Da construção da nova capital mineira ao atual modelo de gestão de vilas e favelas: notas sobre um estudo de caso do Programa Vila Viva - DOI: 10.5752/P.2237-8871.2012v13n19p126

  • Luana Dias Motta Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG)
Palavras-chave: Planejamento urbano, Políticas públicas para favelas, Lutas faveladas, Programa Vila Viva.

Resumo

A cidade de Belo Horizonte foi planejada para ser modelo de limpeza e símbolo da modernidade e do progresso. Todavia, devido à lógica excludente de seu projeto – fortemente marcado pelos ideais positivistas – teve de se haver com as questões das favelas mesmo antes de sua inauguração. Assim, a história das lutas faveladas e das políticas públicas para essa parcela da população tiveram, desde o período da construção da cidade até os dias atuais, momentos distintos, diretamente relacionados ao contexto histórico local e nacional. Para consolidar, ao longo da década de 1990, uma concepção de planejamento apoiado num discurso universal e técnico – o chamado planejamento modernista (MARICATO, 2000) –, o poder público municipal utilizou (e utiliza) determinadas estratégias legais, políticas e discursivas, que tiveram como principais resultados o Plano Global Específico (PGE) e o Programa Vila Viva. O objetivo central deste texto, portanto, é, a partir de um estudo de caso, refletir sobre o processo de construção e gestão do espaço de Belo Horizonte (que culminou numa cidade espacialmente desigual e excludente), bem como apresentar o percurso metodológico para realização dessa investigação.

 

Abstract

Belo Horizonte was designed to be a model of cleanliness and progress. However, due to its exclusionary design project, the city had to deal with the issue of slums even before its inauguration. From the 1990s the local government has been applying a conception of urban planning based on a technical discourse that has led to the program called Vila Viva (village alive), a program of intervention in the slums. In order to legitimize these public interventions, residents are defined by negativity and their ways of relating to the space are ignored. Thus, the program reveals the government’s pretension to control and homogenize the slums’ space and population.

Key words: Urban planning; Public policies towards slums; Slums; Vila Viva program.

Biografia do Autor

Luana Dias Motta, Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG)
Possui graduação em Ciências Sociais pela Universidade Federal de Minas Gerais (2009). Atualmente é mestranda do Programa de Pós-Graduação em Sociologia da UFMG e integrante do Grupo de Estudos em Temáticas Ambientais (GESTA) da Universidade Federal de Minas Gerais. Tem experiência na área de conflitos ambientais, planejamento urbano, urbanização de favelas.

Referências

AFONSO, Mariza Rezende; AZEVEDO, Sérgio de. Poder público e movimento de favelados. In: POMPERMAYER, Maiori (Org.). Movimentos Sociais em Minas Gerais: emergência e perspectivas. Belo Horizonte: UFMG, 1988.

ASSESSORIA SOCIAL E PESQUISA. Projeto de trabalho técnico social do Aglomerado do Morro das Pedras. 2008a.

ASPAssessoria Social e Pesquisa. Projeto Pré-Morar do Aglomerado do Morro das Pedras. 2008b.

BEDÊ, Mônica. Trajetória da Formulação e Implantação da Política Habitacional de Belo Horizonte na Gestão da Frente BH Popular: 1993-1996, 2005. [302]f. Dissertação (Mestrado em Geografia) – Instituto de Geociências da Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte.

BELO HORIZONTE. Lei nº 7.165 de 27 de agosto de 1996. Institui o Plano diretor do Município de Belo Horizonte. Disponível em: <http://bhz5.pbh.gov.br/legislacao.nsf/42 d34f6e3014477e0325679f0041f8fa/cd8446d8f87886040325679a0057652c?OpenDocument>. Acesso em: 04 abr. 2012.

BELO HORIZONTE. Lei nº 7.165 de 27 de agosto de 1996. Estabelece normas e condições para parcelamento, ocupação e uso do solo urbano no município. Disponível em: <http://www.pbh.gov.br/mapas/leiuso/lei-7166.htm>. Acesso em: 04 abr. 2012.

BRANDENBERGER, Francys. Plano global específico: um instrumento de planejamento urbano em assentamentos subnormais. In: ZENHA, Rosimari; FREITAS, Carlos Geraldo Luz de (Org.). Anais do Seminário de avaliação de projetos IPT em habitação e meio ambiente: assentamentos urbanos precários. São Paulo: Coleção Habitare. 2002.

BURGOS, Marcelo B. Dos parques proletários ao favela-bairro – as políticas públicas nas favelas do Rio de Janeiro. In: ZALUAR, Alba; ALVITO, Marcos (Org.). Um Século de Favela. Rio de Janeiro: Editora Fundação Getúlio Vargas, 1998.

CHAUI, Marilena de Souza. Conformismo e resistência: aspectos da cultura popular no Brasil. São Paulo: Brasiliense, 1986.

