A trajetória do general João Nunes da Silva Tavares (Joca Tavares) através de dados biográficos durante a Revolução Federalista de 1893-1895

  • Gustavo Figueira Andrade Programa de Pós-Graduação em História - Universidade Federal de Santa Maria (UFSM)
  • Maria Medianeira Padoin Universidade Federal de Santa Maria - UFSM
Palavras-chave: Joca Tavares, Biografias, História Política, Revolução Federalista de 1893, Relações de Poder, Fronteiras.

Resumo

Este trabalho visa apresentar uma análise da construção da trajetória do General João Nunes da Silva Tavares (Joca Tavares) através de dados biográficos, durante a Revolução Federalista de 1893-1895. Para tal, partiremos das renovações historiográficas dos anos 1980, as quais permitiram uma ampliação do conceito de fontes históricas, realizando uma revisão dos trabalhos realizados por pesquisadores e historiadores que abordam sua vida e atuação ao longo do século XX. Neste sentido, buscaremos compreender seu lugar social, suas relações de poder, evidenciando por meio das correspondências sua atuação política e os diversos aspectos de sua vida além do militar. Assim, serão utilizados autores que pensam metodologicamente a questão das correspondências; a renovação das biografias e suas possibilidades; redes de relações de poder e as elites.

Biografia do Autor

Gustavo Figueira Andrade, Programa de Pós-Graduação em História - Universidade Federal de Santa Maria (UFSM)
Gustavo Figueira Andrade é historiador, graduado em História pela Universidade Federal de Pelotas (UFPEL) e mestre em História pela Universidade Federal de Santa Maria (UFSM). Durante sua trajetória acadêmica, grande parte voltada para pesquisa, fez parte de projetos que buscaram investigar questões relacionadas a memórias, correspondências pessoais e jornais do período que abrange o final do século XIX, especialmente a Revolução Federalista de 1893-1895. Durante o mestrado em História (PPGH/UFSM) integrou a linha de pesquisa sobre Fronteira, Política e Sociedade, desenvolvendo, com auxílio de bolsa CAPES/DS, estudos no âmbito da História Política, procurando na atuação dos indivíduos, utilizar uma nova perspectiva sobre suas trajetórias políticas e relações de poder num espaço fronteiriço.
Maria Medianeira Padoin, Universidade Federal de Santa Maria - UFSM

Doutora em História pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul; Professora Orientadora do Programa de Pós Graduação em História - PPGH;  Professora Associada 4 do Departamento de História Co-coordenadora do Comitê História, Regiões e Fronteiras da AUGM;- Universidade Federal de Santa Maria - UFSM;

 

Referências

ANDRADE, Gustavo Figueira. A trajetória política do General João Nunes da Silva Tavares (Joca Tavares): família, comunicação e fronteira. Dissertação (Mestrado História). Santa Maria: Programa de Pós-Graduação em História, UFSM, 2017.

ARRIOLA, A. T. Propuesta de definición histórica para región. Estúdios de Historia Moderna y Contemporânea de México, Ciudad de Mexico, n. 35, p. 181-204, jan./jun. 2008. Disponível em: < http://www.scielo.org.mx/pdf/ehmcm/n35/n35a6.pdf>. Acesso em: 26 nov. 2016.

BISCHOFF, A. W. João Nunes da Silva Tavares. In: TAVARES, J. N. da S. Diário da Revolução Federalista de 1893. CABEDA, C. B. P.; AXT, G.; SEELING, R. V. (Org). Porto Alegre: Procuradoria Geral de Justiça, Projeto Memória, 2004. Tomo II. (Memória Política e Jurídica do Rio Grande do Sul, 3).

CARVALHO, J. M. de. A construção da ordem: a elite política imperial e o teatro das sombras: a política Imperial. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2003.

CARVALHO, M. T. Nobiliário sul-riograndense. 2. ed. Porto Alegre: EDIGAL, 2011.

FALLETI, T. G.; SISLIAN, F. Dominación Política: Redes Familiares y Clientelismo. Buenos Aires: Grupo Editor Universitário, 1996.

FARINATTI, Luis Augusto. Confins Meridionais: famílias de elite e sociedade agrária na fronteira sul do Brasil (1825-1865). Tese de Doutorado em História. Rio de Janeiro: PPG em História Social do IFCS-UFRJ, 2007. Apud VARGAS, J.M. Pelas margens do Atlântico: um estudo sobre elites locais e regionais no Brasil a partir das famílias proprietárias de charqueadas em Pelotas, Rio Grande do Sul (século XIX). Tese de Doutorado em História –Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2013.

FARINATTI, L. A. E. Confins Meridionais: famílias de elite e sociedade agrária na fronteira meridional do Brasil. Santa Maria: Ed. da UFSM, 2010.

FLORES, M.; FLORES, H. A. H. Rio Grande do Sul: aspectos da Revolução de 1893. Porto Alegre: Martins Livreiro, 1999.

FRIEDLÄNER, Saul. Histoire et psychanayse. In: Biografia e storiografia. Paris: Editora du Seuil. 1975.

GOMES, Â. de C. Escrita de si, escrita da História. Rio de Janeiro: FGV, 2004.

GUIMARÃES, M. L. S. A disputa pelo passado na cultura histórica oitocentista no Brasil. In: CARVAHO, J. M. Nação e cidadania no Império: novos horizontes. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2007. p. 95-122.

LEMOS, R. Bem traçadas linhas: a história do Brasil em cartas pessoais. Rio de Janeiro: Bom Texto, 2004.

