REINE GEWALT

apontamentos para uma ética dos meios puros

  • Ana Carolina Martins Universidade Federal do Rio de Janeiro
  • Caio Paz Universidade Federal do Rio de Janeiro
Palavras-chave: Violência Pura, História, Felicidade, Direito

Resumo

Este artigo propõe realizar uma leitura do conceito de violência pura (reine gewalt) de Walter Benjamin. Essa leitura se caracteriza por um duplo movimento. Por um lado, ela exibe a crítica benjaminiana a respeito da conexão entre direito, violência e destino e, por outro, aponta elementos possíveis para um novo horizonte ético. Ao apresentar a crítica que o filósofo alemão elaborou no texto “Para uma crítica da violência”, articulamos as suas formulações não só com outros textos de “juventude”, produzidos mais ou menos na mesma época, mas também com textos tardios. Esse procedimento permitiu mostrar como a “ética dos meios puros” evocada pela reine gewalt interrompe o “destino” que a narrativa da tradição nos transmite a fim de garantir o vínculo entre poder e violência. Mais ainda, ele ajudou a exibir e deslocar a relação entre meios e fins, pensando em um meio puro como uma categoria ética fundamental. Com ela, foi possível articular violência pura e felicidade, porque ambas as categorias suspendem a relação com a finalidade, exibindo uma medialidade sem fim.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Ana Carolina Martins, Universidade Federal do Rio de Janeiro

Doutora em Filosofia pelo Programa de Pós-graduação em Filosofia (PPGF) da Universidade Federal do Rio de Janeiro, onde defendeu a tese Ideia da Infância: linguagem, história e política nos pensamentos de Giorgio Agamben e Walter Benjamin É também professora do Departamento de Educação Infantil do Colégio Pedro II, onde coordena o Núcleo de Estudos e Pesquisas em Linguagem, Infância e Filosofia.

Caio Paz, Universidade Federal do Rio de Janeiro

Doutor em Filosofia pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ / FAPERJ), mestre em Filosofia pela Universidade Federal Fluminense (UFF / CAPES) e graduado em História pela Universidade Federal Fluminense. Pesquisa Filosofia, com ênfase em Filosofia política, estudando especialmente o pensamento de Giorgio Agamben e Michel Foucault.

Referências

AGAMBEN, Giorgio. Estado de exceção. Tradução de Iraci D. Poleti. São Paulo: Boitempo, 2004.

AGAMBEN, Giorgio. Karman: breve trattato sull’azione, la colpa e il gesto. Turim: Bollati Boringhieri,
2017.

BENJAMIN, Walter. “A felicidade do homem antigo”. Tradução de Anderson Gonçalves. Magma: Revista do Departamento de Teoria Literária e Literatura Comparada da Universidade de São Paulo, São Paulo, n. 7, p. 105-108, 2001.

BENJAMIN, Walter. Passagens. Belo Horizonte: Editora UFMG; São Paulo: Imprensa Oficial do Estado de São Paulo, 2009.

BENJAMIN, Walter. “Para uma crítica da violência” In: BENJAMIN, Walter. Escritos sobre mito e linguagem. Tradução de Susana Kampff Lages e Ernani Chaves. São Paulo: Duas cidades; Ed. 34, 2011a.

BENJAMIN, Walter. “Destino e Caráter” In: BENJAMIN, Walter. Escritos sobre mito e linguagem. Tradução de Susana Kampff Lages e Ernani Chaves. São Paulo: Duas cidades; Ed. 34, 2011b.

BENJAMIN, Walter. “Sobre a linguagem em geral e sobre a linguagem do homem”. In: BENJAMIN, Walter. Escritos sobre mito e linguagem (1915-1921). São Paulo: Duas Cidades; Ed. 34, 2011c.

BENJAMIN, Walter. “Fragmento teológico-político”. In: BENJAMIN, Walter. O anjo da história. Tradução de João Barrento. Belo Horizonte: Autêntica Editora, 2012a.

BENJAMIN, Walter. “Reflexões preparatórias das teses Sobre o conceito de história”. In: BENJAMIN, Walter. O anjo da história. Tradução de João Barrento. Belo Horizonte: Autêntica Editora, 2012b.

BENJAMIN, Walter. Origens do drama trágico. Tradução de João Barrento. Belo Horizonte: Editora Autêntica, 2013.

GAGNEBIN, Jeanne Marie. História e narração em Walter Benjamin. São Paulo: Perspectiva, 2011.

GAGNEBIN, Jeanne Marie. “Teologia e messianismo no pensamento de Walter Benjamin”. Limiar, aura e rememoração: ensaios sobre Walter Benjamin. São Paulo: Editora 34, 2014.

JAREK, Márcio. “Sobre niilismo e felicidade em alguns escritos políticos de Walter Benjamin”. Cadernos Benjaminianos, Belo Horizonte, v. 14, n. 2, p. 77-90, 2018.

KANT, Immanuel. Crítica da Razão Pura. Tradução de Fernando Costa Mattos. 4ª edição. Petrópolis, RJ: Vozes; Bragança Paulista, São Paulo: Editora Universitária São Francisco, 2015.

ZINGANO, Marco Antônio. “Eudaimonia e o bem supremo em Aristóteles”. Analytica - Revista de Filosofia, Rio de Janeiro, RJ. Vol. 1, n. 2, p. 11-40, 1994.
Publicado
12-05-2023
Como Citar
Martins, A. C., & Paz, C. (2023). REINE GEWALT. Virtuajus, 8(14), 60-74. https://doi.org/10.5752/P.1678-3425.2023v8n14p60-74
Seção
Dossiê “Para uma crítica da violência": Walter Benjamin 100 anos depois