Um Areópago histórico: o IHGMG em seus primeiros anos (1907-1913)

Palavras-chave: Primeira República, IHGMG, Imaginação Histórica, Historiografia fundante, Cultura Historiográfica

Resumo

O artigo tem como proposta a trajetória do Instituto Histórico e Geográfico de Minas Gerais durante os seus primeiros anos de existência, toma como ponto de partida a sua fundação, e assume como objetivos evidenciar, com base em pesquisa documental e bibliográfica, a intrínseca relação mantida à época entre a política e a constituição do saber histórico, bem como contribuir para o resgate de algumas da principais temáticas que estiveram presentes em um contexto de historiografia fundante e de compleição ainda fundamentalmente oitocentista. No desenvolvimento do trabalho foram empregadas algumas das usuais metodologias da história social, o que contempla o mais amplo panorama da escrita da História, com incorporação analítica de conceitos antropológicos e sociológicos que visam a permitir na análise histórica da sociedade objeto do estudo, a verificação do agenciamento de setores, bem como de suas expressões e identidades culturais e políticas.  A fundação do Instituto Histórico e Geográfico de Minas Gerais teria permitido que uma intelligentsia regional descortinasse, pela via da pesquisa histórica, a representação do passado mineiro mais afeito aos interesses políticos da oligarquia do Estado, contribuindo com isso para a justificação da hegemonia mineira no jogo político da Primeira República.

Biografia do Autor

Antonio Carlos Figueiredo Costa, UEMG
Licenciado, Bacharel, Mestre e Doutor em História pela Universidade do Estado de Minas Gerais (UFMG). Professor do quadro de efetivos da Universidade do Estado de Minas Gerais (UEMG), pertencente ao Departamento de Educação e Ciências Humanas da Unidade Ibirité - UEMG. Professor de História nas disciplinas História da Educação, Teoria e Metodologia da História - I (CMC-I História), História e Cultura Afro-Brasileira e Tópicos Especiais em História do Brasil. Autor dos livros A república na Praça: manifestações do jacobinismo popular em Minas Gerais (1893-1899) e As Luzes de Ithaca: a imaginação histórica na Primeira República no Brasil (nação, território e civilização).

Referências

Fontes primárias

Actas do Instituto Historico e Geographico de Minas Geraes. Livro Reuniões Diversas – 1ª e 2ª Fases (1907 a 1929).

Revista do Instituto Histórico e Geografico Brasileiro. Rio de Janeiro, t. LXX, parte II, 1907.

Revista do Arquivo Público Mineiro. Belo Horizonte, ano XIV, 1909.

Revista do Arquivo Publico Mineiro. Belo Horizonte, ano XVIII, 1913.

Revista do Arquivo Público Mineiro. Belo Horizonte, ano XXI, fasc. II, abr – jun, 1927.

Revista do Arquivo Publico Mineiro. Belo Horizonte, ano XXII, 1928.

VASCONCELOS, Diogo de. História Antiga das Minas Gerais. V.1, 4.ed. Belo Horizonte: Itatiaia, 1974. (a primeira edição é de 1901).

_______________________ . As obras de Arte. In: Bi-Centenario de Ouro Preto: 1711-1911 (memoria histórica). Ouro Preto: Imprensa Official do Estado de Minas Geraes, 1911, p. 135-184.

Fontes secundárias

ALMEIDA, Luciano Raposo de. O Império em apuros: notas para o estudo das alterações ultramarinas e das práticas políticas no Império Colonial Português (séculos XVII e XVIII). In: FURTADO, Júnia Ferreira (org.).Diálogos Oceânicos: Minas Gerais e as novas abordagens para uma História do Império Ultramarino Português. Belo Horizonte: UFMG, 2001, p. 197-254.

BOSCHI,Caio. Convicções e coerências de um cultor de Clio. In: ROMEIRO, Adriana, SILVEIRA, Marco Antonio (orgs.) Diogo de Vasconcelos: o ofício do historiador. Belo Horizonte: Autêntica, 2014, p. 11-41.

CALLARI, Cláudia Regina. Os Institutos Históricos: do Patronato de D. Pedro II à

construção do Tiradentes. Revista Brasileira de História. São Paulo, v. 21, n.4, 2001,

p. 59-83.

CARVALHO, José Murilo de. A ortodoxia positivista no Brasil: um bolchevismo de classe média. In: __________________. Pontos e bordados: escritos de história e política. Belo Horizonte: UFMG, 2005, p. 189 – 201.

COSTA, Antonio Carlos Figueiredo. A República na praça: manifestações do republicanismo radical antiliberal em Minas Gerais (1893-1899). São Paulo: Baraúna, 2010.

