A lei nº 5692/71 e representações da infância: percepções e expectativas em relação à criança na reforma de ensino de 1º grau

  • Vanessa Queirós Alves Universidade Federal do Paraná
Palavras-chave: Representação; apropriação; infância; lei nº 5692/71; ensino de 1º grau.

Resumo

O objetivo deste trabalho é perceber algumas representações de infância presentes em propostas educacionais, a partir da lei nº 5692/71, no ensino de 1º grau, tendo como principal foco o Instituto de Educação do Paraná (IEP). As fontes utilizadas foram documentos elaborados a partir da lei e materiais do próprio IEP, como plano de implantação, boletins informativos, entre outros. Os conceitos para análise das fontes foram o de representação e o de apropriação, advindos dos estudos de Chartier (2002). Além disso, autores como Siqueira (2018), Veiga (2007), Cordeiro (2015), Anjos (2015) e Gouvea (2008) formaram o referencial teórico deste estudo. O trabalho está dividido em duas seções, sendo que a primeira versa sobre representações de infância presentes nos documentos mencionados e a percepção do que se esperava da criança inserida na escola, e a segunda analisa em quais fundamentos filosóficos e psicopedagógicos a lei estava embasada, assim como as apropriações feitas pelo IEP em relação a essas fundamentações. Como resultados do trabalho, a representação da infância revelou-se mais ligada a uma projeção para o adulto futuro, atrelada a uma concepção de meritocracia, na qual a educação e a obtenção de sucesso na vida escolar são reservadas aos “mais capazes”.

Referências

ALVES, Vanessa Queirós. Instituto de Educação do Paraná: apropriações e representações no currículo de 1º. grau, a partir da lei 5692/71. Dissertação (Mestrado em Educação) – Universidade Federal do Paraná, mar. 2014. Disponível em: Acesso em: 20 de março de 2020.

ANJOS, Juarez José Tuchinski. Pais e filhos na Província do Paraná: uma história da educação da criança pela família. Tese (Doutorado em Educação) – Universidade Federal do Paraná, 2015. Disponível em: < https://www.capes.gov.br/images/stories/download/pct/2016/Teses-Premiadas/Educacao-Juarez-Jose-Tuchinski-Anjos.PDF> Acesso em: 10 de março de 2020.

CHARTIER, Roger. A história cultural: entre práticas e representações. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2002.

CHARTIER, Roger. Escutar os mortos com os olhos. Estudos Avançados, n. 24 (69), p. 7-30, 2010.

CORDEIRO, Andréa Bezerra. Luz e Caminho aos Pequenos: os primeiros Congressos Americanos da Criança e a Panamericanização dos saberes sobre a infância (1916 a 1922). Tese (Doutorado em Educação). Universidade Federal do Paraná, 2015. Disponível em: < https://acervodigital.ufpr.br/handle/1884/38203> Acesso em: 1 de março de 2020.

FEBVRE, Lucien. Face ao vento. Manifesto dos Anais Novos (1946). In: MOTA, C. G. (org.). História. Lucien Febvre. São Paulo: Ática, 1978. p.182.

GOUVEA, Maria Cristina Soares de. A escrita da história da infância : periodização e fontes. IN : SARMENTO, Manuel ; GOUVEA, Maria Cristina Soares de (orgs.). Estudos da Infância: educação e práticas sociais. São Paulo: Vozes, 2008, p. 97-118.

RIZZINI, Irene. O século perdido: raízes históricas das políticas públicas para a Infância no Brasil. São Paulo: Cortez, 2008.

SIQUEIRA, Adriele. Discursos sobre a infância em fotografias pós-morte e tumulares - Ponta Grossa (1920 - 1965). 151 f. Dissertação (Mestrado em Estudos da Linguagem), Universidade Estadual de Ponta Grossa, Ponta Grossa, 2018. Disponível em: < https://tede2.uepg.br/jspui/handle/prefix/2523> Acesso em: 25 de fevereiro de 2020.

VEIGA, G. Cynthia. Monopolização do ensino pelo Estado e a produção da infância escolarizada. X Simpósio Internacional Processo civilizador. Campinas, SP, 2007
Publicado
17-12-2020
Como Citar
Alves, V. Q. (2020). A lei nº 5692/71 e representações da infância: percepções e expectativas em relação à criança na reforma de ensino de 1º grau. Cadernos De História, 21(35), 33. https://doi.org/10.5752/P.2237-8871.2020v21n35p33
Seção
TEMÁTICA LIVRE/FREE SUBJECT - ARTIGOS/ARTICLES