Cartografia dos Atos Normativos do Ensino da Enfermagem antes da Lei Nº 775 de 1949

  • Roberlandia Evangelista Lopes
  • Silvia Maria Nóbrega-Therrien
  • Maria Laiza de Souza
Palavras-chave: Enfermeira, Formação, Legislação, Auxiliar de Enfermagem

Resumo

Este artigo entende que a  Lei n°775 de 1949 impõe uma ‘nova ordem’ no momento em que institui legalmente a criação de outra categoria ocupacional na Enfermagem, no caso, a de auxiliar de Enfermagem, que passa, oficialmente, a trabalhar na área da saúde junto com a Enfermeira ‘diplomada’, sobretudo no contexto hospitalar, bem como a dividir com ela (Enfermeira) o mesmo espaço de formação e campo de atuação. Metodologicamente, se priorizou a abordagem qualitativa e o estudo histórico, em especial, focou-se nos documentos escritos. Assim, na busca pelo entendimento da formação de duas profissionais distintas na enfermagem, no caso, a Enfermeira e auxiliar de enfermagem e, mais que isso, perceber as consequências que a existência de uma formação elementar trazia a primeira (Enfermeira), se teve como foco os documentos ou as fontes documentais. Mas para amparar essa decisão (uso de documentos) resolveu-se “enxergar” as fontes utilizadas neste estudo através da Historia Cultural. Portanto, a instituição de Auxiliar de enfermagem para dividir o cuidado a enfermeira promoveu-se uma “nova ordem‟ no campo desta profissão, que gerou consequências em sua formação e na função por ela exercida, em seu reconhecimento social, identitário e de campo de poder.

Biografia do Autor

Roberlandia Evangelista Lopes
Enfermeira. Doutora em Educação pela Universidade Estadual do Ceará (UECE). Mestre em Saúde da Família pela Universidade Federal do Ceará (UFC). Docente do Centro Universitário INTA (UNINTA).
Silvia Maria Nóbrega-Therrien
Enfermeira. Pós-doutorado em Educação pela Universidade de Valencia. Doutora em Sociologia da Educação pela Universidade de Salamanca. Docente do Programa de Pós-Graduação em Educação.
Maria Laiza de Souza
Enfermeira. Graduada pelo Centro Universitário INTA (UNINTA

Referências

AMORIM, Torcata. O resgate da formação e inserção da enfermeira obstétrica na assistência ao parto no Brasil. São Paulo: 2010. 290 f. Tese (Doutorado em Enfermagem) – Programa de Pós-Graduação na Escola de Enfermagem da Universidade de São Paulo, São Paulo, 2010.

AYRES, Lílian Fernandes Arial. As Enfermeiras visitadoras da cruz vermelha brasileira e do departamento nacional de saúde pública no início do século XX. Rio de Janeiro: 2010. 162 f. Dissertação (Mestrado em Enfermagem) – Programa de Pós-Graduação.

BAPTISTA, Suely Sousa de; BARREIRA, Ieda Alencar de. Condições de surgimento das escolas de enfermagem brasileiras (1890-1960). Revista Alternativa Enfermagem, Rio de Janeiro, v. 1, n. 2, p. 4-17, 1997.

BARRETO, João de Barros. A organização da saúde pública. Arquivos de Higiene, Rio de Janeiro, v. 12, n. 2, p. 169-215, 1942.

BRASIL. Casa Civil. Subchefia para assuntos Jurídicos. Decreto nº 119-a, de 7 de janeiro de 1890. Proíbe a intervenção da autoridade federal e dos Estados federados em matéria religiosa, consagra a plena liberdade de cultos, extingue o padroado e estabelece outras providencias. Diário Oficial da União, Rio de Janeiro, 7 jan.1890. Seção 1, p. 10. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/decreto/1851-1899/d119-a.htm.>. Acesso: 12 out. 2016.

BRASIL. Ministério da Educação e Saúde Pública. Enfermagem Legislação e assuntos correlatos. Rio de Janeiro: Guanabara, 1974.

BRUNO, Artur; FARIAS, Airton de. Fortaleza: uma breve história. Fortaleza: Edições Demócrito Rocha, 2012.

COSTA, Nilson Rosário do. Lutas urbanas e controle sanitário: origens das políticas de saúde no Brasil. Petrópolis: Vozes; 1986.

ESCOREL, Sarah; TEIXEIRA, Luiz Antonio. História das políticas de saúde no Brasil de 1822 a 1963: do império ao desenvolvimentismo populista. In: GIOVANELLA, Ligia et al. (org.). Políticas e Sistema de Saúde no Brasil. Rio de Janeiro: FIOCRUZ; CEBES, 2008. p. 333-384.

