Os anos iniciais do futebol feminino em Santa Catarina: silenciamentos e resistências

  • Felipe Matos Scientia Consultoria Científica
Palavras-chave: Futebol Feminino, História do Esporte, Relações de Gênero

Resumo

O artigo produz uma síntese histórica sobre os espaços ocupados e os papéis desempenhados pelas mulheres no campo esportivo em Santa Catarina ao longo do século XX e o desenvolvimento do futebol de mulheres, cuja prática foi por quase quatro décadas (1941-1979) oficialmente proibida por decreto-lei, sendo que a sua regulamentação ocorreu apenas no ano de 1983. Tal interdição, baseada em premissas biológicas e legitimada pela estrutura patriarcal conservadora brasileira, marginalizou a modalidade e retardou o seu desenvolvimento, ao contrário da categoria masculina, que se tornou o esporte mais popular do país. Em sintonia com o que ocorria nos grandes centros urbanos, em Santa Catarina o futebol foi visto como um esporte masculino carregado por marcas civilizatórias, praticado por uma elite que reservou às mulheres o papel de torcedora. A sua prática pelas mulheres iniciou como atração circense, tentou desenvolver-se como atividade educativa, foi coibido, estabeleceu estratégias de resistência para continuar sendo praticado até poder estruturar-se em suas diversas manifestações profissionais, de lazer, de educação e sociabilidade.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

ARAÚJO, Hermetes Reis de. A invenção do litoral: reformas urbanas e reajustamento social em Florianópolis. Dissertação de Mestrado em História. São Paulo: PUC, 1989.

ASSOCIAÇÃO Esportiva Scorpions. Sobre nós. Disponível em: https://futebolfemininoscorpions.webnode.com.br/sobre-nos/. Acessado em: 10/08/2020.

BOMBASSARO, Ticiane. & VAZ, Alexandre F. Sobre a formação de professores para a disciplina Educação Física em Santa Catarina (1937-1945): ciência, controle e ludicidade na educação dos corpos. Educar, Curitiba, n. 33, p. 111-128, 2009.

BRASIL. LEI Nº 3.071, DE 1º DE JANEIRO DE 1916. Código Civil dos Estados Unidos do Brasil. Diário Oficial da União, Poder Legislativo, Brasília, DF, 5 jan. 1916. Seção 1, p.133.

BRASIL. Decreto-Lei N° 3199, DE 14 DE ABRIL DE 1941. Estabelece as bases de organização dos desportos em todo o país. Diário Oficial da União. Poder Executivo, Brasília, DF, 18 abr. 1941, p. 7652.

CABRAL, Oswaldo R. Nossa Senhora do Desterro: 2. Memória. Ed. Lunardelli, Florianópolis. 1979.

CAMPOS, A. Entrevista aberta de Léa Campos. Produção: Museu do Futebol. 107 min., som., color. São Paulo: Museu do Futebol, 2015.

FREITAS, A. L.; BORBA, B. L. de; RIBEIRO, S. F. e SILVA, C. F. da. O futebol no jornal das moças: as aproximações e os distanciamentos das mulheres. Corpoconsciência. Cuiabá-MT, vol. 23, n. 02, p. 63-74, mai./ago., 2019.

GOELLNER, Silvana Vilodre. Mulheres e futebol no Brasil: entre incentivos e interdições elas fazem história. Pensar a prática, v. 8, n. 1, p. 85-100, 2006.

GOELLNER, Silvana Vilodre; KESSLER, Cláudia Samuel. A sub-representação do futebol praticado por mulheres no Brasil: ressaltar o protagonismo para visibilizar a modalidade. Revista USP, v. 117, n. 1, p. 31-38, abr. 2018.

GUEDES, C.M. Mulheres à cesta: o basquetebol feminino no brasil (1892-1971). São Paulo: Miss Lily, 2009.

KLÜSER, Adalberto Jorge. Era Uma Vez no Oeste. A trajetória profissional do Palmitos. Florianópolis: Despertando Talentos, 2019.

MESQUITA, Marta Hendler. Entrevista. Entrevista concedida ao autor. Florianópolis, 01.set.2020.

SARTORI, Carina. Na alvorada de um sport: o remo na ilha de Santa Catarina. Dissertação (Mestrado em História). Universidade Federal de Santa Catarina: Florianópolis, 2013.

SILVA, Giovana Capucim. Narrativas sobre o futebol feminino na imprensa paulista: entre a proibição e a regulamentação (1965-1983). Dissertação (Mestrado em História). USP, São Paulo, 2015.

SILVA, Giovana Capucim. Futebol feminino: proibido para quem? uma análise de duas reportagens sobre o futebol praticado por mulheres no período anterior a sua regulamentação. Anais Fazendo Gênero 10. Florianópolis, 2013. Disponível em: http://www.fg2013.wwc2017.eventos.dype.com.br/resources/anais/20/1373220892_ARQUIVO_FG10textocompletoversaofinal.pdf. Acessado em: 30/08/2020.

SOUZA, Bruno Jeuken. Salathiel Campos: esporte e política (1926-1938). Dissertação (Mestrado em História Social) - Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2018.

VELLOSO FILHO, Nilo. Entrevista. Entrevista concedida ao autor. Florianópolis, 19.ago.2020.

WAHLBRINK, Marlisa. Depoimento de Marlisa Wahlbrink [Maravilha]. Projeto Garimpando Memórias. CEME-ESEF-UFRGS: Porto Alegre, 2014.

Publicado
30-11-2021
Como Citar
MATOS, F. Os anos iniciais do futebol feminino em Santa Catarina: silenciamentos e resistências. Cadernos de História, v. 22, n. 37, p. 240-262, 30 nov. 2021.
Seção
Dossiê - Artigos: História do Esporte