APONTAMENTOS ACERCA DO MATRICIAMENTO COMO PROCESSO DE TRABALHO NA ATENÇÃO PRIMÁRIA À SAÚDE: UM RECORTE DA EXPERIÊNCIA DE MONTES CLAROS - MG

Robson Matos, Gisele Martins Santos, Rodrigo Batista da Rocha, Andrea Maria Guisoli Mendonça

Resumo


A Atenção Primária à Saúde pode ser compreendida como espaço fundamental para instituir ações de reabilitação psicossocial de base territorial. Nesse sentido, o presente estudo objetiva fazer uma análise crítica sobre o processo de implementação de Apoio Matricial em saúde mental em um território composto de três Estratégias Saúde da Família na cidade de Montes Claros-MG. Trata-se de uma pesquisa de abordagem qualitativa, visando descrever, compreender e explicar o Apoio Matricial como estratégia de cuidado na Atenção Primária e o impacto causado no processo de trabalho dessas equipes. Para coleta de dados, foram realizadas 22 (vinte e duas) entrevistas semiestruturadas com profissionais que atuam nas unidades como matriciando e matriciadores, sendo as entrevistas audiogravadas com posterior transcrição e sua discussão separadas em categorias de análise que tomaram como referência os núcleos de interesse contidos nas perguntas norteadoras. Foi utilizada a análise de conteúdo e também a técnica de observação participante pelos pesquisadores. Os resultados denotam que a implementação do Apoio Matricial teve efeitos positivos e possibilita vislumbrar uma possível ressignificação dos processos de trabalhos das equipes em questão, bem como uma necessária ampliação do debate sobre o tema.


Palavras-chave


Atenção Primária à Saúde; Saúde mental; Apoio Matricial

Texto completo:

PDF

Referências


BONFIM, Iris Guilherme; et al. Apoio Matricial em Saúde Mental na Atenção Primária à Saúde: uma análise da produção científica e documental. Interface-Comunicação, Saúde, Educação, v. 17(45), p. 287-300, 2013.

BEZERRA, Edilane; DIMENSTEIN, Magda. Os CAPS e o trabalho em rede: tecendo o apoio matricial na atenção básica. Psicologia Ciência e Profissão , Brasília , v. 28, n. 3, p. 632-645, 2008. Disponível em Acessado em 22 de janeiro de 2017.

BORNSTEIN, Vera Joana, STOTZ, Eduardo Navarro. Concepções que integram a formação e o processo de trabalho dos agentes comunitários de saúde: uma revisão de literatura. Ciência Saúde Coletiva. v.13(1):, p. 259-68, 2008.

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. Política Nacional de Atenção Básica, 2012.

_______. Ministério da Saúde. Secretária de Atenção à Saúde Departamento de Atenção Básica. O trabalho do agente comunitário de saúde. Brasília: Ministério da Saúde, 2009.

_______. Ministério da Saúde; Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de atenção básica. Programa de Saúde da Família. Brasília, Ministério da Saúde, 2001.

_______. Ministério da Saúde. Portaria GM nº 336, de 19 de fevereiro de 2002. Brasília, 20 fev 2002.

CAMPOS, Gastão Wagner de Sousa. Equipes de referência e apoio especializado matricial: um ensaio sobre a reorganização do trabalho em saúde. Ciência e Saúde Coletiva, Rio de Janeiro, v. 4, n. 2, p. 393-403, 1999.

GAMA, Carlos Alberto Pegolo da; CAMPOS, Rosana Onocko. Saúde mental na Atenção Primária – Uma pesquisa bibliográfica exploratória e periódicos de saúde coletiva (1997-2007). Cadernos Brasileiros de saúde mental – V. 1 (2), 2009.

CASTRO, Cristiane Pereira de & CAMPOS, Gastão Wagner de Sousa. Apoio Matricial como articulador das relações interprofissionais entre serviços especializados e atenção primária à saúde. Physis: Revista de Saúde Coletiva, v. 26(2), 2016.

