GESTÃO DE UM DIRETÓRIO ACADÊMICO: UM OLHAR SOBRE AS ORGANIZAÇÕES DO MOVIMENTO ESTUDANTIL A PARTIR DA PSICOLOGIA DO TRABALHO E DAS ORGANIZAÇÕES

Joao Cesar Freitas Fonseca, Cristhian Higor de Paula Costa, João Victor Almeida Pimenta, Igor Alves Benedito

Resumo


O artigo aborda a gestão de um Diretório Acadêmico (DA) em uma instituição privada de ensino superior, a partir da perspectiva dos atores sociais vinculados diretamente a essa organização: os alunos-gestores. Tem como objetivo central promover a reflexão em torno da experiência de gestão de uma organização estudantil, contribuindo para o avanço no conhecimento sobre o assunto, considerado pouco explorado na literatura científica. Recorre a autores de diferentes áreas do conhecimento para analisar o movimento estudantil, entendido como categoria fundamental para a compreensão do processo de trabalho analisado. O referencial teórico-metodológico utilizado é o da Psicologia do Trabalho e das Organizações (PTO), privilegiando as abordagens mais críticas dessa subárea da Psicologia. Como instrumentos de investigação, são privilegiados a pesquisa bibliográfica e o uso de entrevistas semiestruturadas com sujeitos que tiveram experiência com a temática. Os dados foram analisados pelo método de análise de conteúdo. Os resultados obtidos reafirmam a complexidade do tema, na medida em que explicitam as contradições presentes na realidade gestionária desse tipo de organização. Além disso, oferecem evidências no sentido de reforçar a importância dessa experiência para a formação dos psicólogos, tanto na dimensão política quanto profissional. Finalmente, permitem verificar a importância do desenvolvimento dos estudos em torno desse tema, através da realização de novas pesquisas e análises de caráter multidisciplinar.


Palavras-chave


Movimento estudantil; Diretório Acadêmico; Psicologia do Trabalho e das Organizações

Texto completo:

PDF

Referências


ABRAMOVAY, Ricardo. Conselhos além dos limites. Estudos avançados, São Paulo, v. 15, n. 43, p. 121-140, dez. 2001. Disponível em: . Acesso em: 20 ago. 2015

BARROS, Amon N.; PAULA, Ana P. P. Organização social como manifestação de projetos políticos: revendo o estatuto dos movimentos sociais nos estudos organizacionais. In: Encontro da ANPAD, 32, 2008, Rio de Janeiro. Anais… Rio de Janeiro: XXXII ENANPAD, 2008, p.1-12.

BASTOS, Antônio V. B. et al. Conceito e perspectivas de estudo das organizações. In: ZANELLI, José Carlos; BORGES-ANDRADE, Jairo; BASTOS, Antônio V. B. Psicologia, organizações e trabalho no Brasil. Porto Alegre: Artmed, 2004, p. 63-90.

BASTOS, Antônio V. B.; PEIXOTO, Adriano L. Organização. In: BENDASSOLLI, Pedro; BORGES-ANDRADE, Jairo. Dicionário de psicologia do trabalho e das organizações. São Paulo: Casa do Psicólogo, 2015, p. 491-500.

BASTOS, Antônio V. B. Comprometimento organizacional: um balanço dos resultados e desafios que cercam essa tradição de pesquisa. Revista de Administração de Empresas, São Paulo, v. 33, n. 3, p. 52-64, jun. 1993.

BAUMAN, Zygmunt. Modernidade líquida. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Ed., 2001.

BENEVIDES, Silvio Cesar Oliveira. Na contramão do poder: juventude e movimento estudantil. São Paulo: Annablume, 2006.

BENTO, Antônio V.; RIBEIRO, Maria I. Análise das práticas e dos comportamentos de liderança dos alunos da Universidade de Madeira. Disponível em: . Acesso em 20 jan. 2017.