LOPES, F. H. Fontes Históricas: desafios, propostas e debates. Revista História da Historiografia, Ouro Preto, n. 10, p. 315-322, dez. 2012.

LEVILLAIN, P. Os protagonistas: da biografia. In: RÉMOND, R. Por uma história Política. Tradução de Dora Rocha. 2. ed. Rio de Janeiro: Editora FGV, 2003.

MORITZ, G. Acontecimentos políticos do Rio Grande do Sul: parte I e II. Organização de Gunter Axt et al. Porto Alegre: Procuradoria-Geral da Justiça, Projeto Memória, 2005.

MONTELLO, Josué. O espelho das cartas. In: FREIRE, Gilberto. Cartas do próprio punho sobre pessoas e coisas do Brasil e do estrangeiro. Rio de Janeiro: MEC, 1978, p. 8. Apud LEMOS, R. Bem traçadas linhas: a história do Brasil em cartas pessoais. Rio de Janeiro: Bom Texto, 2004.

OLIVEIRA, M. da G. de. Escrever vidas, narrar a história: a biografia como problema historiográfico no Brasil oitocentista. Rio de Janeiro: Editora FGV, 2011.

OLIVEIRA, L. R. Nas veredas do Império: guerra, política e mobilidades através da trajetória do Visconde de Serro Alegre (Rio Grande do Sul, c.1790 - c.1870). 2016.155 p. Dissertação (Mestrado em História)–Pontífica Universidade Católica do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2016.

PORTO ALEGRE, A. Homens Ilustres do Rio Grande do Sul. Porto Alegre: Selbach, 1917.

REIS, J. Apontamentos Históricos e Estatísticos de Bagé. Bagé: Tipografia do Jornal Correio do Povo, 1911.

RHEINGANTZ, C. G. Famílias primeiras de Bagé. Bagé: EDIURCAMP, 1993.

SILVERMAN, S. F. Patronage and community-nation relationships in central Italy. In: SCHMIDT, S. W. Friends, followers and factions: a reader in political clientelism. Berkley: University of Califórnia, 1977. p. 293-304.

SOUZA, P. J. S. de. Relatório de Repartição dos Negócios Estrangeiros apresentado à Assembleia Legislativa na 3ª Sessão da 8ª Legislatura pelo respectivo ministro e secretário de Estado Paulino José Soares de Souza. Rio de Janeiro: Tipografia Universal de Laemmert, 1851.

SOUZA, S. B. de. A Fronteira na Revolução de 1893. p. 25-34. In: POSSAMAI, Z. (org.). Revolução Federalista de 1893. Porto Alegre: Secretaria Municipal de Cultura, 1993. Coleção Cadernos Ponto e Vírgula, n. 3. p. 104.

STONE, L. Prosopografia. Revista de Sociologia e Política, Curitiba, v. 19, n. 39, p. 115-137, jun. 2011.

TABORDA, T. Joca Tavares e a Revolução Federalista em Bagé. In: Conferência realizada na Academia Rio-Grandense de Letras. Porto Alegre: Biblioteca Pública do Estado do RS, 3 jun. 1993.

TAVARES, F. da S. Diário da Revolução Federalista de 1893. CABEDA, C. B. P.; AXT, G.; SEELING, R. V. (Org). Porto Alegre: Procuradoria Geral de Justiça, Projeto Memória, 2004. Tomo I. (Memória Política e Jurídica do Rio Grande do Sul, 3).

VARGAS, J. M. Entre a Paróquia e a Corte: uma análise da elite política do Rio Grande do Sul (1868 – 1889). 2007. 276 f. Dissertação (Mestrado em História)–Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2007.

______. Pelas margens do Atlântico: um estudo sobre elites locais e regionais no Brasil a partir das famílias proprietárias de charqueadas em Pelotas, Rio Grande do Sul (século XIX). Tese (Doutorado em História)–Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2013.

VIEIRA, J. C. N. O Fundador do Herval. 2. ed. Bagé: s/e, 2010.

DOCUMENTAIS

Acervo de correspondências do General Joca Tavares

ACERVO Particular da Família Tavares, Cidade de Bagé, RS. Transcrição realizada por Gustavo Figueira Andrade.

ARQUIVO Histórico Do Rio Grande Do Sul, Fundo da Guarda Nacional, Lata 428, maço 3.

ARQUIVO Público do Estado do Rio Grande do Sul (APERS), Poder Judiciário. Cível e Crime. Inventário Post Mortem, maço 8, n. 314, ano 1902.

ARQUIVO Público do Estado do Rio Grande do Sul (APERS), Poder Judiciário. Cível e Crime. Medições de Campo, maço 22, n. 778, ano 1902.

Hemeroteca digital da Biblioteca Nacional

Jornal A Federação. Porto Alegre, 31 ago. 1885, p. 2.

Jornal A Federação. Porto Alegre, 7 out. 1885, p. 2.

Jornal A Federação. Porto Alegre, 20 mar. 1886, p. 2.

Jornal A Federação. Porto Alegre, 8 jul. 1889, p. 1.

Jornal A Federação. Porto Alegre,16 nov. 1889, p. 1.

Publicado
05-09-2020
Como Citar
Andrade, G. F., & Padoin, M. M. (2020). A trajetória do general João Nunes da Silva Tavares (Joca Tavares) através de dados biográficos durante a Revolução Federalista de 1893-1895. Cadernos De História, 21(33), 22. Recuperado de http://periodicos.pucminas.br/index.php/cadernoshistoria/article/view/15160
Seção
TEMÁTICA LIVRE/FREE SUBJECT - ARTIGOS/ARTICLES