Patrimônio ferroviário de Carlos Euler – Passa Vinte-MG (Railway heritage buildings in Carlos Euler, Passa Vinte-MG Brazil) - DOI: 10.5752/P.2237-8871.2012v13n18p157

  • Bruno Sanches Ranzani da Silva Universidade Federal de Pelotas (UFP)
  • Claudia Vilela Myr projetos
  • Deyse Marinho Abreu Memória Arquitetura LTDA
  • Luciana Rocha Féres Centro Universitário Metodista Izabela Hendrix.
Palavras-chave: Carlos Euler, Patrimônio Ferroviário Mineiro, Passa Vinte-MG

Resumo

O presente artigo foi escrito com o objetivo de divulgar, para a comunidade científica e interessados em geral, os resultados das pesquisas sobre aspectos histórico-arquitetônicos do complexo ferroviário do povoado de Carlos Euler. Localizado no município mineiro de Passa Vinte, o povoado se desenvolve ao longo da Estrada Ferro Oeste de Minas – EFOM, com patrimônio ferroviário ainda pouco conhecido. Os trabalhos incluíram pesquisas de campo, realizadas em junho de 2011, com levantamento planialtimétrico das edificações de interesse inseridas nesse ponto da Estrada de Ferro, bem como entrevistas com os habitantes e moradores locais, pesquisas em fontes secundárias e arquivísticas sobre o histórico da ferrovia.

 

Abstract

This study presents the results of a research about historic and architectural elements of railway heritage describing the buildings in Carlos Euler, where is located one station of Estrada Ferro Oeste de Minas – EFOM. These aspects are quite unknown in Brazil and we aim to spread information to academic and the all public interested in. The study was developed based on primary and secondary sources, such as archives about railway, surveys, interviews with local inhabitants during the year of 2011.

Biografia do Autor

Bruno Sanches Ranzani da Silva, Universidade Federal de Pelotas (UFP)
Formado em história pela Unicamp, mestre pelo Programa de Pós-Graduação em Antropologia (concentração em arqueolgia) da UFMG, pesquisando o tema do desenvolvimento da Arqueologia Pública e Arqueologia Subaquática no Brasil. Atua como pesquisador no Grupo de Estudos em Ambientes Aquáticos (UFS) e no Projeto de Arqueologia Antártica (UFMG). Atualmente trabalha como professor temporário no Departamento de Antropologia e Arqueologia da Universidade Federal de Pelotas (UFPel) e cursa doutorado na Universidade Estadual de Campinas (Unicamp). Interessando em Arqueologia Pública, Arqueologia Subaquática, estratégias de comunicação, turismo arqueológico, arqueologia histórica, teoria arqueológica, patrimônio arqueológico. Trabalhou no Laboratório de Arqueologia do NEE/Unicamp e possui experiência de campo no Brasil e estrangeiro (sítios históricos e pré-históricos).
Claudia Vilela, Myr projetos
Possui graduação em arquitetura e urbanismo pela Universidade Federal de Minas Gerais (2006). Atualmente é arquiteta da Associação dos Engenheiros e Arquitetos atuando como prestadora de serviços no programa municipal "Planta Popular".
Deyse Marinho Abreu, Memória Arquitetura LTDA
É mestre em História com ênfase em História Social e da Ciência pela Universidade Federal de Minas Gerais. Possui graduação em História pelo Centro Universitário Newton Paiva. Membro do Scientia &Technica -Grupo de Teoria e História da Ciência e da Técnica. Pesquisadora do projeto Grupos Emergentes: História das Ciências e Práticas de Saúde nos séculos XVIII e XIX Brasil (FAPEMIG).Tem experiência em História, atuando nas seguintes áreas : História Regional do Brasil, História das ciências da saúde, História da farmácia, História da ciência, Memória, Patrimônio Cultural, História da cultura judaica, História do Direito e História da Escravidão no Brasil Império.
Luciana Rocha Féres, Centro Universitário Metodista Izabela Hendrix.
possui graduação em Arquitetura e Urbanismo pelo Centro Universitário Metodista Izabela Hendrix (1995), especialização em Revitalização Urbana e Arquitetônica (1999) e mestrado em Arquitetura e Urbanismo pela Escola de Arquitetura da Universidade Federal de Minas Gerais (2002). Foi coordenadora do Curso de Arquitetura e Urbanismo e atualmente é professora titular do Centro Universitário Metodista Izabela Hendrix. É professora convidada da EAUFMG no curso de pós graduação em Revitalização Urbana e Arquitetônica. Atualmente é diretora de Patrimônio Cultural do IAB-MG, Instituto dos Arquitetos do Brasil, seção Minas Gerais; Membro do Conselho Deliberativo do Patrimônio Cultural da Prefeitura Municipal de Belo Horizonte; Membro do CONEP, Conselho Estadual do Patrimônio Cultural de Minas Gerais. Tem experiência docente na área de Arquitetura e Urbanismo, com ênfase em Análise Crítica e Histórica da Arquitetura e Urbanismo, atuando principalmente nos seguintes temas: história e teoria da arquitetura e do urbanismo, preservação e gestão do patrimônio ambiental urbano, educação patrimonial, intervenções em edificações e áreas urbanas de interesse de preservação.

