Um discurso sobre o nada: a depreciação à retórica em “O Alienista”

  • Raphael Silva Fagundes Universidade do Estado do Rio de Janeiro
Palavras-chave: Retórica. Machado de Assis. Século XIX

Resumo

O objetivo deste texto é analisar os atos de fala do conto de Machado de Assis em relação à crítica ao modelo retórico cultuado pelas elites letradas do século XIX. Ironizando as figuras de retórica e a fala rebuscada, nos atentaremos para o fato de que em “O Alienista” o autor deprecia a retórica como algo que esconde uma fraude, que não passa de um palavrório que busca acobertar o nada. Sendo parte de seu tempo, o bruxo do Cosme Velho age em seu contexto visando alterar as maneiras tradicionais de circulação de ideias, contribuindo para um debate extremamente consistente em sua época.

Referências

Fontes primárias

ANTONIO, Fr. Sebastião de Santo. Ensaio de retórica, conforme o método e doutrina de Quintiliano. Lisboa: Oficina Luisiana, 1779. p. 108. Disponível em: https://books.google.com.br/books?id=RH7iFn6Ls6IC&pg=PA107&lpg=PA107&dq=sorites+C%C3%ADcero+e+quintiliano&source=bl&ots=PiR3NidcQh&sig=4EoaHeIqFvsLrOryMvafpUt53bU&hl=pt-BR&sa=X&ved=0ahUKEwiyiqeQ67DVAhWKjJAKHZvCBxAQ6AEIRTAE#v=onepage&q=sorites%20C%C3%ADcero%20e%20quintiliano&f=false. Acesso em: 30 de jul. de 2017.

ASSIS, Machado. “A nova geração”. ______. Obra completa. Rio de Janeiro: Nova Aguiar, 1994.

_______. O alienista. Rio de Janeiro: Rovelle, 2008.

AZEVEDO, Aluísio. O mulato. São Paulo: Ática, 1992.

COUTINHO, Aureliano de Souza e Oliveira. “Discurso d’abertura recitado pelo Vice-Presidente”. R.IHGB, Rio de Janeiro, 3 ed. Tomo II, Imprensa Nacional, 1916. p. 578. (1840). Disponível em http://www.ihgb.org.br/rihgb/ rihgb1840t0002c.pdf. Acesso em: 10 de março de 2011.

FIGUEIREDO, Carlos Honório. “Relatório do 1º secretário interino”. In: R. IHGB, Rio de Janeiro, Tomo XXXIX, vol. 2, Garnier, 1876, p. 482. Disponível em: http://www.ihgb.org.br/rihgb/rihgb1876t00392c.pdf. Acesso em: 18 de agosto de 2015.

MACEDO, Joaquim Manoel de. Discurso do orador. R.IHGB, Rio de Janeiro, 2 ed. Tomo XXI, Imprensa Nacional, 1930 (1858). p. 493. Disponível em http://www.ihgb.org.br/rihgb/rihgb1858t0021c.pdf. Acesso em: 20 de agosto de 2011

POMPEIA, Raul. O Ateneu; crônica de saudades. Introdução, estabelecimento do texto e notas de Afrânio Coutinho & Maria Filgueiras. Rio de Janeiro: MEC-FENAME / OLAC / Civilização Brasileira, 1981.

QUINTILIANO, M. Fabio. Instituiçoens Oratórias. Trad: Jeronymo Soares Barbosa. Tomo Primeiro, Coimbra: Imprensa Real da Universidade, 1788.

SILVA, Joaquim de Souza e. “Discurso de abertura”. In: R.IHGB, Rio de Janeiro, Tomo XLIX, vol. 2, Lammert & C., 1886. p. 492. Disponível em: http://www.ihgb.org.br/rihgb/ rihgb1886t00492c.pdf. Acesso em: 12 de agosto de 2015.

VIEIRA, Pe. Antonio. “Sermão dos Bons Anos”. In: Sermões, Padre Antônio Vieira, Erechim: Edelbra, 1998. Acesso: 06 de janeiro de 2014. http://www.literaturabrasileira.ufsc.br/documentos/?action=download&id= 28864.

Livros e artigos

ALONSO, Angela. Apropriação de ideias no Segundo Reinado. KEILA, Grinberg , SALLES, Ricardo (Org). O Brasil imperial. 1831-1870. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2009, p. 83-118. v.3.

ARISTÓTELES. Arte Retórica e Poética. Rio de Janeiro: Tecnoprint, s/d.

BOSI, Alfredo. A máscara e a fenda. Machado de Assis: antologia e estudos. São Paulo: Ática, 1982.

BOURDIEU, Pierre. A Economia das Trocas Linguísticas: o que falar quer dizer. 2 ed. São Paulo: Edusp, 2008.

CANDIDO, Antonio. Esquema Machado de Assis. Vários Escritos. 3ª ed. rev. e ampl. - São Paulo: Duas Cidades, 1995.

CARVALHO, José Murilo de. História intelectual no Brasil: a retórica como chave de leitura. In: Topoi, Rio de Janeiro, n. 1, pp. 123-152, 2000.

CHARAUDEAU, Patrick. O Discurso Político. Trad: Fabiana Komesu e Dilson Ferreira da Cruz. São Paulo: Contexto, 2006.

_______________. Pathos e discurso político. MACHADO, Ida Lucia; MENEZES, William; MENDES, Emília. (orgs.). As Emoções no Discurso. Vol. 1. Rio de Janeiro: Lucerna, 2007.

