A ARQUITETURA NEOCOLONIAL DE RICARDO SEVERO E JOSÉ MARIANNO

Palavras-chave: neocolonial, tradição, nação

Resumo

O artigo analisa as reflexões de Ricardo Severo e José Marianno, intelectuais que propuseram um estilo arquitetônico nacional entre final dos anos 1910 e começo da década seguinte. A estética defendida por esses intelectuais foi denominada neocolonial, e visava restabelecer uma suposta tradição interrompida. A proposta consistia em fundar um estilo genuinamente brasileiro a partir da revitalização da arquitetura colonial portuguesa. O artigo busca mostrar como Severo e Marianno pensaram o artefato arquitetônico segundo uma concepção nacionalista.

Biografia do Autor

Caion Meneguello Natal, Universidade de São Paulo, Instituto de Estudos Brasileiros
Historiador, mestre e doutor em história pela Universidade Estadual de Campinas, atualmente é pesquisador vinculado ao programa de pós-doutorado do Instituto de Estudos Brasileiros da USP. Trabalha com questões relativas à história intelectual, história do Brasil República, arquitetura, música e literatura.

Referências

AMARAL, Aracy (cord.). Arquitetura Neocolonial: América Latina, Caribe, EUA. São Paulo: Memorial/Fundo de Cultura Econômica, 1994.

_______________. Artes Plásticas na semana de 22. São Paulo: Editora 34, 1998.

AZEVEDO, Ricardo Marques de. Las ideas de Ricardo Severo y la relación com el academicismo. In: AMARAL, Aracy (cord.). Arquitetura Neocolonial: América Latina, Caribe, EUA. São Paulo: Memorial/Fundo de Cultura Econômica, 1994.

BANDEIRA, Julio. Solar de Monjope. Rio de Janeiro: Reler, 2008.

BRUAND, Yves. Arquitetura contemporânea no Brasil. São Paulo: Perspectiva, 1981.

COLQUHOUN, Alan. Modernidade e tradição clássica: ensaios sobre arquitetura 1980-1987. São Paulo: Cosac & Naify, 2004.

FABRIS, Annateresa. Ecletismo na arquitetura brasileira. São Paulo: Livraria Nobel, 1987.

GOMES JÚNIOR, Guilherme Simões. Palavra peregrina: o Barroco e o pensamento sobre artes e letras no Brasil. São Paulo: EDUSP, 1998.

KESSEL, Carlos. Arquitetura Neocolonial: entre o pastiche e a modernidade. Rio de Janeiro: Jauá Editora, 2008.

LEMOS, Carlos A. C. Alvenaria Burguesa: breve história da arquitetura residencial de tijolos em São Paulo a partir do ciclo econômico liderado pelo café. São Paulo: Ed. Nobel, 1989.

__________________El estilo que nunca existió. In: AMARAL, Aracy (cord.). Arquitetura Neocolonial: América Latina, Caribe, EUA. São Paulo: Memorial/Fundo de Cultura Econômica, 1994.

MARIANNO FILHO, José. Acerca dos copiares do nordeste brasileiro. Rio de Janeiro: Mendes Junior, 1942.

_____________________. À margem do problema arquitetônico nacional. Rio de Janeiro: Mendes Junior, 1943a.

____________________. Influências muçulmanas na architectura tradicional brasileira. Rio de Janeiro: Editora A Noite, 1943b.

MELLO, Joana. Ricardo Severo: da arqueologia portuguesa à arquitetura brasileira. São Paulo: Annablume; Fapes, 2007.

NATAL, Caion Meneguello. Da casa de barro ao palácio de concreto: a invenção do patrimônio arquitetônico no Brasil (1914-1951). Tese (Doutorado em História) – Departamento de História, Instituto de Filosofia e Ciências Humanas, Universidade Estadual de Campinas, 2013.

POMIAN, Krzstof. L’ordre du temps. Paris: Gallimard, 1990.

PUPPI, Marcelo. Por uma história não moderna da arquitetura brasileira: questões de historiografia. Campinas: Pontes, 1998.

SEVERO, Ricardo. A arte tradicional no Brasil: a casa e o templo. In: Sociedade de Cultura Artística. Conferências 1914-1915. São Paulo: Tipographia Levi, 1916.

______________. A arte tradicional no Brasil. Revista do Brasil. São Paulo, ano II, v. 4, janeiro-abril, 1917.

Publicado
26-12-2019
Seção
Artigos