______________________________ . As Luzes de Ithaca: a imaginação histórica na Primeira República no Brasil (nação, território e civilização). São Paulo: Novas Edições Acadêmicas, 2017.

COSTA, João Cruz. O Positivismo na República: notas sobre a História do Positivismo no Brasil. São Paulo: Companhia Editora Nacional, 1956.

DIEHL, Astor Antonio. A cultura historiográfica brasileira: do IHGB aos anos 1930.Passo Fundo: UPF, 1998.

___________________. Cultura historiográfica: memória, identidade e representação. Bauru: Edusc, 2002.

FERREIRA, Antonio Celso. A epopéia bandeirante: letrados, instituições, invenção histórica (1870-1940). São Paulo: Unesp, 2002.

FILHO, Rubem Barboza. Tradição e artifício: iberismo e barroco na formação americana. Belo Horizonte: UFMG, 2000.

GEERTZ, Clifford. A interpretação das culturas. Rio de Janeiro: Livros técnicos e científicos, 1989.

GUIMARÃES, Manoel Luís Salgado. Nação e civilização nos trópicos: O Instituto Histórico e Geográfico Brasileiro e o Projeto de uma História Nacional. Estudos Históricos. Rio de Janeiro, n.1, 1988, p.5 – 27.

HARTOG, François. Regimes de historicidade: presentismo e experiências do tempo. Belo Horizonte: Autêntica, 2013.

IGLÉSIAS, Francisco. Reedição de Diogo de Vasconcelos. In: VASCONCELOS, Diogo de. História Antiga das Minas Gerais. V.1, 4.ed. Belo Horizonte: Itatiaia, 1974, p. 11-29.

JOSÉ, Oiliam. Historiografia Mineira: esboço. Belo Horizonte: Itatiaia, 1959.

MANNHEIM, Karl. Ideologia e Utopia. Rio de Janeiro: Zahar, 1968.

MARTINS, Wilson. História da Inteligência Brasileira. 3.ed. v. 4. Ponta Grossa: UEPG, 2010.

MEDEIROS, Bruno Franco, ARAÚJO, Valdei Lopes de. A História de Minas como História do Brasil. Revista do Arquivo Público Mineiro. Belo Horizonte, ano XLIII, n.1, jan.- jun. 2007,p. 23-37.

MOLLO, Helena Miranda, SILVA, Rodrigo Machado da. Diogo de Vasconcelos e a “oficina central do pensamento”. In: ROMEIRO, Adriana, SILVEIRA, Marco Antonio. (orgs.) Diogo de Vasconcelos: o ofício do historiador. Belo Horizonte: Autêntica, 2014.

MOMIGLIANO, Arnaldo. O surgimento da pesquisa antiquaria. In: ________. Raízes clássicas da historiografia moderna. São Paulo: Edusc, 2004.

MONTEIRO, Rodrigo Bentes. O rei no espelho: a monarquia portuguesa e a colonização da América (1640-1720). São Paulo: Hucitec, 2002.

ODÁLIA, Nilo. Varnhagen. São Paulo: Ática, 1979.

____________ . As formas do mesmo. São Paulo: Unesp, 1997.

PEREIRA, Luisa Rauter. Povo/povos. In: FERES JÚNIOR, João. Léxico da história dos conceitos políticos do Brasil. Belo Horizonte: UFMG, 2009, p. 203 - 224.

RODRIGUES, José Honório. A pesquisa histórica no Brasil. 2.ed. São Paulo: Companhia Editora Nacional, 1969.

________________________. Conciliação e reforma no Brasil: um desafio histórico-cultural. 2.ed. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1982.

RUSEN, Jörn. Razão histórica: teoria da história (os fundamentos da ciência histórica).Brasília: UNB, 2001.

SCHWARCZ, Lilia Moritz. O espetáculo das Raças: cientistas, instituições e questão

racial no Brasil (1870 – 1930). São Paulo: Companhia das Letras, 2000.

THOMPSON, Edward Palmer. Folclore, Antropologia e História Social. In: NEGRO, Antonio Luigi, SILVA, Sérgio (orgs.). E.P. Thompson: as peculiaridades dos ingleses e outros artigos. Campinas: Unicamp, 2001, 227-267.

WHITE, Hayden.Meta-História: a imaginação histórica do século XIX. São Paulo:Edusp,1995.

____________. Trópicos do Discurso: ensaios sobre a crítica da cultura. São Paulo: Edusp, 2001.

Publicado
30-05-2019
Seção
TEMÁTICA LIVRE/FREE SUBJECT - ARTIGOS/ARTICLES