BRASIL. Lei no 7.395, de 31 de outubro de 1985. Dispõe sobre os órgãos de representação dos estudantes de nível superior e dá outras providências. Diário Oficial da União, Brasília, 31 out. 1985. Disponível em: . Acesso em 10 ago. 2016.

BRASIL. Ministério da Saúde (Ms). Conselho Nacional de Saúde; Brasil. Ministério Da Saúde (MS). Conselho Nacional de Saúde. Resolução n. 196 de 10 de outubro de 1996. Diretrizes e Normas Regulamentadoras de Pesquisas Envolvendo Seres Humanos. Diário Oficial da União, Brasília, 10 out. 1996.

BREAKWELL, Glynis FIFE-SCHAW, Chris; HAMMOND, Sean. Métodos de pesquisa em psicologia. Porto Alegre: Artmed, 2010.

CARDOSO, Paulo André; AMORIM, Maria Cristina S. Traços, comportamentos e contextos: desenvolvimento de líderes em ONG, a “experiência SIFE” no Centro Universitário do Pará. Revista de Carreiras e Pessoas, São Paulo, v.1, n.1, p. 90-111, mai./ jun./ jul./ ago. 2011. Disponível em: . Acesso em: 30 fev. 2017.

CARNEIRO, Maíra Poleto; BEHR, Ricardo Roberto. Juventude e movimento estudantil: o trabalho precário dos estudantes-bolsistas da UFES. EccoS Revista Científica, São Paulo, n. 29, p. 171-198, set./ dez. 2012. Disponível em: . Acesso em 24 jan. 2017.

CARRIERI, Alexandre; PAULA, Ana Paula Paes; DAVEL, Eduardo. Identidade nas Organizações: múltipla? fluida? autônoma?. Organizações & Sociedade, Salvador, v. 15, n. 45, p. 127-144, abr./ jun. 2008.

CHAUÍ, Marilena. A universidade pública sob nova perspectiva. Revista Brasileira de Educação, Rio de Janeiro, v. 24, p. 5-15, set./ dez. 2003.

FERRARO, Karina Perin. Movimento estudantil, gestão democrática e autonomia na universidade. 2011, 209 p. Dissertação (Mestrado em Educação) – Universidade Estadual Paulista, Programa de Pós-graduação em Educação, Marília.

FONSECA, João César de F. Psicologia do trabalho e psicologia organizacional: diálogos possíveis. In: RAJÃO, N.; NEBENZAHL, L; FERREIRA, D. Psicologia: integrando o trabalho, o social e as organizações. Belo Horizonte: Conselho Regional de Psicologia de Minas Gerais, 2010, p. 9-22.

FORACCHI, Marialice. O estudante e a transformação da sociedade brasileira. São Paulo: Editora Nacional, 1965.

GONDIM, Sônia Maria Guedes; PEREIRA, Marcos Emanoel. Métodos de pesquisa em Psicologia do Trabalho e das Organizações. In: BENDASSOLLI, Pedro; BORGES-ANDRADE, Jairo Eduardo. Dicionário de psicologia do trabalho e das organizações. São Paulo: Casa do Psicólogo, 2015, p. 433-443.

GROPPO, Luis A.; ZAIDAN FILHO, Michel; MACHADO, Otávio L. (Orgs.). Movimentos juvenis na contemporaneidade. Recife: Ed. Universitária da UFPE, 2008.

GUERRA, Isabel Carvalho. Pesquisa qualitativa e análise de conteúdo: sentidos e formas de uso. Rio de Janeiro: Lucerna, 2006.

HELOANI, José Roberto Montes. Psicologia do trabalho ou do capital? Eis a questão. Revista de Psicologia Política, São Paulo, v. 5, n. 10, p. 297-312, 2005.

JAPIASSÚ, Hilton. O mito da neutralidade científica. Rio de Janeiro: Imago, 1975

KAPLAN, Robert S. Strategic performance measurement and management in nonprofit organizations. Nonprofit management and Leadership, Medford, v. 11, n. 3, p. 353-370, 2001. Disponível em: . Acesso em: 15 jun. 2015.

