinnon. Revista de Gênero, Sexualidade e Direito, [S. l.], v. 2, n. 2, julho-dez. 2016.

THE 2019 YEAR IN REVIEW. Pornhub, [S. l.], 11 dez. 2019. Disponível em: https://www.pornhub.com/insights/2019-year-in-review#2019. Acesso em: 05 out. 2022.

ULIANO, André Borges. Pesquisadores publicam monografia sobre “Os Custos Socias da Pornografia.” Gazeta do Povo, [S. l.], 2022. Disponível em: https://www.gazetadopovo.com.br/instituto-politeia/pesquisadores-custos-sociais-pornografia/. Acesso em: 22 set. 2022.

VEER, Donald Van de. Pornografia (verbete). In: CANTO-PERBER, Monique (org.) Dicionário de ética e filosofia moral. São Leopoldo: Editora Unisinos, 2013.

WELZEL, Hans. Derecho penal alemán: parte geral. 4. ed. Santiago do Chile: Jurídica de Chile, 1997.

WU, Tim. Impérios da comunicação: do telefone à internet, da AT&T ao Google. Tradução Claudio Carina. Rio de Janeiro: Zahar, 2012.
Publicado
27-04-2023
Como Citar
Caporali, B. F. (2023). PORNOGRAFIA E DESIGUALDADE DE GÊNERO. Virtuajus, 8(14), 250-268. https://doi.org/10.5752/P.1678-3425.2023v8n14p250-268