Expulsão e retorno: estratégias dos Xavante de Parabubure e de Marãiwatsédé para a demarcação de seus territórios

  • Natália Araújo de Oliveira UFRGS
Palavras-chave: Xavante, Demarcação de terras indígenas, TI Parabubure;, TI Marãiwatsédé.

Resumo

Os Xavante ou A'uwe (gente), como se autodenominam, é um grupo indígena que pertence a família linguística Jê, do tronco Macro-jê, situados no Mato Grosso. Chegaram ao estado entre 1820-1870 fugindo do contato com os não índios e dali se subdividindo em diferentes regiões do estado, contudo, políticas desenvolvimentistas empregadas a partir do governo Vargas os alcançaram e expulsaram de seus territórios. O presente trabalho tem por objetivo analisar as táticas destes indígenas para retomar seus territórios, em especial a TI Parabubure e a TI Marãiwatsédé. Para tanto, é uma pesquisa qualitativa que faz uso de entrevistas e falas de atores divulgadas em documentários e jornais ao longo do processo. A TI Parabubure foi demarcada no contexto de fim da ditadura militar e, para pressionar o governo, os Xavante iam a Brasília, invadiam os órgãos governamentais e faziam “performances culturais”        afim de atrair atenção às suas demandas. Já a TI Marãiwatsédé, que teve sua demarcação estabelecida a partir de várias batalhas judiciais, teve como marco o amparo dos indígenas na lei como sua âncora de convencimento.

Biografia do Autor

Natália Araújo de Oliveira, UFRGS

Bacharela em Turismo pela Universidade do Estado de Mato Grosso (2008), mestra em Ciências Sociais pela Universidade do Vale do Rio dos Sinos (2010) e doutora em Sociologia pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (2017), com período sanduíche na University of California, San Diego.

