A INFLUÊNCIA DOS ARGENTINOS DO GRUPO PLATAFORMA NA REFORMA PSIQUIÁTRICA BRASILEIRA

Henrique Galhano Balieiro, Renata Dumont Flecha

Resumo


O presente trabalho tem como objetivo principal revisitar o percurso histórico do movimento da Luta Antimani-comial, destacando a influência dos profissionais emigrantes argentinos do Grupo Plataforma no processo da reforma psiquiátrica brasileira. Esse movimento, que sucede o Movimento dos Trabalhadores de Saúde Mental, com enfoque nos relatos de Gregorio Baremblitt, em entrevista exclusiva que trazem reflexões importantes sobre o tema.

Palavras-chave


Reforma Psiquiátrica; Movimentos Sociais; Saúde Mental; Gregorio Baremblitt; Migração

Texto completo:

PDF

Referências


AMARANTE, P. Asilados, alienados, alienistas: uma pequena história da psiquiátrica no Brasil. In Amarante P. (org.) Psiquiatria social e reforma psiquiátrica. 1. ed. Rio de Janeiro: FIOCRUZ, 1994, p.73-84.

AMARANTE, P. Loucos pela vida: a trajetória da reforma psiquiátrica no Brasil. 4. ed. Rio de Janeiro: FIOCRUZ, 1998.

BAREMBLITT, G. Ato psicanalítico e ato político. 1. ed. Belo Horizonte:Segrac, 1987.

BAREMBLITT, G. Entrevista. Entrevista Gregorio Baremblitt, jun. 2016. Entrevista concedida a Henrique Galhano Balieiro.

BASAGLIA, F; BASAGLIA, F. O. Folia/delirio. In BASAGLIA F.O. (Org.) Franco Basaglia Scritti II 1968-1980: Dall'apertura del manicomio alla nuova legge sull'assistenza psichiatrica. Torino (Itália): Giulio Einaudi, 1982. p.411-444.

CARDOSO, I. A geração dos anos de 1960: o peso de uma herança. Tempo Sociologico. v.17, n.2, p. 93-107,2005. Disponível em: http://dx.doi.org/10.1590/S0103-0702005000200005 Acesso em 10 nov. 2015.

DAGFAL, A. A. O ingresso da psicanálise no sistema de saúde pública na Argentina. Psicol. estud., v.14,n.3, p.433-438, 2009. Disponível em http://dx.doi.org/10.1590/S1413-73722009000300003 Acesso em 08 Abril 2016.

FOUCAULT, M. História da Loucura na Idade Clássica. São Paulo: Ed. Perspectiva ,1972.

HUR, D. U. Trajetórias de um pensador nômade: Gregório Baremblitt. Estudos e Pesquisas em Psicologia, v.14 (3), p.1021-1038, 2014.

KESSELMAN, H. Plataforma Internacional: psicanálise e anti-imperialismo. In: LANGER, M.; BALUELO, A. (orgs) Questionamos a Psicanálise e suas Instituições. v.2, Petrópolis:Vozes, 1973 p.246-250.

KOLTAI, C. Algumas considerações sobre o II Encontro Latino-Americano e VI Internacional da Rede de Alternativas à Psiquiatria, Belo Horizonte, 28.10 a 3.11.83. Rev. adm. Empres., São Paulo , v.24,n.1, p. 51-53. Disponível em http://www.scielo.br. Acesso em 19 abr. 2016.

LANGER, M.; BAULEO, A. (orgs) Questionamos a Psicanálise e suas Instituições. v.2, Buenos Aires (Argentina): Granica, 1973. p.278.

LIMA, R. S. Análise Institucional no Rio de Janeiro entre 1960 e 1990. Revista ECOS, v.2, p. 61-73, 2012.

MACHADO, R. e. al. Danação da norma: a medicina social e constituição da psiquiatria no Brasil. Rio de Janeiro: Graal, 1978.

MAIA, R. C. M.; FERNANDES, A. B. O movimento antimanicomial como agente discursivo na esfera pública política. Revista Brasileira de Ciências Sociais, v. 17, n. 48, p.158-230, 2002.

PITTA, A. M.F. Um balanço da reforma psiquiátrica brasileira: instituições, atores e políticas. Ciência e Saúde Coletiva, v.16, n.12, p.4579-4589, 2011.

RODRIGUES, H. B. Notas sobre o paradigma institucionalista:preâmbulo político-conceitual às aventuras históricas de "sócios" e "esquizos" no Rio de Janeiro. Transversões: periódico do Programa de Pós-Graduação da Esso UFRJ, v.1, n.1, p. 169-199, 1999a.

RODRIGUES H. B. C.; FERNANDES, P.J.; DUARTE, M. G. S. Breve História da Constituição do Grupo Plataforma Argentino. In: JACÓ-VILELA A. C. CLIO-PSYCHÉ HOJE - Fazeres e Dizeres PSI na História do Brasil. Rio de Janeiro: Relume Dumará, 2011.

RODRIGUES H. B. C.; FERNANDES, P.J.; DUARTE, M. G. S. Os “psicanalistas argentinos” no Rio de Janeiro. In: JACÓ-VILELA A. C, CLIO-PSYCHÉ HOJE - Fazeres e Dizeres PSI na História do Brasil. Rio de Janeiro: Relume Dumará, 2011.

SOALHEIRO, N. I. Da experiência subjetiva à prática política: a visão do usuário sobre si, sua condição, seus direitos. 2003. 189 f. Tese (Doutorado – Área de Concentração em Saúde Pública) – Escola Nacional de Saúde Pública Sergio Arouca, Fiocruz, Rio de Janeiro, 2003.

VASCONCELOS, E. M. Impasses políticos atuais do Movimento Nacional de Luta Antimanicomial (MNLA) e propostas de enfrentamento: se não nos transformamos, o risco é a fragmentação e a dispersão política. Cadernos Brasileiros de Saúde Mental, v.4, n.8, p.57-67, 2012


Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2018 Pretextos - Revista da Graduação em Psicologia da PUC Minas

Compartilhar no Facebook



Licença Creative CommonsEsta obra está protegida com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.
Esta obra está bajo una Licencia Creative Commons Reconocimiento 4.0 Internacional.
This work is licensed under a Creative Commons Attribution 4.0 International License.