Referências

ARAÚJO, Délio. EFOM – Estrada de Ferro Oeste de Minas. As locomotivas Shay. 1ºAgo. 1989. Disponível em:

shtml>. Acesso em: 18 jun. 2011.

AGÊNCIA Nacional de Transportes Terrestres. Resolução nº 3669/11 de 12 de maio de 2011.

BASTOS, R. L. Arqueologia Pública no Brasil: novos tempos. In: V. H. MORI, M. C. SOUZA, & R. L. BASTOS (Org.). Patrimônio: atualizando o debate. São Paulo: 9ª SR/IPHAN.

CAMPOS, Helena Guimarães; FARIA, Ricardo de Moura. História de Minas Gerais. Rio de Janeiro: Editora Lê, 2005.

CAMPOS, Helena Guimarães. Estradas reais e estradas de ferro: cotidiano e imaginário nos caminhos de Minas. Revista de História Comparada, Belo Horizonte. v. 1, n. 1, p. 1-29, jun., 2007a.

CAMPOS, Helena Guimarães. Economia e trabalho nas estradas reais e nas estradas de ferro de Minas Gerais. Cadernos de História, Ouro Preto, Ano 2, v. IV, n 2, p. 180-207, set. 2007b.

CAMPOS, Helena Guimarães. 150 anos da Estrada de Ferro Central do Brasil (1858-2008). Disponível em:

B.htm>. Acesso em: 11 jun.2011.

CHAVES, Cláudia Maria das Graças. Perfeitos negociantes: mercadores das Minas Setecentistas. 1995. Dissertação (Mestrado em História). Faculdade de Filosofia e Ciências Humanas da Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte.

COSTA, Paulo de Andrade Martins. Introdução a Memória Histórica da Estrada de Ferro Central do Brasil. Comemorativo de seu centenário. Lucas – D.F.: Oficina do Serviço Gráfico do IBGE, 1958.

COSTA, Joseana. Casa Commercial de Fortunato Nardelli. Passa Vinte, 2011. 1 fotografia.

COSTA, Joseana. Residência anexa à Casa Commercial. Passa Vinte, 2011. 2 fotografia.

COSTA, Joseana. Planta do Pavimento térreo (À direita) e subsolo (À esquerda) da Casa Commercial de Fortunato Nardelli. Passa Vinte, 2011. 3 fotografia.

COSTA, Joseana. Planta da Estação Carlos Euler. Passa Vinte, 2011. 4 fotografia.

DIÁRIO Oficial da União de 01 de Novembro de 1913. Ministerio da Viação e Obras Publicas. Expediente de 30 de outubro de 1913. Disponível em: . Acesso em: 13 jun. 2011.

DRIGOP20. Patrimônio Histórico de Passa Vinte – A história da Cidade 1/8. YouTube 12 de março de 2011. Disponível em: < http://www.youtube.com/watch?v=Bzc CeXd5_Es>. Acesso em: 22 maio 2011.

DRIGOP20. Patrimônio Histórico de Passa Vinte - Carlos Euler 7/8. YouTube 16 de março de 2011. . Acesso em: 22 maio 2011.