KRUSCHEWSKY, Camile Serafim; MEDRADO, Ivan Gomes. A influência recíproca entre partidos políticos e movimentos estudantis. Revista Paraná Eleitoral, Curitiba, v. 1, n. 71, p. 1-4, 2009.

LAUERMANN, Jusiene Denise; OLIVEIRA, Alessandra; ARAUJO, Anelise. Planejamento estratégico: importante instrumento de gestão para um diretório acadêmico. Santa Maria (RS), 2012. Disponível em: . Acesso em: 15 jun. 2015.

LEWIS, David. The management of non-governmental development organizations: an introduction. London: Routledge, 2001. Disponível em: . Acesso em: 07 mai. 2015.

MEDEIROS, Carlos Alberto F. et al. Comprometimento organizacional: o estado da arte da pesquisa no Brasil. Revista de Administração Contemporânea, Curitiba, v.7, n.4, p.187-209, out./ dez. 2003. Disponível em: . Acesso em: 23 jan. 2016.

MELO, Cristina Maria M. de; PIRES, Cidia Daniela de O. Gênese do movimento estudantil na escola de enfermagem da Universidade Federal da Bahia (1947-1959). Escola Anna Nery Revista Enfermagem, Rio de Janeiro, v. 12, n. 3, p. 437-443, set. 2008.

MESQUITA, Marcos Ribeiro. Juventude e movimento estudantil: o “velho” e o “novo” na militância. 2001. 189f. Dissertação (Mestrado em Sociologia Política) – Universidade Federal de Santa Catarina, Programa de Pós-Graduação em Sociologia Política, Florianópolis.

MIGUEL, Luís Felipe. Impasses da accountability: dilemas e alternativas da representação política. Revista de Sociologia e Política, Curitiba, v. 25, p. 25-38, 2005. Disponível em . Acesso em: 14 jun. 2017.

MORTADA, Samir Pérez. Formação do Psicólogo: experiências de militantes estudantis. Psicologia, Ciência e Profissão, São Paulo, v. 25, n. 3, p. 414-433, nov. 2005.

MOTA, Nomaston Rodrigues; CKAGNAZAROFF, Ivan Beck; AMARAL, Hudson Fernandes. Governança Corporativa: estudo de caso de uma Organização Não Governamental. Cadernos Gestão Social, Salvador, v. 1, n. 1, p. 1-16, set./ dez. 2007.

SANTOS, Jordana de Souza. Unidade e Diversidade no Movimento Estudantil: a heterogeneidade das esquerdas dentro da UNE (1964-1974). 2006. 89f. Monografia (Conclusão do curso) – Universidade Estadual Paulista, Faculdade de Filosofia e Ciências, Marília.

SIMÃO, Caio Ragazzi Pauli. O movimento estudantil na produção acadêmica no campo da educação: uma lacuna a ser preenchida? 2015. 166f. Dissertação (Mestrado) – Programa de Pós-graduação em Educação, do Centro de Ciências da Educação, Universidade Federal de Santa Catarina.

VIDAL, Pau; VALLS, Núria; GRABULOSA, Laia. Values as a distinguishing elemento in Nonprofit Organizations. Barcelona: Observatorio del Tercer Sector, 2008. Disponível em: . Acesso em: 15 jun. 2015.

YOUNG, Iris Marion. Representação política, identidade e minorias. Lua Nova, São Paulo, v. 67, p. 139-190, 2006. Disponível em: . Acesso em: 14 jun. 2015.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2018 Pretextos - Revista da Graduação em Psicologia da PUC Minas

Compartilhar no Facebook



Licença Creative CommonsEsta obra está protegida com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.
Esta obra está bajo una Licencia Creative Commons Reconocimiento 4.0 Internacional.
This work is licensed under a Creative Commons Attribution 4.0 International License.