Referências

BRASILIENSE, Ronaldo. Invasores ocupam terra doada aos xavantes. Jornal do Brasil, Rio de Janeiro, junho 1992. Disponível em: http://news.google.com/newspapers?nid=0qX8s2k1IRwC&dat=19920625&printsec=fro
ntpage&hl=pt-BR. Acesso em: 12 fev. 2014.
CARDOSO, Fernando Henrique; MÜLLER, Geraldo. Amazônia: expansão do capitalismo. São Paulo: Brasiliense, 1977.
CASALDÁLIGA, Pedro. Uma igreja da Amazônia em conflito com o latifúndio e a
marginalização social. Mato Grosso: [s.n.], 1971.
CESSA, Raphael Maia Aveiro. Ocupação por posseiros e alteração da vegetação em Marãiwatsédé, Terra Indígena Xavante. Geografar: Revista Eletrônica do Programa de Pós-Graduação em Geografia – UFPR, Curitiba, v.13, p. 199-134, 2018.
DAVIS, Shelton H. Vítimas do milagre: o desenvolvimento e os índios do Brasil. Rio
de Janeiro: Zahar editores, 1978.
DELUCI, Luciana Akeme Sawasaki Manzano; PORTELA, Cristiane de Assis. Marãiwatsédé: memória de luta, resistência e conquista. In: XXVII SIMPÓSIO NACIONAL DE HISTÓRIA, 2013, Natal. Conhecimento histórico e diálogo social. Disponível em: http://www.snh2013.anpuh.org/resources/anais/27/1372723015_ARQUIVO_TextoLucianaAkemeANPUH.pdf. Acesso em: 01 fev. 2020.
DE PAULA, Luís Roberto. Travessias: um estudo sobre a dinâmica sócio-espacial
Xavante. 2007. Tese (Doutorado) - Programa de Pós-graduação em Antropologia Social, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2007.
FERNANDES, Estêvão Rafael. Entre cosmologias, estratégias e performances: incursões Xavante à Funai. Dissertação (Mestrado) - Programa de Pós-graduação em Antropologia Social, Universidade de Brasília, Brasília, 2005.
FUNDAÇÃO NACIONAL DO ÍNDIO. Terras indígenas. 2016. Disponível em:
htp://www.funai.gov.br/index.php/indios-no-brasil/terras-indígenas. Acesso em:
em: 01 jul. 2016.
GARFIELD, Seth. A luta indígena no coração do Brasil: política indigenista, a Marcha para Oeste e os índios Xavante (1937-1988). São Paulo: UNESP, 2011.
GARFIELD, Seth. Onde a terra toca o céu: A luta dos índios Xavante por terra, 1951-1979. In: COIMBRA JÚNIOR, Carlos E. A.; WELCH, James R. (Orgs.). Antropologia e história Xavante em perspectiva. Rio de Janeiro: Museu do Índio – FUNAI, 2014, p. 39- 66.
GRAHAM, Laura. Perfoming dreams. Austin: University of Texas Press, 1995.
INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA. Indígenas do Brasil. [S.I.], 2016. Disponível em: htp://indigenas.ibge.gov.br/, acesso em: 10/07/2016.
LOPES DA SILVA, Aracy. Dois séculos e meio de história Xavante: In: CUNHA, Manuela Carneiro da. (Org.). História dos índios no Brasil. São Paulo: Companhia das Letras, 1998, p. 357-378.
MAYBURY-LEWIS, David. A sociedade xavante. Rio de Janeiro: Francisco Alves ed.,1974.
MAYBURY-LEWIS, David. O selvagem e o inocente. Campinas: UNICAMP, 1990.
MENEZES, Cláudia. Os Xavante e o movimento de fronteira no leste mato-grossense.
Revista de Antropologia, v. 25, p. 63-87, 1982.
MONTEIRO, Ludmila Bortoleto. A problemática da desintrusão dos não índios na terra indígena Marãiwatséde. In: MEZZAROBA, Orides et al. Sociologia, antropologia e cultura jurídicas. Curitiba: Clássica editora, 2014, p. 82-96.
OLIVEIRA, Ariovaldo Umbelino de. A fronteira amazônica Mato-grossense:
grilagem, corrupção e violência. São Paulo: Iandé Editorial, 2016.
OPAN, ANSA. Marãiwatsédé: Terra da Esperança. 2012. Disponível em:
http://amazonianativa.org.br/Biblioteca.html. Acesso em: 01 out. 2013.
PARIDZANÉ, Elidio Tsõrõné; ALMEIDA, Marli Auxiliadora de. A desintrusão de Marãiwatsédé: narrativas indígenas de um retorno. História e diversidade. Cáceres, v.10, n.1, p. 58-72, 2018.
RAVAGNANI, Oswaldo Martins. A experiência Xavante com o mundo dos brancos.
Araraquara: UNESP, 1991.
ROCHA, Leonardo. Da terra onde se retira o pão também se constrói o território: as transformações socioterritoriais sofridas pelo povo Xavante em decorrência do avanço do agronegócio na terra indígena Marãiwatsédé. Tese (Doutorado) – Programa de Pós-Graduação em Geografia, Uberlândia, 2018.
RODRIGUES, Patrícia de Mendonça. Marâiwatsédé, uma tragédia anunciada. Espaço Ameríndio, Porto Alegre, v. 12, n. 2, p. 181-211, 2018.
ROSA, Juliana Cristina da. A luta pela terra Marãiwatsédé:
povo xavante, agropecuária Suiá Missú, posseiros e grileiros do posto da mata em disputa (1960-2012). Dissertação (Mestrado), Programa de Pós-Graduação em História, Universidade Federal do Mato Grosso, Cuiabá, MT, 2015.
ROSA, Juliana Cristina da. O uso da mídia eletrônica pelos Xavante e pelos posseiros da Suiá no caso da luta pela terra Marãiwatsédé (1960-2012). Escritas, v. 8, p. 28-46, 2016.
SBARDELLOTTO, Pe. Pedro. Sugestões para criação de reservas para os índios
Xavante do Pe. Pedro Sbardelloto. In: CHOVELON, Pe. Hipólito; FERNANDES,
Me. Francisco; SBARDELLOTTO, Pe. Pedro. Do primeiro encontro com os Xavante à demarcação de suas reservas. Campo Grande: Missão Salesiana de Mato Grosso, 1996, p. 85-131.
TAFNER JÚNIOR, Armando Wilson; ROSA, Juliana Cristina da. A remoção dos Xavante de Marãiwatsédé na década de 1960: o esbulho da terra para a abertura da Agropecuária Suiá Missú S/A. Mediações, Londrina, v. 22, n.2, p. 125-145, 2017.
VALE DOS ESQUECIDOS. Documentário. Direção: Maria Raduan. Tucura Filmes, Brasil, 2010. 1 vídeo (1h 14min 56s). Disponível em: https://www.youtube.com/watch?v=bmaaGjC4-Kg. Acesso em: 15 abr. 2020.
Publicado
17-12-2020
Como Citar
OLIVEIRA, N. A. DE. Expulsão e retorno: estratégias dos Xavante de Parabubure e de Marãiwatsédé para a demarcação de seus territórios. Cadernos de História, v. 21, n. 35, p. 172, 17 dez. 2020.
Seção
Temática Livre - Artigos