FORMAÇÃO EM PSICOLOGIA E DIVERSIDADE SEXUAL: ATRAVESSAMENTOS E REFLEXÕES SOBRE IDENTIDADE DE GÊNERO E ORIENTAÇÃO SEXUAL

Maria Madalena Silva de Assunção, Laís Ribeiro da Silva

Resumo


O presente estudo buscou compreender se os estudantes concluintes do curso de Psicologia se sentem aptos a atender as demandas profissionais que permeiam a diversidade sexual. Na atualidade, mídias como TV, revista, jornal e Internet, diariamente, divulgam manchetes abordando questões sobre a sexualidade, tais como contracepção, as DST, erotização, diversidade de gênero, violência, entre outros. No que tange à diversidade sexual, as pautas voltadas para homossexualidade e identidade de gênero atravessam contextos sociais e políticos. O tema sobre formação acadêmica e diversidade sexual torna-se mais urgente, diante de sua crescente visibilidade, graças aos relatos de agressão, violação de direitos, preconceito e discriminação. Para o desenvolvimento desta pesquisa realizou-se uma revisão bibliográfica discutindo aspectos referentes à formação acadêmica, sexualidade humana e diversidade sexual. Para a coleta de dados, foram feitas entrevistas com doze alunas(os) do 10º período do curso de Psicologia. Percebeu-se nas falas das(os) participantes um baixo investimento pessoal e baixa compreensão do tema da diversidade sexual, assim como uma responsabilização apenas da universidade pela sensação de despreparo na atuação profissional com o segmento LGBT[1]. Observa-se que reconhecer as lacunas, limitações e dificuldades encontradas na formação do psicólogo subsidia a busca pela melhoria da atuação profissional, bem como permite refletir quais pontos, para além da culpabilização das instituições, são destacados nas avaliações dos entrevistados sobre a formação acadêmica. Entende-se, também, que as informações sobre os diferentes temas referentes à comunidade LGBT, de cunho político e social, são questões que transcendem a formação acadêmica e os muros da universidade, necessitando ainda de investimento em políticas públicas direcionadas a esse grupo e do interesse das(os) alunas(os) por um maior conhecimento, compreensão e proximidade com a temática LGBT.

[1] Atualmente tem-se utilizado também a sigla LGBTQIA (Lésbicas, Gays, Bissexuais, Travestis, Transexuais, Transgêneros, Queers, Intersexuais e Assexuais) ou a sigla LGBT+.

 


Palavras-chave


Sexualidade; LGBT; Formação em Psicologia

Texto completo:

PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2018 Pretextos - Revista da Graduação em Psicologia da PUC Minas

Compartilhar no Facebook



Licença Creative CommonsEsta obra está protegida com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.
Esta obra está bajo una Licencia Creative Commons Reconocimiento 4.0 Internacional.
This work is licensed under a Creative Commons Attribution 4.0 International License.