TRADUÇÃO: PROJETO DE VIOLÊNCIA PERPÉTUA

  • Marc de Launay CNRS
  • Isabela Pinho Universidade Federal do Rio Janeiro
Palavras-chave: Direito, Violência, Ética, Moral

Resumo

O presente artigo propõe uma análise de aspectos fundamentais da “Crítica da violência” de Walter Benjamin. Partindo do contexto histórico em que Benjamin redigiu o ensaio a uma análise minuciosa das inúmeras questões constitutivas do texto, em uma espécie de passo a passo, o foco que escolhemos aqui é o de uma reflexão sobre o direito em uma relação com o “mito” ou com a “religião”. O interesse de Benjamin sobre esse tema “político” explicita que suas preocupações concernem menos à “ciência” política que ao domínio ético, visto ser o ponto de vista constantemente adotado para julgar a violência por meio de uma reflexão filosófica sobre um aspecto do direito. É essa reflexão ético-filosófica sobre o direito que teremos em vista aqui.

 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Marc de Launay, CNRS

Filósofo, pesquisador do CNRS (França), associado aos Archives Husserl (ENS-Paris). Traduziu uma centena de autores alemães para o francês, dentre os quais Franz Kafka, Jürgen Habermas, Hannah Arendt, Edmund Husserl e Walter Benjamin. Seu trabalho se concentra na filosofia alemã e particularmente em Friedrich Nietzsche, neokantismo e hermenêutica. Tem várias obras publicadas, dentre as quais de O que é traduzir? (Vrin, 2006), Leituras filosóficas da Bíblia: Babel e Logos (Hermann, 2007) e, mais recentemente, Nietzsche et la race (Seuil, 2019) e Pintura e Filosofia (Éditions du Cerf, 2020).

Isabela Pinho, Universidade Federal do Rio Janeiro

Doutora em Filosofia pela UFRJ/Ludwig Maximilians-Universität (Munique), graduada e mestre em Filosofia pela UFF.  Realizou pesquisa de pós-doutorado em Filosofia na UFRJ.  É autora de "Feminino e linguagem: itinerários entre o silêncio e o tagarelar" (Relicário/PUC-Rio, 2023, prelo). Oferece cursos de extensão na PUC-Rio.

Referências

BENJAMIN, Walter. A tarefa do tradutor. In: BENJAMIN, Walter. Escritos sobre mito e linguagem. Tradução de Ernani Chaves. São Paulo: Duas Cidades, Editora 34, 2011.

BENJAMIN, Walter. Gesammelte Schriften, vol. II, 3. Org. Rolf Tiedemann, Hermann Schweppenhäuser. Frankfurt: Surhkamp, 1991.

BENJAMIN, Walter. Œuvres I. Paris: Gallimard, 2000.

BENJAMIN, Walter. Para uma crítica da violência. In: BENJAMIN, Walter. Escritos sobre mito e linguagem. Tradução de Ernani Chaves. São Paulo: Duas Cidades, Editora 34, 2011.

CASSIRER, Ernst. A filosofia das formas simbólicas. Vol. 2: O pensamento mítico. Tradução de Cláudia Cavalcanti. São Paulo: Martins Fontes, 2004.

CASSIRER, Ernst. Éloge de la métaphysique. Tradução de J. Carro, J. Gaubert. In: HÄGERSTRÖM, Axel. Œuvres XLVII. Paris: Le Cerf, 1996.

CASSIRER, Ernst. La philosophie des formes symboliques, vol. 2. Tradução de J. Lacoste. Paris: Éd. de Minuit, 1972.

CRÉPON, Marc. Les promesses du langage: Benjamin, Rosenzweig, Heidegger. Paris: Vrin, 2001.

CRÉPON, Marc. L’épreuve de la haine. Paris: Odile Jacob, 2016.

DERRIDA, Jacques. Força de Lei: o fundamento místico da autoridade. Tradução de Leyla Perrone-Moisés. São Paulo: Martins Fontes, 2010.

DERRIDA, Jacques. Force de Loi. Paris: Galilée, 1994-2005.

KÄSTNER, Erich. Vers l’abîme. Tradução de C. Gepner. Paris: 10/18, 2016.

KOSELLECK, Reinhart. Futuro passado: contribuição à semântica dos tempos históricos. Tradução de Wilma Patrícia Maas, Carlos Almeida. Rio de Janeiro: Contraponto/Ed. PUC-Rio, 2006.

KOSELLECK, Reinhart. La sémantique historico-critique des concepts antonymes asymétriques. In: KOSELLECK, Reinhart. Le futur passé. Paris: Éd. de l’École des Hautes Études en Sciences Sociales, 1990.

SALOMON, Ernst. Les réprouvés. Tradução de A. Vaillant. Paris: Plon, 1931.
REINACH, Adolf. Die apriorischen Grundlagen des bürgerlichen Rechtes. In: REINACH, Adolf. Jahrbuch für Philosophie und Phänomenologische Forschung. Ed. Ed. Husserl. Vol.1, 1. 1913.
Publicado
01-06-2023
Como Citar
Launay, M. de, & Pinho, I. (2023). TRADUÇÃO: PROJETO DE VIOLÊNCIA PERPÉTUA . Virtuajus, 8(14), 23-32. https://doi.org/10.5752/P.1678-3425.2023v8n14p23-32
Seção
Dossiê “Para uma crítica da violência": Walter Benjamin 100 anos depois