A cidade de Porto Alegre e as águas do Guaíba: uma história de “encontros” e “desencontros”

  • Fabiano Quadros Rückert Universidade Federal de Mato Grosso do Sul (UFMS)
  • Antônio João Dias Prestes Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS)
Palavras-chave: Porto Alegre, Poluição hídrica, Lago Guaíba, Despoluição.

Resumo

O objetivo deste artigo consiste em produzir uma reflexão sobre as relações entre a cidade de Porto Alegre, capital do Rio Grande do Sul, e as águas do Guaíba. Localizado nas margens do lago Guaíba, o sítio urbano porto-alegrense ganhou forma influenciado pelas águas desse manancial que sofreu diferentes tipos de intervenções humanas a partir do desembarque dos primeiros açorianos na região.  Partindo da premissa de que as relações entre a cidade de Porto Alegre e as águas do Guaíba foram construídas articulando interesses políticos e econômicos, saberes técnicos e elementos naturais, a primeira parte do artigo aborda o processo de poluição do lago Guaíba; e a segunda parte destaca as iniciativas para sua despoluição e recuperação ambiental, encaminhadas pelo poder público e pela sociedade em diferentes momentos históricos.

Biografia do Autor

Fabiano Quadros Rückert, Universidade Federal de Mato Grosso do Sul (UFMS)

Doutor em História pela Universidade do Vale do Rio dos Sinos (UNISINOS). Professor da Universidade Federal do Mato Grosso do Sul (UFMS). Desenvolve pesquisas sobre teoria e metodologia da História, relações interamericanas, desenvolvimento do movimento ambientalista e história do saneamento no Brasil e na América Latina.

Antônio João Dias Prestes, Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS)

Mestre em História pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS). Graduado em História pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS). Graduado em Engenharia Química pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS). Membro do GT de História Ambiental Anpuh/RS. Tem experiência na área de História. Atuando principalmente nos seguintes temas: Políticas Públicas, História Ambiental, Lago Guaíba.

Referências

AB’SABER, Aziz. A sociedade urbano-industrial e o metabolismo urbano. In: GIANOTTI, Carlos Alberto (Org.). Prospectivas. À beira do novo milênio. São Leopoldo: UNISINOS, 1995. p. 9-21.

MENEGAT, Ronaldo (Coord.). Atlas Ambiental de Porto Alegre. Porto Alegre: UFRGS, 2006.

ÁVILA, Vladimir Ferreira de. Saberes históricos e práticas cotidianas sobre o saneamento: desdobramentos na Porto Alegre do século XIX (1850-1900). 2010. Dissertação (Mestrado em História) – Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul, Programa de Pós-Graduação em História, Porto Alegre, 2010. Disponível em: <http://repositorio.pucrs.br/dspace/bitstream/10923/3945/1/000425495-Texto%2BCompleto-0.pdf>. Acesso em: 28 de junho de 2015.

CANTERGI, Adolpho. A poluição das águas no Estado do Rio Grande do Sul. In: SECRETARIA ESPECIAL DO MEIO AMBIENTE. Encontro Nacional sobre a Proteção e Melhoria do Meio Ambiente. Brasília: Ministério do Interior/SEMA, 1975, p. 203-217.

CARDOSO, Patrícia Moreira. Conflitos socioambientais em áreas protegidas: Interesses e Estratégias nas Disputas pela Legitimidade na Redefinição do Parque Estadual do Delta do Jacuí. 2010. Dissertação (Mestrado em Desenvolvimento Rural) – Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Programa de Pós-Graduação em Desenvolvimento Rural, Porto Alegre, 2006. Disponível em: <http://hdl.handle.net/10183/10801>. Acesso em: 03 jul. 2010.

DEVOS, Rafael Victorino. A “questão ambiental” sob a ótica da antropologia dos grupos urbanos, nas ilhas do Parque Estadual Delta do Jacuí, Bairro Arquipélago, Porto Alegre, RS. 2007. Tese (Doutorado em Antropologia Social) – Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Programa de Pós-Graduação em Antropologia, Porto Alegre, 2007. Disponível em: <http://hdl.handle.net/10183/8688>. Acesso em: 05 jul. 2015.