CORACINI, Maria José Rodrigues Faria. Um fazer persuasivo: o discurso subjetivo da ciência. São Paulo: Edpuc; Campinas: Pontes, 1991.

DOMINGOS, Simone Tiago. Política e memória: a polêmica sobre os jesuítas na Revista do IHGB e a política imperial (1839-1886). Dissertação de Mestrado, Campinas: Unicamp, 2009.

FOUCAULT, Michel. A Arqueologia do saber. 7 ed. Trad: Luiz Felipe Baeta Neves. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2007.

FOUCAULT, Michel. Microfísica do poder. 23 ed. Trad: Roberto Machado. Rio de Janeiro: Graal, 1979.

GOMES, Roberto. O Alienista: loucura, poder e ciência. In: Tempo Social. Revista de Sociologua, USP, São Paulo, 5 (1-2), p. 145-160, 1993.

GUIMARÃES, Elias. Figuras de retórica e argumentação. MOSCA, Lineide do Lago Salvador. (org.) Retóricas de Ontem e de Hoje. 3 ed. São Paulo: Humanitas, 2004.

GUIMARÃES, Manoel Salgado. A disputa pelo passado na cultura histórica oitocentista no Brasil. In: José Murilo de Carvalho. (org.). Nação e Cidadania no Império: novos horizontes. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2007.

GUIMARÃES, Lucia Maria Paschoal. Debaixo da Imediata Proteção Imperial: Instituto Histórico e Geográfico Brasileiro (1838-1889). 2 ed. São Paulo: Annablume, 2011.

GUMBRECHT, Hans Ulrich. As Funções da Retórica Parlamentar na Revolução Francesa: estudos preliminares para uma pragmática histórica do texto. Trad: Georg Otte. Belo Horizonte: UFMG, 2003.

HOLANDA, Sérgio Buarque de. Raízes do Brasil. 26 ed. São Paulo: Cia das Letras, 2005.

KUHN, Thomas. A Estrutura das Revoluções Científicas. Trad: Beatriz Vianna Boeira e Nelson Boeira. São Paulo: Perspectiva, 2009.

LATOUR, Bruno. Jamais fomos modernos: ensaio de antropologia simétrica. Trad: Carlos lrineu Costa. Rio de Janeiro: Ed. 34, 1994.

LAUSBERG, Heinrich. Elementos de retórica literária. 5 ed. Trad: R. M. Rosado Fernandes. Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian, 2004.

LIMA, Luiz Costa. Sob a face de um bruxo. In: Revista Eletrônica de Estudos Literários, Vitória, s. 1. a. 5. n. 5. p. 01- 73, 2009.

MAINGUENEAU, Dominique. Discurso Literário. Trad: Adail Sobral. São Paulo: Contexto, 2006.

MELLO, Maria Elizabeth Chaves de. Sílvio Romero VS. Machado de Assis: crítica literária VS. Literatura crítica. In: Revista da apnpoll, Florianópolis, v. 1, n. 24, p. 178- 197, 2008.

MORAES, Eugênio Vinci de. A literatura como traição: os versos de Dante em “o Alienista”. In: Machado de Assis em linha, Rio de Janeiro, v.6, n.11, p. 39-61, junho, 2013.

MOSCA, Lineide do Lago Salvador. Velhas e novas retóricas: convergências e desdobramentos. In: MOSCA, Lineide do Lago Salvador. (org.) Retóricas de Ontem e de Hoje. 3 ed. São Paulo: Humanitas, 2004.

POCOCK, John. Conceitos e discursos: uma diferença cultural? Comentário sobre o paper de Melvin Richter. In: JÚNIOR, João Feres. e JASMIN, Marcelo Gantus. História dos conceitos: debates e perspectivas. Rio de Janeiro: EdPUC-RIO: Edições Loyola: IUPERJ, 2006.

_____________. Linguagens do Ideário Político. São Paulo: EDUSP, 2003.

ROMUALDO, Jonas de Araújo. Ethos e discurso científico. In: MOTTA, Ana Raquel e SALGADO, Luciana. (orgs.). Ethos Discursivo. São Paulo: Contexto, 2008.

SKINNER, Quentin. “Quentin Skinner”. In: PALLARES-BURKE, Maria Lúcia Garcia. As Muitas Faces da História. São Paulo: UNESP, 2000.

SKINNER, Quentin. Visões da Política. Lisboa: DIFEL, 2005.

SOUZA, Roberto Acízelo de. A retórica no Brasil do século XIX: dos anos de glória à perdição. In:______. Variações sobre o mesmo tema: ensaios de crítica, história e teoria literárias. Chapecó, SC: Argos, p. 125-148. 2015.

SOUZA, Roberto Acízelo de. O império da eloqüência: retórica e poética do Brasil oitocentista. Rio de Janeiro: EdUerj, 1999.

VENTURA, Roberto. Estilo tropical: história cultural e polêmicas literárias no Brasil, 1870-1914. São Paulo: Cia das Letras, 1991.

WELLBERY, David E. Neo-retórica e desconstrução. Rio de Janeiro: EdUerj, 1998.

WITTGENSTEIN, Ludwig. Investigações Filosóficas. 6 ed. Trad. Emmanuel Carneiro Leão. Petrópolis. Vozes, 2009.

Publicado
30-05-2019
Seção
TEMÁTICA LIVRE/FREE SUBJECT - ARTIGOS/ARTICLES