Uma cultura corporal anárquica: a influência do punk na prática do skate

  • Leonardo Brandão Universidade Regional de Blumenau
  • Giancarlo Machado Unimontes
Palavras-chave: Esporte, História, Skate, Punk

Resumo

Este artigo tem por objetivo analisar a influência do punk na prática do skate através, sobretudo, de uma análise centrada em revistas de skate publicadas durante a segunda metade da década de 1980 e uma edição da revista Tribo de 2001. Além das revistas, depoimentos e letras de música também serão abordados. O punk pode ser compreendido como um movimento de contestação juvenil ligado à política, à estética e, principalmente, à música e ao comportamento. Aponta-se que houve uma influência do punk na prática do skate, sobretudo na modalidade street (rua) durante a década de 1980, e ainda que essa atividade corporal tenha recebido outras influências nas décadas seguintes, como o Hip-Hop, tal influência permanece, embora conjuntamente com outas formas de expressão cultural, até o presente.

Palavras-chave: Skate; Esporte; História, Punk.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Giancarlo Machado, Unimontes

Pós-doutorando, doutor e mestre Antropologia Social pela Universidade de São Paulo (USP). É professor permanente do Programa de Pós-graduação em Desenvolvimento Social da Universidade Estadual de Montes Claros (PPGDS/Unimontes) e do Departamento de Ciências Sociais da mesma instituição. Pesquisador vinculado ao Núcleo de Antropologia Urbana da Universidade de São Paulo (NAU/USP). É autor do livro De carrinho pela cidade: a prática do skate em São Paulo (Intermeios/FAPESP, 2014).

Referências

AGUIAR, Tiago Cambará. Skate e seu design gráfico: uma breve análise. In BRANDÃO, Leonardo; HONORATO, Tony. Skate & skatistas: questões contemporâneas. Londrina: UEL, 2012.

BENEVIDES, Rubens de Freitas. Cenários modernos e pós-modernos no Brasil: juventude, política e rock and roll. Tese (Doutorado em Sociologia), Universidade de Brasília, UnB, 2008.

BOLOTA, Fábio. Anos 80. In BRITTO, Eduardo (org.). A Onda Dura: 3 Décadas de Skate no Brasil. São Paulo: Parada Inglesa, 2000, p. 30-39.

BRANDÃO, Antonio Carlos. Movimentos culturais de juventude. São Paulo: Moderna, 2004.

BRANDÃO, Leonardo. Por uma história dos “esportes californianos” no Brasil: o caso da juventude skatista. Tese (Doutorado em História). Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (PUC-SP), 2012.

CAIAFA, Janice. Movimento punk na cidade: a invasão dos bandos sub. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 1989.

ET, Marcos. Anos 90. In BRITTO, Eduardo (org.). A Onda Dura: 3 Décadas de Skate no Brasil. São Paulo: Parada Inglesa, 2000, p. 56-68.

FELIX, João Batista. Hip-hop: cultura e política no contexto paulistano. Tese (Doutorado em Antropologia Social), Universidade de São Paulo, USP, 2005.

FICO, Carlos. História do Brasil Contemporâneo. São Paulo: Contexto, 2015.

FORTES, Rafael; BRANDÃO, Leonardo. Anárquico, punk, “sem etiqueta”: o skate nas revistas Fluir e Yeah!. In: Comunicação, Mídia e Consumo. São Paulo, Ano 10, vol. 10, n. 27, 2013, p. 211 – 236.

GALLO, Ivone. Por uma historiografia do punk. In Projeto História, n. 41, dezembro de 2010.

GOMES, Carin Carrer. O uso do território paulistano pelo Hip Hop. Dissertação (Mestrado em Geografia), Universidade de São Paulo, USP, 2008.

GUASCO, Pedro Paulo M. Num país chamado de periferia: identidade e representação da realidade entre os rappers de São Paulo. Dissertação (Mestrado em Antropologia), Universidade de São Paulo, USP, 2001.

HEYWOOD, Andrew. Ideologias políticas: do liberalismo ao fascismo. São Paulo: Ática, 2010.

JIMENEZ, Guto. Skate-rock. In BRITTO, Eduardo (org.). A Onda Dura: 3 Décadas de Skate no Brasil. São Paulo: Parada Inglesa, 2000, p. 97-98.

MACHADO, Giancarlo Marques Carraro. A cidade dos picos: a pratica do skate e os desafios da citadinidade. Tese (Doutorado em Antropologia Social). Universidade de São Paulo, USP, 2017.

MAGNANI, Jose Guilherme Cantor. Tribos Urbanas: metáfora ou categoria?. Cadernos de Campo (USP), v. 2, p. 48-51, 1992.

_____. Da periferia ao centro: trajetórias de pesquisas em Antropologia Urbana. São Paulo: Terceiro Nome, 2012.

O’HARA, Craig. A filosofia do punk: mais do que barulho. São Paulo: Radical Livros, 2005.

OLIC, Mauricio Bacic. Entre o liso e o estriado: skatistas na Metrópole. Dissertação (Mestrado em Ciências Sociais). Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, PUC-SP, 2010.

OLIVEIRA, Roberto Camargo. Do punk ao hardcore: elementos para uma história da música popular no Brasil. In: Temporalidades (UFMG), vol. 3, n. 1, janeiro/julho de 2011.

PHELPS, Jake. Skate and destroy: the first 25 years of Thrasher magazine. New York: Universe Publishing, 2006.

PORTER, Roy. História do corpo. In BURKE, Peter (org.). A escrita da história: novas perspectivas. São Paulo: Editora da UNESP, 1992 (p. 291-328)

RODRIGUES, Jhonatan. Mids90: uma grande celebração ao skate... e também ao rap! Portal Rapologia. Disponível em: https://raplogia.com.br/mid90s-uma-grande-celebracao-ao-skate-e-tambem-ao-rap/. Acesso em 05/11/2020.

SILVA, José Carlos Gomes. Rap na cidade de São Paulo: música, etnicidade e experiência urbana. Tese (Doutorado em Ciências Sociais), Universidade Estadual de Campinas, Unicamp, 1998.

SOUSA, Rafael Lopes de. Punk: cultura e protesto. São Paulo: Edições Pulsar, 2002.

THORNTON, Sarah. Club cultures: music, media and subcultural capital. Hanover (USA): Wesleyan University Press of New England, 1996.

Publicado
30-11-2021
Como Citar
BRANDÃO, L.; MACHADO, G. M. C. Uma cultura corporal anárquica: a influência do punk na prática do skate. Cadernos de História, v. 22, n. 37, p. 89-108, 30 nov. 2021.
Seção
Dossiê - Artigos: História do Esporte