FREITAS, Amadeu Fagundes da Rocha. O destino dos esgotos de Porto Alegre em face da poluição do Guaíba. Tese apresentada à Faculdade de Arquitetura da Universidade do Rio Grande do Sul, no concurso para provimento do cargo para Professor Catedrático de Higiene da Habitação e Saneamento das Cidades. Porto Alegre: Universidade do Rio Grande do Sul, 1962.

GOVERNO DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL. Constituição do Estado do Rio Grande do Sul. Porto Alegre: Assembleia Legislativa Estadual, 1983, p. 83. Disponível em: <http://www2.al.rs.gov.br/dal/LinkClick.aspx?fileticket=IiPguzuGBtw %3D&tabid=3683&mid=5358> Acesso em: 15 out. 2016.

GOVERNO DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL. Legislação de Recursos Hídricos. Porto Alegre: SEMA/FEPAM, s/d.

HARRES, Marluza Marques; RÜCKERT, Fabiano Quadros Rückert. A natureza, o tempo e as marcas da ação humana: políticas públicas e ambiente em perspectiva histórica, São Leopoldo, RS. São Leopoldo: OIKOS, 2015.

HUYER, André. A Ferrovia do Riacho. Do sanitarismo a modernização de Porto Alegre. Porto Alegre: EVANGRAF, 2015.

JACOBI, Pedro Roberto; FRACALANZA, Ana Paula. Comitês de bacias hidrográficas no Brasil: desafios de fortalecimento da gestão compartilhada e participativa. Desenvolvimento e Meio Ambiente, Curitiba, n. 11-12, p. 41-49, jan./dez. 2005.

LEFF, Enrique. Racionalidade ambiental: a apropriação social da natureza. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2006.

LOPES, José Sérgio. Sobre processos de “ambientalização” dos conflitos e sobre os dilemas da participação. In: ECKERT, Cornelia; ROCHA, Ana Luiza Carvalho da; CARVALHO, Isabel Cristina de Moura (Org.). Horizontes Antropológicos. Ano 12, n. 25. Porto Alegre: PPGAS/UFRGS, 2006.

LUTZENBERGER, José. Ecologia como ciência da sobrevivência. In: RIO GRANDE DO SUL. Poluição e desenvolvimento. Porto Alegre: Assembleia Legislativa do Estado do Rio Grande do Sul, 1972. p. 41-42.

MACHADO, Janete da Rocha. História da via férrea na Zona Sul de Porto Alegre. Oficina do Historiador, Porto Alegre, v. 1, n. 1, p. 78-91, jun. 2010.

MATÉS-BARCO, Juan Manuel. La Conquista del agua. Historia económica del abastecimiento urbano.Jáen: Universidad de Jáen, 1999.

PEREIRA, Elenita Malta. Roessler – o homem que amava a natureza. São Leopoldo: OIKOS, 2013.

PEREIRA, Elenita Malta. A ética do convívio ecossustentável: uma biografia de José Lutzenberger. 2016. Tese (Doutorado em História) – Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Programa de Pós-Graduação em História, Porto Alegre, 2016. Disponível em: <http://hdl.handle.net/10183/140281> Acesso em: 05 jan. 2017.

PINTO, Leila; MOHR, Udo. Guaíba Vive. Porto Alegre: Prefeitura Municipal de Porto Alegre, 1989.

PRADO, Daniel Porciuncula. A figueira e o machado: uma história das raízes do ambientalismo no Sul do Brasil e a crítica ambiental de Henrique Roessler. Coleção Pensar a História Sul-Rio-Grandense, 49. Rio Grande: FURG, 2011.

PRESTES, Antônio João Dias. O rio se renova, permitindo que os erros do passado sejam corrigidos. Estado e sociedade nas iniciativas para recuperação ambiental do Guaíba (1979-2004). 2012. Dissertação (Mestrado em História) – Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Programa de Pós-Graduação em História, Porto Alegre, 2012. Disponível em: <http://hdl.handle.net/10183/61185>. Acesso em: 13 ago. 2016.