CHIAVAGATTI, F. G. et al. Articulação entre Centros de Atenção Psicossocial e Serviços de Atenção Básica de Saúde. In: ACTA Paul Enfermagem. v. 25(1), p.11-17, 2012.

CHIAVERINI, Dulce Helena, GONÇALVES, Daniel Almeida, BALLESTER, Dinarte, TÓFOLI, Luis Fernando., CHAZAN, Luiz Fernando; ALMEIDA, Naly; FORTES, Ssandra. Guia prático de matriciamento em saúde mental. Brasília: Ministério da Saúde, Centro de Estudos e Pesquisa em Saúde Coletiva, 2011.

DIMENSTEIN, Magda; GALVÃO, Vanessa Medeiros; SEVERO, Ana Kalliny de Sousa. O Apoio Matricial na perspectiva de coordenadoras de Equipes de Saúde da Família. Pesquisa e Prática Psicossocial., v.4, n.1, p.37-48, 2009b.

DOMITTI, Ana Carla Pereira & CAMPOS, Gastão Wagner de Sousa. Um possível diálogo com a teoria a partir das práticas de apoio especializado matricial na atenção básica de saúde. Campinas: Universidade Estadual de Campinas: Departamento de Medicina Preventiva e Social, FCM/Unicamp. 2016.

GALVAN, Gabriela Bruno. Equipes de Saúde: o desafio da integração multidisciplinar. Rev. SBPH v.10 n.2. Rio de Janeiro, 2007.

JORGE, Maria Salete Bessa; SOUSA, Fernando Sergio Pereira; FRANCO, Tulio Batista. Apoio matricial: dispositivo para resolução de casos clínicos de saúde mental na Atenção Primária à Saúde. Revista Brasileira de Enfermagem, 2013.

MACHADO, Dana Karine de Sousa; CAMATTA, Marcio Wagner. Apoio matricial como ferramenta de articulação entre a Saúde Mental e a Atenção Primária à Saúde. Cadernos de Saúde Coletiva, Rio de Janeiro , v. 21, n. 2, jun. 2013.

MENDONÇA. Andrea Maria Guisoli. Reforma Psiquiátrica em Montes Claros: Perspectiva Histórica. Programa de Pós- Graduação em Desenvolvimento Social. Montes Claros, Minas Gerais. Dissertação de Mestrado,2009.

PIRES, Denise Elvira. Divisão técnica do trabalho em saúde [online]. 2009. Disponível em http://www.sites.epsjv.fiocruz.br/dicionario/verbetes/divtectrasau.html. Acessado em 26 de janeiro de 2017.

PRATA, Nina Isabel Soalheiro dos Santos; et al. Saúde mental e atenção básica: território, violência e o desafio das abordagens psicossociais. Trabalho Educação e Saúde [online]. ISSN 1678-1007.

http://dx.doi.org/10.1590/1981-7746-sol00046. Acessado em 28 de janeiro 2017.

QUINDERE, Paulo Henrique Dias; et al . Acessibilidade e resolubilidade da assistência em saúde mental: a experiência do apoio matricial. Ciênc. saúde coletiva, 2013.

RODRIGUES, Euzilene da Silva & MOREIRA, Maria Inês Badaró. A interlocução da saúde mental com atenção básica no município de Vitoria/ES. Saúde e Sociedade [online]., vol.21, n.3, pp.599-611, 2012. ISSN 0104-1290. http://dx.doi.org/10.1590/S0104-12902012000300007. Acessado em 31 de janeiro de 2017.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2018 Pretextos - Revista da Graduação em Psicologia da PUC Minas

Compartilhar no Facebook



Licença Creative CommonsEsta obra está protegida com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.
Esta obra está bajo una Licencia Creative Commons Reconocimiento 4.0 Internacional.
This work is licensed under a Creative Commons Attribution 4.0 International License.