Gestão de documentos arquivísticos eletrônicos: o caminho percorrido pela administração pública brasileira (Digital records management: the trail of the Brazilian Government) - DOI: 10.5752/P.2237-8871.2013v14n20p9

Vanderlei Batista dos Santos

Resumo


Este artigo faz uma breve análise do percurso que tem trilhado a administração pública brasileira em busca do desenvolvimento de uma política de gestão de documentos arquivísticos digitais. Esse caminho contempla benchmarking; participação em projetos internacionais; análises e adoção de padrões nacionais e internacionais; apoio na discussão e promulgação de legislação específica; elaboração de orientações e normas técnicas; criação de comissões e grupos de trabalho para debater o tema nos níveis institucional, municipal, estadual e federal. Como conclusão, e a título de exemplificação, apresenta-se o caso da Câmara dos Deputados, o qual se considera bem fundamentado e em estágio avançado de implementação em relação ao alcance de seus objetivos.

 

Abstract

This article presents a brief analysis of the route that the Brazilian Government has been treading, seeking to develop policies for digital records management. This pathway includes benchmarking, participation in international projects, analyses and adoption of national and international standards, support to the discussion and enactment of specific legislation, development of guidelines and standards, establishment of committees and working groups to discuss the topic in institutional, local, state and federal levels. In conclusion, there is the case of the Chamber of Deputies, which is considered well founded and in advanced stages of implementation in relation to the achievement of its objectives.

Keywords: Archival Science; Archivistics; Record management; Digital records; Electronic records.


Palavras-chave


Arquivologia; Arquivística; Gestão de documentos; Documentos digitais; Documentos eletrônicos.

Texto completo:

PDF

Referências


BRASIL. Decreto-Lei nº 2.848, de 7 de dezembro de 1940. Código Penal. Diário Oficial da União, Rio de Janeiro, 31 de dezembro de 1940. Disponível em: . Acesso em: 13 ago. 2012.

BRASIL. Lei nº 8.159, de 8 de janeiro de 1991. Dispõe sobre a política nacional de arquivos públicos e privados e dá outras providências. Diário Oficial da União, Brasília, 9 de janeiro de 1991. Disponível em: . Acesso em: 09 ago. 2012.

BRASIL. Decreto n° 1.799, de 30 de janeiro de 1996, que regulamenta a Lei n° 5.433, de 8 de maio de 1968, que regula a microfilmagem de documentos oficiais, e dá outras providências. Disponível em: . Acesso em: 23 ago. 2012.

BRASIL. Medida Provisória 2.200-2, de 24 de agosto de 2001. Institui a Infra-Estrutura de Chaves Públicas Brasileira – ICP-Brasil –, transforma o Instituto Nacional de Tecnologia da Informação em autarquia, e dá outras providências. Diário Oficial da União, Brasília, 27 de agosto de 2001. Disponível em: . Acesso em: 17 ago. 2012.

BRASIL. Lei no 9.983, de 14 de julho de 2000. Altera o Decreto-Lei n° 2.848, de 7 de dezembro de 1940 – Código Penal e dá outras providências. Diário Oficial da União, Brasília, 17 de julho de 2000. Disponível em: . Acesso em: 07 ago. 2012.

BRASIL. Lei nº 12.527, de 18 de novembro de 2011. Regula o acesso a informações previsto no inciso XXXIII do art. 5°, no inciso II do § 3° do art. 37 e n° § 2° do art. 216 da Constituição Federal; altera a Lei n° 8.112, de 11 de dezembro de 1990; revoga a Lei no 11.111, de 5 de maio de 2005, e dispositivos da Lei n° 8.159, de 8 de janeiro de 1991; e dá outras providências. Disponível em: . Acesso em: 25 ago. 2012.

BRASIL. Decreto nº 7.724, de 16 de maio de 2012. Regulamenta a Lei n° 12.527, de 18 de novembro de 2011, que dispõe sobre o acesso a informações previsto no inciso XXXIII do caput do art. 5°, no inciso II do § 3° do art. 37 e n° § 2° do art. 216 da Constituição. Disponível em: . Acesso em: 05 ago. 2012.

CÂMARA TÉCNICA DE DOCUMENTOS ELETRÔNICOS. A CTDE. Disponível em: . Acesso em: 15 maio 2012.

CÂMARA TÉCNICA DE DOCUMENTOS ELETRÔNICOS. Glossário: versão 5.1 / março de 2010. Disponível em: . Acesso em: 19 maio 2012.