E. F. BRASIL. Álbum de Fotografias das Ferrovias Brasileiras. Disponível em: . Acesso em: 27 jun. 2011.

FARIA, Francisco de Assis. Rua José Gomes Timóteo na década de 1970. Passa Vinte, 1970. 1 fotografia.

FARIA, Francisco de Assis. Rua José Gomes Timóteo. Passa Vinte, 1970. 2 fotografia.

FARIA, Francisco de Assis. Rua José Gomes Timóteo e habitantes. Passa Vinte, 1970. 3 fotografia.

FCA. Sobre a FCA. Disponível em: <http://www.fcasa.com.br/sobre-a-fca/>. Acesso em: 17 jun. 2011.

FONSECA, Maria Cecília Londres. O Patrimônio em processo: trajetória da política federal de preservação no Brasil. 2. ed. Rio de Janeiro: Editora UFRJ, 2005.

GIESBRECHT, Ralph Mennucci. Estações ferroviárias. Disponível em: . Acesso em: 13 jun. 2011.

GORNI, Antônio Augusto. A Eletrificação nas Ferrovias Brasileiras. Estrada de Ferro Central do Brasil. Disponível em: . Acesso em: 17 jun. 2011.

GORNI, Antônio Augusto. A Eletrificação nas Ferrovias Brasileiras. Estrada de Ferro Central do Brasil. Disponível em: . Acesso em: 13 jun. 2011.

IBGE. Passa Vinte – MG. . Acesso em: 13 jun. 2011.

INVENTÁRIO do Patrimônio Artístico e Cultural de Passa Vinte – IPAC. Passa Vinte, 2009.

LEE, Paulo. Máquinas a Vapor e Motores a Explosão. Disponível em: . Acesso em: 17 jun. 2011.

LIMA, Pablo Luiz de Oliveira. Máquina, tração do progresso. Memórias da Ferrovia no Oeste de Minas: entre o sertão e a civilização 1880-1930. 2003. 202 f. Dissertação (Mestrado em História). Faculdade de Filosofia e Ciências Humanas da Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte.

MINISTÉRIO DA VIAÇÃO E OBRAS PÚBLICAS. Mapa do traçado da ferrovia Oeste de Minas (1927). [S.l.]: [s.n.], 1927. 1 fotografia.

MEMÓRIA ARQUITETURA. Mapa do povoado de Carlos Euler com localização dos imóveis levantados. Belo Horizonte, 2011. 1 fotografia.

NEVES, Lúcia Maria Bastos Pereira das; MACHADO, Humberto Fernandes. O Império do Brasil. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1999.

REDE FERROVIÁRIA FEDERAL SOCIEDADE ANÔNIMA. Histórico. Disponível em: . Acesso em: 13 jun. 2011.

REDE FERROVIÁRIA FEDERAL SOCIEDADE ANÔNIMA. Histórico. Disponível em: . Acesso em: 13 jun. 2011.

SANTOS, Welber L. Manutenção do Velho no Mundo do Novo (1950-1984). 2006. Monografia (Conclusão de curso em História) – Uiversidade Federal de São João Del Rei, São João Del Rei.

SEBRAE/RJ. A Arquitetura dos caminhos de ferro. Disponível em: <http://www.sebraerj.com.br/custom/pdf/cam/cafe/05_AArquiteturaDosCaminhosDeFerro.pdf>. Acesso em: 18 jun. 2011.

UMA das veteranas metropolitan vickers na estação carlos euler em maio de 1934. Álbum do Passado. <http://www.amantesdaferrovia.com.br/photo/uma-das-veteranas -metropolitan?context=latest >. Acesso em: 26 maio 2011.

VAZ, Mucio Jansen (Org.). Estrada de ferro Oeste de Minas. Trabalho histórico – descriptivo, organizado pelo Secretário interino da Estrada Mucio Jansen Vaz, por determinação do Director, Engenheiro Caetano Lopes Junior. (Commemoração do 1º Centenário da Independência Pátria). Belo Horizonte: Imprensa Oficial, 1922.

VASCONCELLOS, Max. Estrada de Ferro Central do Brasil. Linha do centro e ramaes. Vias brasileiras de communicação. 5. ed. Rio de Janeiro: Imprensa Nacional, 1934.

Publicado
11-05-2012
Seção
TEMÁTICA LIVRE/FREE SUBJECT - ARTIGOS/ARTICLES