[1]
M. C. Ferreira, “QUADROS DE GUERRA: QUANDO A VIDA É PASSÍVEL DE LUTO?”, VJ, vol. 1, nº 1, p. 292-294, dez. 2016.