FONTENELLE, J. P. A. Enfermagem de Saúde Pública: Sua Criação e Desenvolvimento no Rio de Janeiro. Rio de Janeiro: Canton & Reile Graf, 1941.

FORJAZ, Marina Vergueiro de. Função da Auxiliar de enfermagem. Revista de Enfermagem, Brasília, n. 4, p. 61-66, 1954.

FOUCAULT, Michel. O sujeito e o poder. In: DREYFUS, Hubert L.; RABINOW, Paul. Michel Foucault: Uma trajetória filosófica: para além do estruturalismo e da hermenêutica. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 1995. p. 231-249.

HOCHMAN, Gilberto. Reformas, instituições e políticas de saúde no Brasil (1930-1945). Educar, Curitiba, n. 25, p. 127-141, 2005.

LUCHESE, Terciane Ângela. Modos de fazer história da educação: pensando a operação historiográfica em temas regionais. História da Educação, Porto Alegre,v. 18, n. 43, p. 145-161, maio/ago. 2014.

LUZ MADEL, Terezinha. Saúde e Instituições Médicas no Brasil. Saúde e Medicina no Brasil. In: GUIMARÃES, Reinaldo (Org.). Contribuição para um Debate. Rio de Janeiro: Graal, 1978.

MANFREDI, Silvia Maria. História da Educação Profissional no Brasil. São Paulo: Cortez, 2002.

MEDEIROS, Aline Silva. A dinâmica hospitalar da Maternidade Dr. João Moreira, em Fortaleza, nas primeiras décadas do século XX. História, Ciencias, Saúde-Manguinhos, Rio de Janeiro, v. 20, n. 2, p. 653-673, abr./jun. 2013.

MEDEIROS, Amauri de. Cruzada Sanitária: Discursos. Recife: [s.n], 1924.

MONTEIRO, Bernardo Assis; OGUISSO, Taka. Visão histórica da Lei nº 755/49 e seu impacto no Ensino de Enfermagem no Brasil. In: OGUISSO, Taka; FREITAS, Genival Fernandes. História da Enfermagem: Instituições & Práticas de Ensino e Assistência. Rio de Janeiro: Águia Dourada, 2015. p. 31-47.

PAIXÃO, Waleska. História da Enfermagem. 5. ed. Rio de Janeiro: Júlio C. Reis, 1979.

RIESCO, Maria Luiza Gonzalez. Gerenciando conflitos na enfermagem obstétrica e neonatal interface entre as profissões de obstetriz e de enfermeira na assistência ao parto e nascimento: implicações para o ensino e o exercício profissional. In: CONGRESSO BRASILEIRO DE ENFERMAGEM OBSTÉTRICA E NEONATAL. 7,2009, Teresina. Anais eletrônicos... Teresina: Faculdade nacional de medicina,2013. Não paginado. Disponível em: <http://abenfopi.com.br/vicobeon/MREDONDAS/mlgr.pdf>. Acesso em: 11 maio 2017.

RIESCO, Maria Luiza Gonzalez; TSUNECHIRO, Maria Alice. Formação profissional de Obstetrizes e enfermeiras obstétricas: Velhos problemas ou novas possibilidades? Revista Estudos Feministas, Santa Catarina, v. 10, n. 2, p. 449-59,2002.

RIZZOTTO, Maria Lucia Frizon. A origem da enfermagem profissional no Brasil: determinantes históricos e conjunturais. Revista Brasileira de Enfermagem, Campinas, v. 59, n. esp., p. 423-7, 2009.

SANTOS, Tânia Cristina Franco et al. A Ditadura Varguista no Brasil (1937-1945) e o Primer Franquismo na Espanha (1939-1945): poder e contra-poder das enfermeiras. Revista Brasileira de Enfermagem, Brasília, v. 65, n. 2, p. 347-352, 2012.

SILVA, Graciette Borges da. A enfermagem profissional: uma análise crítica. São Paulo: Cortez, 1986.

Publicado
05-03-2020
Como Citar
Lopes, R. E., Nóbrega-Therrien, S. M., & Souza, M. L. de. (2020). Cartografia dos Atos Normativos do Ensino da Enfermagem antes da Lei Nº 775 de 1949. Cadernos De História, 20(32), 11. Recuperado de http://periodicos.pucminas.br/index.php/cadernoshistoria/article/view/18368
Seção
TEMÁTICA LIVRE/FREE SUBJECT - ARTIGOS/ARTICLES