NA ENCRUZILHADA ENTRE MESSIANISMO E REVOLUÇÃO

a violência divina em Walter Benjamin

  • Guilherme Sam-Sin de Souza Universidade Federal do Rio de Janeiro
Palavras-chave: Anarquismo, Criticismo, Messianismo, Revolução, Utopia

Resumo

O presente trabalho busca extrair diferentes níveis interpretativos em torno do sintagma violência divina, utilizado por Walter Benjamin em seu ensaio de 1921 intitulado “Para a crítica da violência”. Para tanto, nos utilizaremos de uma chave de leitura que priorize a importância dos cruzamentos entre as influências do messianismo judaico – em especial, a categoria de Redenção – e a categoria de revolução – anárquica e utópica – no pensamento benjaminiano. Nosso esforço consistirá em tatear as pistas deixadas por Gershom Scholem e os comentários  de autores da obra de Walter Benjamin que dialogam e dissertam sobre as referências teológicas do pensamento de Walter Benjamin e optam por contextualizar as discussões nas quais Benjamin estava inserido no período em que redigia seu ensaio (ao exemplo dos tensionamentos com a filosofia crítica de Kant, a entrada das referências marxianas por intermédio de Ernst Bloch e as discussões em torno de categorias judaicas de pensamento nas interlocuções com Scholem). Destarte, desenvolveremos as afinidades heréticas entre messianismo e revolução que emanam da violência divina benjaminiana e as diversas camadas de leitura que esse sintagma pode revelar. Além dos sentidos, espantos e inúmeras querelas e dissidências interpretativas que a violência divina – e seu caráter anárquico, revolucionário e escatológico – causa entre filósofos e comentadores da obra de Walter Benjamin. Também realizaremos comentários sobre como as imagens criadas por Benjamin, a partir de termos políticos e telógico-políticos, se apresentam como uma tentativa de expandir as possibilidades de uma gramática política radical para além do “realismo” empobrecido de determinados modos de fazer e pensar a filosofia política.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Guilherme Sam-Sin de Souza, Universidade Federal do Rio de Janeiro

Doutorando em Filosofia pela Universidade Federal do Rio de Janeiro e mestre pela mesma instituição. Graduado em Ciências Humanas Licenciatura pela Universidade Federal do Pampa. Participa do Núcleo de estudos em Walter Benjamin no Laboratório Filosofias do Tempo do Agora (Lafita), vinculado ao PPGF/UFRJ.

Referências

ARTUSO, Vicente. A revolta de Coré, Datã e Abiram. Análise Estilístico-Narrativa, e interpretação. 2007 369f. Tese (Doutorado em Teologia) – Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro: 2007.

BENJAMIN, Walter. Documentos de cultura, documentos de barbárie: escritos escolhidos. São Paulo: Edusp/Cultrix, 1986.

BENJAMIN, Walter. Escritos sobre mito e linguagem (1915-1921). São Paulo: Editora 34, 2013.

BENJAMIN, Walter. Imagens de pensamento: sobre o haxixe e outras drogas. Tradução de João Barrento. Belo Horizonte: Autêntica, 2017.

BENJAMIN, Walter. O anjo da história. Tradução de João Barrento. Belo Horizonte: Autêntica, 2020a.

BENJAMIN, Walter. O direito de usar a violência. Revista Direito e Práxis, Rio de Janeiro, v. 11, n. 3, p. 2090-2098, 2020b.

BERNSTEIN, Richard. Walter Benjamin: ¿violencia divina? In: Violencia: pensar sin barandillas. Tradução de Santiago Rey Salamanca. Barcelona: Gedisa, 2015.

BÍBLIA. Bíblia de Jerusalém. rev. e aum. São Paulo: Paulinas, 2002.

BOJANIĆ, Petar. “Divine Violence,” “Radical Violence”: Korah’s Rebellion. In: Violence and Messianism: Jewish philosophy and the great conflicts of the 20th century. Trad. Edward Djordjevic. New York: Taylor & Francis Books, 2018.

BUTLER, Judith. Caminhos divergentes: judaicidade e crítica ao sionismo. São Paulo: Boitempo, 2017.

BUTLER, Judith. Crítica, coerção e vida sagrada na “Crítica da Violência” de Benjamin. Revista Direito e Práxis, Rio de Janeiro, v. 11, n. 3, p. 1902-1933, 2020.

CHAVES, Ernani. Mito e política: notas sobre o conceito de destino no “jovem Benjamin”. Trans/Form/Ação, São Paulo, n. 17, p. 15-30, 1994.

