O processo de envelhecimento e as redes de sociabilidade lésbica na cidade de Belo Horizonte entre os anos 1970 e 2000

a potência dos vínculos de amizade se materializando em saúde

Palavras-chave: Saúde, Envelhecimento, Laços sociais, Gênero, Homossexualidades

Resumo

Este artigo destaca a importância das redes de apoio e dos laços sociais para lésbicas idosas, examinando como essas conexões sociais impactam positivamente a qualidade de vida e ajudam a superar desafios relacionados à saúde, solidão e discriminação. O estudo se baseia em dados e relatos coletados de 21 lésbicas com mais de 60 anos, que faziam parte de diferentes grupos, como o Vila Sésamo na juventude e a atual Confraria na velhice. As histórias dessas mulheres demonstram a importância dos vínculos de amizade em sua saúde e bem-estar, especialmente quando comparadas com entrevistadas mais isoladas socialmente. Além do grupo Vila Sésamo e da Confraria, o artigo menciona outros dois grupos de mulheres nascidas entre as décadas de 1930 e 1960, proprietárias de bares e frequentadoras de espaços homossexuais em Belo Horizonte. Embora o foco principal seja nas experiências das "confreiras", os relatos dos outros grupos são usados para comparação. A pesquisa utiliza entrevistas em profundidade e a técnica de snowball para selecionar as participantes, e foram conduzidas até atingir a saturação de informações. Em suas conclusões, o artigo enfatiza a importância dos laços sociais e das redes de apoio para a saúde e o bem-estar das lésbicas idosas, fornecendo uma visão valiosa das experiências dessas mulheres ao longo de suas vidas. Isso contribui para uma compreensão mais abrangente e diversa do envelhecimento e aponta para a importância de incluir as experiências e necessidades das lésbicas idosas na discussão sobre envelhecimento e bem-estar, destacando a voz dessa comunidade.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Janice Aparecida de Souza, Universidade do Estado de Minas Gerais

Biografia da autora:
Graduada em História, Especialista em Teoria e Método em História Moderna e do Brasil, mestre em Educação pela Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG) e doutoranda em Ciências Sociais pela Pon-tifícia Universidade Católica de Minas Gerais. Professora concursada na Faculdade de Educação da UEMG, trabalha com História da Educação: a Educação na Formação Social Moderna. Ocupou os cargos de Superintendente de Políticas de Promoção de Direitos e Cidadania, Coordenadora da Casa de Direitos Humanos e Diretora de Orientação ao Trabalho no Governo do Estado de Minas Gerais. Possui também 20 anos de experiências em atividades de gestão na iniciativa privada

Alessandra Chacham, Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais

Biografia da autora:
Professora do Programa de Pós-Graduação em Ciências Sociais da Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais, doutora em Demografia pela Universidade Federal de Minas Gerais, Brasil. 

Referências

BIERNATH, André. Por que a solidão virou uma das grandes preocupações de saúde do século 21. BBC News Brasil, 15 ago. 2023. Disponível em: https://www.bbc.com/portuguese/articles/cd145rv214ko.

BRASIL. Ministério do Desenvolvimento Social. Concepção de convivência e fortalecimento de vínculos. Brasília, DF: MDS, Secretaria Nacional de Assistência Social, 2017.

ERIBON, Didier. Reflexões sobre a questão gay. Rio de Janeiro: Companhia de Freud,
2008.

GOFFMAN, Erving. Estigma: notas sobre a manipulação da identidade deteriorada. 4. ed. Rio de Janeiro: LTC, 1988.

HARVARD MEDICAL SCHOOL. Welcome to the Harvard Study of Adult Development. Harvard Second Generation Study, 2015. Disponível em: https://www.adultdevelopmentstudy.org/.

HOLT-LUNSTAD, Julianne; SMITH, Timothy B.; BAKER, Mark; HARRIS, Tyler; STEPHENSON, David. Loneliness and social isolation as risk factors for mortality: A meta-analytic review. Perspective Psychology Science, [S.l.], v. 10, n. 2, p. 227-237, March 2015. Disponível em: https://pubmed.ncbi.nlm.nih.gov/25910392/.

LUGONES, María. Colonialidade e gênero. In: HOLLANDA, Heloisa Buarque de (Org.). Pensamento feminista hoje: perspectivas decoloniais. Rio de Janeiro: Bazar do Tempo, 2020. p. 52-84.

MORANDO QUEIROZ, Luiz Gonzaga. Vestígios de protoativismo LGBTQIA em Belo Ho-rizonte (1950-1996). Rebeh - Revista Brasileira de Estudos da Homocultura, [S.l.], v. 1, n. 4, p. 62-76, fev. 2019. Disponível em: www.revistas.unilab.edu.br/index.php/rebeh.

NICOLI, Pedro Augusto Gravatá et al. Envelhecer LGBT+: histórias de vida e direitos. Belo Horizonte: Diverso UFMG, 2023.

PAUGAM, Serge. Le lien social. Tradução livre de pesquisadores do NEPSAS PUC/SP. Paris: Presses Universitaires de France, 2008. Versão traduzida, mimeo.

PONSE, Barbara. Secrecy in the Lesbian World. In: WARREN, C. (Ed.). Sexuality: En-counters, identities, and relationships. Beverly Hills: Sage, 1976. p. 53-79.

ROSA, Carlos Mendes; VILHENA, Junia de. O silenciamento da velhice: apagamento social e processos de subjetivação. Revista Subjetividades, Fortaleza, v. 16, n. 2, p. 9-19, ago. 2016. Disponível em: https://ojs.unifor.br/rmes/article/view/5498/pdf.

SEDGWICK, Eve Kosofsky. A epistemologia do armário. cadernos pagu, Campinas, n. 28, p. 19-54, jan.-jun. 2007. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/cpa/n28/03.pdf.

SEIDMAN, Steven. Beyond the Closet: The transformation of gay and lesbian life. New York: Routledge, 2004.

SOUZA, Janice Aparecida de. Vivências lésbicas na cidade de Belo Horizonte entre as décadas de 1970 e 2000: um retrato falado. 2022. 226 f. Tese (Doutorado em Ciências Sociais) - Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais, Belo Horizonte, 2022.

WALDINGER, Robert J.; SCHULZ, Marc. The Good Life: Lessons from the World's Longest Scientific Study of Happiness. New York: Simon & Schuster, 2023.
Publicado
08-11-2023
Como Citar
Souza, J. A. de, & Chacham, A. (2023). O processo de envelhecimento e as redes de sociabilidade lésbica na cidade de Belo Horizonte entre os anos 1970 e 2000. Virtuajus, 8(15), 78-92. https://doi.org/10.5752/P.1678-3425.2023v8n15p78-92