OFICINAS TERAPÊUTICAS COMO ESTRATÉGIA PARA REINSERÇÃO PSICOSSOCIAL E PRODUÇÃO DE VÍNCULO

Janiele Daniane da Silva Dias

Resumo


O presente trabalho busca salientar a relevância das oficinas terapêuticas como estratégia para a reinserção psicossocial e produção de vínculo a partir da experiência vivenciada durante o Estágio Supervisionado I em Saúde Mental na Faculdade de Estudos Administrativos de Minas Gerais - FEAD. Tal prática realizada num Centro de Convivência (CCV) da região norte de Belo Horizonte/MG foi documentada em formato de diário de campo e em conjunto com uma pesquisa teórica acerca das oficinas terapêuticas deram embasamento para esta produção. Como resultado, nota-se que as oficinas terapêuticas quando aplicadas à saúde mental atuam como estratégia clínica e política no processo de desinstitucionalização da loucura e reinserção psicossocial da pessoa em sofrimento mental, além de permitir o enlaçamento do sujeito psicótico ao liame social através da construção do vínculo. Porém, ainda é evidente a necessidade de um trabalho constante para a desmistificação do louco na atual sociedade e consequentemente mais produções acadêmicas que contemplem as oficinas terapêuticas enquanto dispositivo que influencia fortemente o processo de desconstrução da loucura enquanto sinônimo de periculosidade.


Palavras-chave


Oficinas Terapêuticas; Reinserção psicossocial; Vínculo; Reforma psiquiátrica; Centro de convivência

Texto completo:

PDF

Referências


AMARANTE, P. Saúde Mental e Atenção Psicossocial. Rio de Janeiro: Editora Fiocruz; 2007. p. 159.

BELO HORIZONTE, Prefeitura Municipal. BH tem Serviço de Urgência Psiquiátrica. Disponível em https://prefeitura.pbh.gov.br/noticias/bh-tem-servico-de-urgencia-psiquiatrica. Acesso em 13 de dezembro de 2017.

BRASIL. Ministério da Saúde. Portaria n° 396, de 08 de julho de 2005. Disponível em http://dtr2001.saude.gov.br/sas/PORTARIAS/Port2005/PT-396.htm. Acesso em 28/02/2017.

FIRMINO, H. 1982. Nos porões da loucura. Rio de Janeiro, Codecri.

FOUCAULT, M. (1975). Doença mental e psicologia. Rio de janeiro: Tempo Brasileiro.

FOUCAULT, M. Microfísica do poder. Tradução de Roberto Machado. 8ª ed. Rio de Janeiro: Graal, 1989, pp. 179/191.

GRECO, M. G. Oficina: uma Questão de Lugar? In Oficinas Terapêuticas em Saúde Mental - Sujeito, Produção e Cidadania. Rio de Janeiro: Contracapa, 2004.

GUERRA, A. M. C. Oficinas em Saúde Mental: Percurso de uma História, Fundamentos de uma Prática. In Oficinas Terapêuticas em Saúde Mental - Sujeito, Produção e Cidadania. Rio de Janeiro: Contracapa, 2004.

LACAN, J. (1969-70/1992). “Para além do complexo de Édipo”. In: O Seminário Livro XVII: O avesso da psicanálise. Texto estabelecido por

Jacques Alain-Miller; versão brasileira de Ari Roitman, consultor Antônio

Quinet. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 1992, p. 81-134.

______________ (1969-70/1992). “A produção dos quatro discursos”. In: O Seminário Livro XVII: O avesso da psicanálise. Texto estabelecido por Jacques Alain-Miller; versão brasileira de Ari Roitman, consultor Antônio Quinet. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 1992, p. 09-26.

______________ (1987). Da psicose paranóica em suas relações com a personalidade (1932). Rio de Janeiro: Forense-universitária.

______________ (1955-56/1988). “O Outro na psicose”. In: O Seminário Livro III: (1955-56). Texto estabelecido por Jacques Alain-Miller; versão brasileira de Aluísio Menezes. 2ª ed. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 1988, p. 39-54.

MACHADO, R. M. 1978. A danação da norma. Graal.

MILLER, J. A. A. (2003). “Um esforço de poesia.” Orientação Lacaniana III. 5, março 2003, p.01-08

PASSOS, I. C. F. 2009. Loucura e Sociedade: Discursos, práticas e significações sociais. Belo Horizonte, Argvmentvm Editora.

QUINET, A. Psicose e laço social: esquizofrenia, paranóia e melancolia. 2.ed. – Rio de Janeiro: Jorge Zahar. Ed., 2009.

___________, A. Teoria e clínica da psicose. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2006. 3.ed.

RANGEL, FC. O manejo das oficinas terapêuticas em saúde mental. Rio de Janeiro. Dissertação de mestrado, defendida no Instituto de Psiquiatria – IPUB, Universidade Federal do Rio de Janeiro em nov /2006.

RAUTER, C. (1997). Subjetividade, arte & clínica. In A. Lancetti (Org.), Saúde loucura (Vol. 6, pp. 109-119). São Paulo: Hucitec.

RAUTER, C. (2000). Oficinas para quê? Uma proposta ético-estético-política para oficinas terapêuticas. In P. Amarante (Org.), Ensaios: Subjetividade, saúde mental, sociedade (pp. 267-277). Rio de Janeiro: Fiocruz

RESENDE, H. 2007. Política de saúde mental no Brasil: uma visão histórica. In: TUNDIS, S.; COSTA, N. (Orgs.). Cidadania e Loucura: Políticas de Saúde Mental no Brasil. Petrópolis, Ed. Vozes.

RIBEIRO, R. C. F. Oficinas e redes sociais na reabilitação psicossocial. In C. M. Costa & A. C. Figueiredo (Orgs.), Oficinas terapêuticas em saúde mental: Sujeito, produção e cidadania (pp. 105-116). Rio de Janeiro: Contra Capa, 2004.

ROCHA, A. (1997). Experiência da toca. In A. Lancetti (Org.), Saúde loucura (Vol. 6, pp. 135-142). São Paulo: Hucitec.

ROTELLI, F.; LEONARDIS, O.; MAURI, D. Desinstitucionalização- uma outra via. In: NICÁCIO, F. (Org.) Desinstitucionalização. São Paulo: Ed. Hucitec, 1990, p.17-59.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2018 Pretextos - Revista da Graduação em Psicologia da PUC Minas

Compartilhar no Facebook



Licença Creative CommonsEsta obra está protegida com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.
Esta obra está bajo una Licencia Creative Commons Reconocimiento 4.0 Internacional.
This work is licensed under a Creative Commons Attribution 4.0 International License.