COSTA, Heloísa. Habitação e produção do espaço em Belo Horizonte. In: MONTE-MOR, R. (Org.) Belo Horizonte: espaços e tempos em construção. Belo Horizonte: CEDEPLAR, 1994.

GUIMARAES, Berenice Martins. Favelas em Belo Horizonte: tendências e desafios. Análise e onjuntura, Belo Horizonte, v. 7, n. 2;3, p. 11-18, maio/dez. 1992.

FICHEIRO: Planta BH. Wikipédia. Disponível em: <http://pt.wikipedia.org/wiki/Ficheiro:Planta_BH.jpg>. Acesso em: 16 abr. 2012.

GUIMARAES, Berenice. Minas Gerais: a construção da nova capital. Análise e Conjuntura, Belo Horizonte, v. 8, n. 2;3, p. 17-31, maio/dez. 1993.

LEFEBVRE, Henri. A Revolução Urbana. Belo Horizonte: Editora UFMG, 1999.

LEFEBVRE, Henri. La Production de L’espace. 4. ed. Paris: Anthropos, 2000.

LE VEN, Michel M. Classes Sociais e Poder Político na Formação Espacial de Belo Horizonte (1893-1914). 1977. 174 f. Dissertação (Mestrado em Ciência Política) – Faculdade de Filosofia e Ciências Humanas da Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte.

MARICATO, Ermínia. Brasil 2000: qual planejamento urbano? Cadernos IPPUR, Rio de Janeiro, Ano XI, n. 1/2, p. 113-130, 1997.

MOTTA, Luana D. A normatização da limpeza e da beleza no Aglomerado do Morro das Pedras-BH: estratégias legais, políticas e discursivas para implementação do Programa Vila Viva. 2009. 76 f. Monografia (Graduação em Ciências Sociais) Faculdade de Filosofia e Ciências Humanas da Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte.

PECHMAN, R. M. Cidades estreitamente vigiadas: o detetive e o urbanista. Rio de Janeiro: Casa da Palavra, 2002.

PEREIRA, Claudius Vinícius Leite; AFONSO, Andrea Scalon; MAGALHÃES, Maria Cristina Fonseca de. Programa Vila Viva: Intervenção estrutural em assentamentos precários. Apresentado no 17º Encontro Nacional da Anamma, Recife, 2007. Disponível em: <http://portalpbh.pbh.gov.br/pbh/ecp/contents.do?evento=conteudo&id Conteudo=22546&chPlc=22546&viewbusca=s>. Acesso em: 16 out. 2012.

REBOUÇAS, Lidia Marcelino. O Planejado e o Vivido: o reassentamento de famílias ribeirinhas no Pontal do Paranapanema. São Paulo: AnnaBlume/FAPESP, 2000.

ROSA, Susel Oliveira. Da violência, da Pureza e da Ordem. Revista Urutágua – revista acadêmica multidisciplinar, Maringá, n. 9, abr./jul. 2006.

SIENA, Mariana. Remoção de Famílias das Áreas Consideradas de Risco: a técnica de fazer viver e deixar morrer. Trabalho apresentado na 34º Encontro Anual da Anpocs, Caxambu, 2010. Disponível em: <http://www.ufscar.br/neped/pdfs/anais/ANPOCS2010_Mariana_Siena.pdf >. Acesso em: 04 maio 2011.

SOMARRIBA, Maria das Mercês Gomes; VALADARES, Maria Gezica; AFONSO, Mariza Rezende; Fundação João Pinheiro. Lutas urbanas em Belo Horizonte. Petrópolis: Vozes, 1984.

VARGAS, Maria Auxiliadora R. Construção Social da Moradia de Risco: trajetórias de despossessão e resistência – a experiência de Juiz de Fora/MG. 2006. 160 f. Dissertação (Mestrado em Planejamento Urbano e Regional). Instituto de Pesquisa e Planejamento Urbano e Regional da Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro.

ZHOURI, Andréa. Justiça Ambiental, Diversidade Cultural e Accountability: desafios para a governança ambiental. Revista Brasileira de Ciências Sociais, v. 23, n. 68, p. 97-107, out. 2008.

ZHOURI, Andréa; TEIXEIRA, Raquel. O. S. Paisagens industriais e desterritorialização de populações locais: conflitos socioambientais em projetos hidrelétricos. In: ZHOURI, A.; SIANO, D. B. P.; LASCHEFSKI, K. (Org.). A insustentável leveza da política ambiental: desenvolvimento e conflitos socioambientais. Belo Horizonte: Autêntica, 2005.

Publicado
19-10-2012
Como Citar
MOTTA, L. D. Da construção da nova capital mineira ao atual modelo de gestão de vilas e favelas: notas sobre um estudo de caso do Programa Vila Viva - DOI: 10.5752/P.2237-8871.2012v13n19p126. Cadernos de História, v. 13, n. 19, p. 126-146, 19 out. 2012.
Seção
Dossiê - Artigos: História Ambiental