CONSELHO FEDERAL DE MEDICINA. Resolução CFM nº 1.821, de 11 de julho de 2007. Aprova as normas técnicas concernentes à digitalização e uso dos sistemas informatizados para guarda e manuseio dos documentos dos prontuários dos pacientes, autorizando a eliminação do papel e a troca de informação identificada em saúde. Disponível em: . Acesso em: 05 ago. 2012.

CONSELHO NACIONAL DE ARQUIVOS. Carta para a Preservação do Patrimônio Arquivístico Digital Brasileiro: preservar para garantir o acesso. 2005. Disponível em: . Acesso em: 07 ago. 2012.

CONSELHO NACIONAL DE ARQUIVOS. Resolução n° 20, de 16 de julho de 2004. Dispõe sobre a inserção dos documentos digitais em programas de gestão arquivística de documentos dos órgãos e entidades integrantes do Sistema Nacional de Arquivos. Disponível em: . Acesso em: 02 maio 2012.

CONSELHO NACIONAL DE ARQUIVOS. Resolução nº 25, de 27 de abril de 2007. Dispõe sobre a adoção do Modelo de Requisitos para Sistemas Informatizados de Gestão Arquivística de documentos - e-ARQ Brasil pelos órgãos e entidades do Sistema Nacional de Arquivos – SINAR. Disponível em: . Acesso em: 07 maio 2012.

CONSELHO NACIONAL DE ARQUIVOS. Resolução n º 32, 17 de maio de 2010. Dispõe sobre a inserção dos Metadados na Parte II do Modelo de Requisitos para Sistemas Informatizados de Gestão Arquivística de documentos -e-ARQ Brasil. Disponível em: . Acesso em: 19 maio 2012.

CONSELHO NACIONAL DE JUSTIÇA. My clipp. Informatização de processos e contratação de pessoal não melhoram desempenho da Justiça, diz Ipea. Disponível em: . Acesso em: 20 abr. 2011.

CONSELHO NACIONAL DE JUSTIÇA. Resolução n° 91/2009. Institui o Modelo de Requisitos para Sistemas Informatizados de Gestão de Processos e Documentos do Poder Judiciário – Moreq-JUS e disciplina a obrigatoriedade da sua utilização no desenvolvimento e manutenção de sistemas informatizados para as atividades judiciárias e administrativas no âmbito do Poder Judiciário. Disponível em: . Acesso em: 18 abr. 2011.

INTERPARES PROJECT. Diretrizes do preservador a preservação de documentos arquivísticos digitais: diretrizes para organizações, 2010. Disponível em: . Acesso em: 10 jul. 2011.

INTERPARES PROJECT. Diretrizes do produtor - a elaboração e a manutenção de materiais digitais: diretrizes para indivíduos, 2010. Disponível em: . Acesso em: 10 jul. 2011.

MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E GESTÃO. E-MAG: Modelo de Acessibilidade de Governo eletrônico, 2007. Disponível em: . Acesso em: 10 jul. 2011.

MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E GESTÃO. E-ping: Padrões de Interoperalidade do Governo eletrônico. Disponível em: . Acesso em: 10 jul. 2011.

NATIONAL ARCHIVES OF AUSTRALIA. Managing Electronic Records. What? The electronic conundrum. Disponível em: . Acesso em: 05 jan. 2010.

PESSOA; VIEIRA; DANTAS; COSTA. O documento digital como meio de prova administrativa e legal. Brasília, 2008. Eslaides.

ROCHA, Claudia Lacombe Rocha; SILVA, Margareth da. Preservación de documentos digitales: Carta brasileña para la preservación del patrimonio archivístico digital. (Coloquio Internacional sobre el Patrimonio Documental en Papel y Digital, Cuba, 2005).

TAKAHASHI, Tadao (Org.). Sociedade da Informação no Brasil: Livro Verde. Brasília: Ministério da Ciência e Tecnologia, 2000. Disponível em: www.mct.gov.br/index.php/content/view/18878.html Acesso em: 10 mar. 2010.

UNESCO. Charter on the Preservation of Digital Heritage. 15 out. 2003. Disponível em: . Acesso em: 5 jun. 2012.

USA. DEPARTMENT OF DEFENSE. DoD 5015.02-STD: Electronic records management software applications design criteria standard. 25 abr. 2007.




Latindex

Sumários.org

E-Revist@s

Periodicos.CAPES

SEER/IBICT

LivRe

JournalTOCs

REBID

Elektronische Zeitschriftenbibliothek EZB

DOAJ