PRESTES, Antônio João Dias. Uma iniciativa para recuperação ambiental em espaços urbanos: o programa “Guaíba Vive”, Porto Alegre, 1989-2004. Revista Latino-Americana de História, São Leopoldo, v. 2, n. 8, p. 94-114, 2013. Disponível: <http://projeto.unisinos.br/rla/index.php/rla/article/view/140/276>. Acesso em: 07 ago. 2016.

RECHENBERG, Fernanda. “Vamofalá do nosso Lami”: estudo antropológico sobre memória coletiva, cotidiano e meio ambiente no bairro Lami, Porto Alegre. 2007. Dissertação (Mestrado em Antropologia Social) – Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Programa de Pós-Graduação em Antropologia, Porto Alegre, 2007. Disponível em: <http://hdl.handle.net/10183/11256>. Acesso em: 2 maio 2016.

RIO GRANDE DO SUL. Poluição e desenvolvimento. Porto Alegre: Assembleia Legislativa do Estado do Rio Grande do Sul, 1972.

RÜCKERT, Fabiano Quadros. História e memória do ambientalismo no Vale do Rio dos Sinos. 2007. Dissertação (Mestrado em História) – Universidade do Vale do Rio dos Sinos, Programa de Pós-Graduação em História, São Leopoldo, 2007. Disponível em:<http://bdtd.unisinos.br/tde_arquivos/8/TDE-2008-02-12T134328Z-424/Publico/his toria%20e%20memoria.pdf>. Acesso em: 12 mar. 2015.

RÜCKERT, Fabiano Quadros. Os médicos e a higiene pública na imprensa do Rio Grande do Sul: entre a teoria dos miasmas e a teoria da transmissão hídrica das doenças. História Unicap, Recife, v. 1, n. 1, p. 74-90, jan./jul. 2014.

RÜCKERT, Fabiano Quadros. O saneamento e a politização da higiene no Rio Grande do Sul (1828-1930). Tese (Doutorado em História) – Universidade do Vale do Rio dos Sinos, Programa de Pós-Graduação em História, São Leopoldo, 2015. Disponível em: <http://www.repositorio.jesuita.org.br/bitstream/handle/UNISINOS/4990/Fabiano%20Quadro%20R%C3%BCckert_.pdf?sequence=1&isAllowed=y>. Acesso em: 04 fev. 2016.

SAINT’HILAIRE, Auguste de. Viagem ao Rio Grande do Sul. Porto Alegre: Martins Livreiro, 2002.

SECRETARIA DA COORDENAÇÃO E PLANEJAMENTO DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL. Baía de todas as águas: preservação e gerenciamento ambiental na Bacia Hidrográfica do Guaíba. Porto Alegre: Secretaria Executiva do Pró-Guaíba, 1998.

SNOW, John. Sobre a maneira de transmissão do Cólera. São Paulo/Rio de Janeiro: HUCITEC/Abrasco, 1999.

TOCCHETTO, Fernanda B. Fica dentro ou joga fora. Sobre práticas cotidianas na Porto Alegre moderna oitocentista. São Leopoldo: OIKOS, 2010.

VEIGA, José Eli da. Desenvolvimento Sustentável: o desafio do século XXI. Rio de Janeiro: Garamond, 2006.

WITTER, Nikelen Acosta. Males e Epidemias: sofredores, governantes e curadores no sul do Brasil (Rio Grande do Sul, século XIX). 2007. Tese (Doutorado em História) – Universidade Federal Fluminense, Instituto de Ciências Humanas e Filosofia, Programa de Pós-Graduação em História, Niterói, 2007. Disponível em: <http://www.historia.uff.br/stricto/teses/Tese-2007_WITTER_Nikelen-S.pdf>. Acesso em: 12 maio 2014.

Publicado
14-11-2017
Seção
TEMÁTICA LIVRE/FREE SUBJECT - ARTIGOS/ARTICLES