Razões para a queda do lulismo

  • Diego Pereira Siqueira Universidade de São Paulo
Palavras-chave: lulismo, capitalismo dependente, padrão de reprodução do capital.

Resumo

O presente artigo tem por objetivo apresentar uma contribuição ao debate sobre o significado do ciclo político-econômico “lulista” no Brasil e as razões de seu dramático declínio. O texto busca apontar algumas das causas para o esgotamento de um modelo que se colocou como alternativa ao liberalismo que caracterizou a década de 1990, também denominado de neoliberalismo ou Consenso de Washington. Em nossa hipótese, uma das razões para o esgotamento da fórmula de conciliação de classes encarnada por Lula foi o fortalecimento de um padrão de reprodução capitalista exportador de especialização produtiva, encarnado no setor do agronegócio e das atividades financeiras. Embora os grandes superávits comerciais proporcionados por esse setor tenham sido decisivos para os programas sociais que garantiram o sucesso político do lulismo, quando a conjuntura econômica modificou-se a partir da crise mundial de 2008, o agronegócio tornou-se o pivô de um realinhamento no bloco de poder, que se expressou no colapso do lulismo no impeachment de 2016.

Palavras chave: lulismo, capitalismo dependente, padrão de reprodução do capital.

Biografia do Autor

Diego Pereira Siqueira, Universidade de São Paulo

Mestre e doutor em Ciências pelo Programa em Integração da América Latina pela Universidade de São Paulo

Referências

BERRINGER, Tatiana. A burguesia brasileira e a política externa nos governos FHC e Lula. Curitiba: Appris, 2015.

BRASIL lidera ranking de assassinato de ambientalistas. Exame, 20 abr. 2015. Brasil. Disponível em: http://exame.abril.com.br/brasil/brasil-lidera-ranking-de-assassinato-de-ambientalistas/. Acesso em: 18 out. 2018.

DELGADO, Guilherme Costa. Do capital financeiro na agricultura à economia do agronegócio. Porto Alegre: UFRGS Editora, 2012.

DIEESE. Política de Desenvolvimento Produtivo: Nova Política Industrial do Governo. São Paulo: Nota Técnica Nº 67, maio de 2008.

FELICIANO, Carlos Alberto. A prática da violência no campo brasileiro no século XXI. Disponível em: http://www.reformaagrariaemdados.org.br/sites/default/files/A%20pratica%20da%20violencia%20no%20campo%20do%20seculo%20XXI.pdf.

FERNANDES, Adriana; FROUFE, Célia. Dívida pública cresceu 105% com Lula. Estadão. 02 fev. 2011. Economia & Negócios. Disponível em: https://economia.estadao.com.br/noticias/geral,divida-publica-cresceu-105-com-lula-imp-,674086. Acesso em: 20 nov. 2018.

FILGUEIRAS, Vitor Araújo et al. Saúde e segurança do trabalho na construção civil brasileira. Aracaju: J. Andrade, 2015.

FERREIRA, Carla; LUCE, Mathias (orgs.). Padrão de reprodução do capital. São Paulo: Boitempo, 2012.

GOES, Fernanda Lira. Financiamento do BNDES para obras e serviços de empresas brasileiras no exterior. São Paulo: IPEA, 2016. Disponível em: http://www.ipea.gov.br/portal/images/stories/PDFs/TDs/td_2297.pdf.

HIRATUKA, Célio; SARTI, Fernando. Investimento direto e internacionalização de empresas brasileiras no período recente. São Paulo: IPEA, 2011.

LAPLANE, Mariano; COUTINHO, Luciano; HIRATUKA, Célio (org.).

Internacionalização e desenvolvimento da indústria no Brasil. São Paulo: Unesp, 2003.

LISBOA, Marijane Vieira. Balanço da política ambiental do governo Lula: grandes e duradouros impactos. In: PAULA, Marilene de (org.). “Nunca antes na história desse país”...? Um balanço das políticas do governo Lula. Rio de Janeiro: Fundação Heinrich Böll Stiftung, 2011.

LUCE, Mathias Seibel. O subimperialismo revisitado: a política de integração regional do governo Lula. Tese (Mestrado em Relações Internacionais) -Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2007.

LUCE, Mathias Seibel. Teoria Marxista da Dependência – Problemas e categorias, uma visão crítica. São Paulo: Expressão Popular, 2018.

MORENO, Camila. O Brasil made in China: para pensar as reconfigurações do capitalismo contemporâneo. São Paulo: Fundação Rosa Luxemburgo, 2015.

OLIVEIRA, Chico; BRAGA, Ruy ; RIZEK, Cibele (orgs.). Hegemonia às avessas. São Paulo: Boitempo, 2010.

PARA historiadora, eleição de Bolsonaro marca fim da Nova República. Entrevista cedida a Luciana Neves. Revista Fórum. 04 nov. 2018. Disponível em: https://revistaforum.com.br/politica/para-historiadora-eleicao-de-bolsonaro-marca-fim-da-nova-republica/. Acesso em:

POCHMAN, Márcio. Estado brasileiro é ativo e criativo. Entrevista cedida a Patricia Fachin. Revista IHU. São Leopoldo, n. 322, p. 16, 22 mar. 2010.

RICCI, Rudá. Lulismo: da era dos movimentos sociais à ascensão da nova classe média brasileira. Rio de Janeiro: Contraponto, 2013.

SINGER, André. Os sentidos do lulismo. São Paulo: Companhia das Letras, 2012.

SINGER, André. O lulismo em crise. São Paulo: Companhia das Letras, 2018.

STÉDILE, João Pedro (org). A questão agrária no Brasil, Vol. 7: O debate na década de 2000. São Paulo: Expressão Popular, 2013.

ZIBECHI, Raúl. Brasil potência: entre a integração regional e um novo imperialismo. Rio de Janeiro: Consequência, 2012.

Publicado
05-09-2020
Como Citar
Siqueira, D. P. (2020). Razões para a queda do lulismo. Cadernos De História, 21(33), 18. Recuperado de http://periodicos.pucminas.br/index.php/cadernoshistoria/article/view/20783
Seção
TEMÁTICA LIVRE/FREE SUBJECT - ARTIGOS/ARTICLES