Uma cidade e a utopia autoritária

  • Izaias de Souza Freire Universidade do Estado de Santa Catarina (UDESC). Secretaria de Educação do Estado de Santa Catarina (SEDESC)
Palavras-chave: Joinville, Cultura política, Cidade, Autoritarismo.

Resumo

Durante o regime militar, uma cidade no Sul do Brasil foi exemplar para a utopia autoritária. Em Joinville, próspero polo industrial de Santa Catarina, a cultura política local que difundiu uma imagem de cidade sem conflitos, em que o progresso harmonizava as relações sociais, encontrou ressonância no ideal do regime de 1964. Os indícios encontrados na investigação que originou o presente artigo buscam dar visibilidade à identificação que havia entre fileiras militares e o “espírito da cidade”. Foram pesquisadas fontes de jornais impressos e acervo fotográfico no arquivo público da cidade.

Biografia do Autor

Izaias de Souza Freire, Universidade do Estado de Santa Catarina (UDESC). Secretaria de Educação do Estado de Santa Catarina (SEDESC)

Mestre em História pela Universidade do Estado de Santa Catarina (UDESC). Professor da Secretaria de Educação do Estado de Santa Catarina (SEDESC). Tem experiência na área de História, com ênfase em História do Tempo Presente e linguagens e identificações.

Referências

Fontes primárias

ARQUIVO HISTÓRICO DE JOINVILLE. Jornais. Geisel inaugura o Centro Social Urbano no Itaum. A Notícia, 2º Caderno, Joinville, 20 out. 1978, p. 1.

ARQUIVO HISTÓRICO DE JOINVILLE. Fotografias. Presidentes da República em Joinville.

ARQUIVO HISTÓRICO DE JOINVILLE. Periódicos. Correio da Tupy, Joinville, jul. 1963, p. 4-5.

ARQUIVO HISTÓRICO DE JOINVILLE. Periódicos. Correio da Tupy, Joinville, Dez. 1963, p. 23.

ARQUIVO HISTÓRICO DE JOINVILLE. Periódicos. Correio da Tupy, Joinville, Jun. 1968, p. 5.

Fontes secundárias

AVRITZER, Leonardo. Cultura política, atores sociais e democratização: uma crítica às teorias da transição para a democracia. Revista Brasileira de Ciências Sociais, São Paulo, v. 10, n. 28, 1995.

BERSTEIN, Serge. A Cultura Política. In: RIOUX, Jean-Pierre; SIRINELLI, Jean-François (Org.). Para uma História Cultural. Lisboa: Estampa, 1998.

BRASIL. Relatório: Comissão Nacional da Verdade. vol. II. Brasília: CNV, 2014.

CALVINO, Ítalo. As cidades invisíveis. São Paulo: Companhia das letras, 1990.

CANDAU, Joël. Memória e identidade. São Paulo: Contexto, 2014.

CORRÊA, Roseana Maria; ROSA, Terezinha Fernandes (Coord.). História dos bairros de Joinville (Arquivo Histórico de Joinville). Joinville: Seigraph, 1992.

COSTA, Iara Andrade Costa. A cidade da ordem: tensões sociais e controle (Joinville 1917-1943). 1996. Dissertação (Mestrado em História) – Universidade Federal do Paraná, Programa de Pós-Graduação de História, Curitiba, 1996.

FICO, Carlos. Reinventando o otimismo: ditadura, propaganda e imaginário social no Brasil. Rio de Janeiro: FGV, 1997.

FREIRE, Izaias de Souza. Ecos de democratização: uma análise das vozes do processo de transição do regime militar em Joinville. 2015. Dissertação (Mestrado em História) – Universidade do Estado de Santa Catarina, Programa de Pós-graduação em História, Joinville, 2015.

FREIRE, Izaias de Souza. Cultura política autoritária e democratização: a Manchester à sombra da ditadura. Curitiba: Editora Prismas, 2017.

GASPARI, Elio. A Ditadura Acabada. Rio de Janeiro: Editora Intrínsica Ltda, 2016.

GINZBURG, Carlo. “Sinais: raízes de um paradigma indiciário”. In: Mitos, emblemas, sinais: Morfologia e História. 1ª reimpressão. São Paulo: Companhia das Letras, 1990.

TERNES, Apolinário. A Estratégia da Confiança. Joinville: S. ed., 1988.

TERNES, Apolinário. Tempos modernos: a presença de italianos em Joinville, 1973-2008. Joinville: Editora Univille, 2010.

RICOEUR, Paul. A memória, a história, o esquecimento. Campinas: Editora Unicamp, 2007.

Publicado
14-11-2017
Seção
TEMÁTICA LIVRE/FREE SUBJECT - ARTIGOS/ARTICLES