COLLINGWOOD-SELBY, Elizabeth. Walter Benjamin: la lengua del exilio. Santiago: LOM Ediciones, 2014.

FENVES, Peter. The messianic reduction: Walter Benjamin and the shape of time. California: Stanford University Press, 2011.

FISCHER-LESCANO, Andreas. Uma “força justa e não violenta”? Uma crítica do direito na sociedade global”. Tempo Social – Revista de sociologia da USP, São Paulo, v. 27, n. 2, p. 103-127, 2015.

HAMACHER, Werner. Aformativo, greve. Revista Direito e Práxis, Rio de Janeiro, v. 11, n. 3, p. 2102-2129, 2020.

JACOBSON, Eric. Metaphysics of the profane: the political theology of Walter Benjamin and Gershom Scholem. New York: Columbia University Press, 2003.

KAFKA, Franz. Aforismos reunidos. Introdução e tradução de Modesto Carone. São Paulo: Instituto Moreira Salles, 2012.

KANT, Immanuel. O fim de todas as coisas. In: A paz perpétua e outros opúsculos. Tradução de Artur Morão. Lisboa: Ed. 70, p. 103-118, 1988.

KANT, Immanuel. A religião nos limites da simples razão. Tradução de Artur Morão. Lisboa: Ed. 70, 1992.

KANT, Immanuel. A metafísica dos costumes. São Paulo: Edipro, 2003.

KAUFMANN, David. Beyond use, within reason: Adorno, Benjamin and the question of theology. New German Critique, New York, n. 83, p. 151-173, 2001.

LESCH, Charles. Against politics: Walter Benjamin on justice, judaism, and the possibility of ethics. American Political Science Association, New Orleans, v. 108, n. 1, p. 218-232, 2014.

LOICK, Daniel. Kontingente Konnektionen: Walter Benjamins Kritik der Schuld. In: Deutsche Zeitschrift für Philosophie, Frankfurt, v. 60 n. 5, p. 725-742, 2012.

LÖWY, Michael. A revolução é o freio de emergência: ensaios sobre Walter Benjamin. São Paulo: Autonomia Literária, 2019.

LÖWY, Michael. Redenção e utopia: o judaísmo libertário na europa central (um estudo de afinidade eletiva). São Paulo: Perspectiva, 2020.

OLIVEIRA, Maria. A tradição interpretativa de rabinos e cabalistas, a crítica libertária e a tradução. Ipotesi – Revistas de Estudos Literários, Juiz de Fora, v. 6, p. 117-130, 2002.

RAULET, Gérard. Le Caractère destructeur. Paris: Aubier, 1997.

ROSENZWEIG, Franz. The star of redemption. Madison: The University of Wisconsin Press, 2005.

ROSE, Gillian. Judaism and modernity: philosophical essays. Londres: Verso, 2017.

SCHOLEM, Gershom. O Golem, Benjamin, Buber e outros justos: judaica I. São Paulo: Perspectiva, 1994.

SCHOLEM, Gershom. Major trends in jewish mysticism. New York: Schocken Books, 1995.

SCHOLEM, Gershom. A cabala e seu simbolismo. São Paulo: Perspectiva, 2015.

SOUZA, Paulo. As novas topografias do inferno: de Dante a Blade Runner. 2016. 276f. Dissertação (Mestrado em Artes) – Universidade Estadual de Campinas, São Paulo, 2016.

SILVA, Jailane. Walter Benjamin e o direito: violência pura como estado de exceção efetivo. Rio de Janeiro: Lumen Juris, 2018.

THIEM, Annika. Benjamin’s messianic metaphysics of transience. In: DICKINSON, Colby e SYMONS, Stéphane (Org.). Walter Benjamin and theology. New York: Fordham University Press, 2016.

TOMBA, Massimiliano. Justice and divine violence: Walter Benjamin and the time of anticipation. In: UC Santa Cruz Previously Published Works. p. 1-12, 2017. Disponível em: https://escholarship.org/uc/item/2hm8c3w0.

WALZER, Michael. Exodus and revolution. New York: Basic Books, 1985.

Publicado
22-06-2023
Como Citar
Souza, G. S.-S. de. (2023). NA ENCRUZILHADA ENTRE MESSIANISMO E REVOLUÇÃO. Virtuajus, 8(14), 109-124. https://doi.org/10.5752/P.1678-3425.2023v8n14p109-124
Seção
Dossiê “Para uma crítica da violência": Walter Benjamin 100 anos depois