A construção do Estado Imperial brasileiro: Confederação do Equador e a província do Piauí 1823-1825

  • Johny Santana de Araujo UFPI
  • Francisco de Assis Oliveira Silva UFPI
Palavras-chave: História, Estado, Independência, Consolidação, Confederação do Equador

Resumo

A construção do Estado imperial brasileiro está imbricada em uma série de divergências políticas que perpassam as lutas pela independência do Brasil e percorrem a consolidação do Estado que se assenta em meados do século XIX. Nessa conjuntura, abordar a construção e consolidação do império nascente requer um exercício de recuo para observarmos as tensões entre as elites regionais, sua relação com a Corte e os diversos projetos políticos que eram pensados durante o processo de emancipação do Brasil. Neste contexto, o presente texto visa discorrer de forma sucinta, a formação do Estado imperial brasileiro nos primeiros anos pós independência e sua relação com a Confederação do Equador, sobretudo, no que diz respeitos a província piauiense e suas vizinhas do Norte. Abordamos a relação do movimento separatista de 1824 com as lutas pela independência observando os embates entre a construção do Estado Imperial em curso e as ideias dos confederados. Nesse intuito, observamos ainda a historiografia a respeito da temática, inferindo os debates políticos em torno do projeto da Corte e as demais províncias.

Biografia do Autor

Johny Santana de Araujo, UFPI
Professor do Curso de História – DH – CCHL – CMPP – UFPI – Teresina Professor do Programa de Pós-Graduação em História do Brasil – PPGHB  Tutor do PET-História UFPI Líder do Grupo de Estudos do CNPq: “Núcleo de História; Memória; Sociedade e Política” e do "Núcleo de Estudo e Pesquisa em História do Piauí Oitocentista". 
Francisco de Assis Oliveira Silva, UFPI

O pesquisador é mestre em História do Brasil (conceito CAPES 4) graduado em Licenciatura Plena em História pela Universidade Federal do Piauí (UFPI). Possui experiência em história do Piauí com ênfase em Piauí Oitocentista. Tem participação no programa institucional de bolsa de iniciação a docência-PIBID pela Universidade Federal do Piauí- UFPI e do Programa Institucional de Bolsas de Iniciação Científica (PIBIC-UFPI).

Referências

ARAÚJO, Johny Santana de. O PIAUÍ NO PROCESSO DE INDEPENDÊNCIA: contribuição para construção do império em 1823. CLIO – REVISTA DE PESQUISA HISTÓRICA – nº 33.2. 2015. Disponível em: Acesso em 14 de junho de 2016.

BARRETO, Célia de Barros. O processo de emancipação. In: HOLANDA, Sérgio Buarque de. História geral da civilização brasileira: O Brasil Monárquico. 11 ed. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2004.

BRANDÃO, Ulisses. A confederação do Equador. Recife: Instituto Arqueológico, Histórico e Geográfico Pernambucano, 1924.

BRITTO, Anísio. Adesão do Piauí à Confederação do Equador, Documentos do Instituto Ceará. Documentos coligidos pelo Dr. Anísio Britto. Fortaleza: Instituto do Ceará, 1922.

CARVALHO, José Murilo de. Pontos e bordados: escritos de história e política. Belo horizonte: Ed. UFMG, 1998.

_______A construção da ordem: A elite política imperial, Teatro de sombras: A política imperial. 9. ed. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2014.

DIAS, Claudete Maria Miranda. O outro lado da História: o processo de independência do Brasil visto pelas lutas no Piauí (1789-1850) in: EUGENIO, João Kennedy. (Org.) História de vario feitio e circunstância. Teresina: Instituto Dom Barreto, 2001.

_______A “Independência para Inglês ver”. R. Mestr. Hist., Vassouras, v. 4, n. 1, p. 79-116, 2001/2002. Disponível em: Acesso em 20 de junho de 2017.

DIAS, Maria Odila Leite da Silva. A interiorização da metrópole e outros estudos. 2. Ed. São Paulo, Alameda casa Editorial,2009.

DOLHNIKOFF, Miriam. O pacto imperial: origens do federalismo no Brasil do século XIX- São Paulo: Globo, 2005.
_______ O lugar das elites regionais. REVISTA USP, São Paulo, n.58, p. 116-133, junho/agosto 2003. Disponível em: Acesso em: 17 de junho de 2015.

_______ Elites regionais e a construção do Estado Nacional In: JANCSÓ, István (org.) Brasil: Formação do Estado e da Nação. São Paulo: Hucitec; Ed. Unijuí; Fapesp, 2003.

GONÇALVES, Marcia de Almeida, MATTOS, Ilmar Rohloff de. O império da boa sociedade: A consolidação do Estado imperial brasileiro. 12. Ed. São Paulo: Atual, 1991.

HOLANDA, Sérgio Buarque de. Capítulos de história do Império. Organização de Fernando A. Novais. São Paulo: Companhia das Letras, 2010.

MELLO, Evaldo Cabral de. A outra independência: o federalismo pernambucano de 1817 a 1824. 2. Ed. São Paulo, Editora 34, 2014.

MATTOS, Ilmar Rohloff. O tempo de Saquarema: a formação do Estado imperial. 3. ed. Rio de Janeiro, Acess, 1994.

NEVES, Abdias. O Piauí na confederação do Equador. Teresina: EDUFPI/APL, 1997.

NEVES, Lúcia M. Bastos P. O Estado e política na independência. In: GRINBERG, Keila e SALLES, Ricardo (org). O Brasil imperial, volume I- 1808-1831. Rio de Janeiro: civilização brasileira, 2014.
________A vida política. In: SILVA, Alberto da costa. (Coord.) Crise colonial e independência: 1808-1830. Rio de Janeiro: objetiva, 2011.

PRADO JUNIOR, Caio. Formação do Brasil contemporâneo. 1. Ed. São Paulo: Companhia das letras, 2011.

SILVA, Francisco de Assis Oliveira. O ESTADO IMPERIAL EM CONSTRUÇÃO: Manuel de Sousa Martins e o Piauí na Confederação do Equador. In: NASCIMENTO, Francisco de Assis de Sousa; TAMANINI, Paulo Augusto (orgs.). História, Culturas e Subjetividades: Abordagens e Perspectivas. Teresina-PI: Edufpi, 2015.
Publicado
05-09-2020
Como Citar
Santana de Araujo, J., & de Assis Oliveira Silva, F. (2020). A construção do Estado Imperial brasileiro: Confederação do Equador e a província do Piauí 1823-1825. Cadernos De História, 21(33), 18. Recuperado de http://periodicos.pucminas.br/index.php/cadernoshistoria/article/view/23544
Seção
TEMÁTICA LIVRE/FREE SUBJECT - ARTIGOS/ARTICLES