OS TRANSTORNOS NEUROPSICOLÓGICOS E COGNITIVOS DA DOENÇA DE ALZHEIMER: A PSICOTERAPIA E A REABILITAÇÃO NEUROPSICOLÓGICA COMO TRATAMENTOS ALTERNATIVOS

Lorena Batista Silva, Mayra Fernanda Silva de Souza

Resumo


A doença de Alzheimer é considerada uma demência senil marcada por diversos transtornos neuropsicológicos e cognitivos decorrentes do impetuoso processo neurodegenerativo. As intervenções neuropsicológicas emergem como novas possibilidades de tratamento para o sujeito que se vê frente a inúmeras perdas em diversas capacidades cognitivas e funcionais. Nesse sentido, o presente trabalho investigou as possíveis contribuições da neuropsicologia, em especial a psicoterapia e a reabilitação neuropsicológica, para os portadores da demência do tipo Alzheimer. A fim de contemplar tal objetivo, percorreu-se o seguinte caminho: explanação dos aspectos etiológicos, disfuncionais e de incidência da doença de Alzheimer; e, a identificação das intervenções neuropsicológicas junto aos pacientes acometidos pela doença de Alzheimer. Como forma de investigação para a realização dessa pesquisa, utilizou-se o método de levantamento bibliográfico de artigos científicos, livros e revistas de diversos autores que abordam a temática que norteou este trabalho. Os resultados obtidos constataram que as intervenções em neuropsicologia são extremamente significativas para o tratamento da doença de Alzheimer. Por meio da psicoterapia há o acolhimento do sofrimento, medos e anseios, o auxílio na compreensão do novo contexto que virá e, os processos reabilitatórios, contribuirão na tentativa de retardar o processo neurodegenerativo e otimizar os processos cognitivos que ainda estão preservados e, consequentemente, proporcionar uma melhor qualidade de vida para o paciente.

Palavras-chave


Doença de Alzheimer; Neuropsicologia; Psicoterapia; Reabilitação Neuropsicológica

Texto completo:

PDF

Referências


ALMEIDA, Mariana. A importância das relações sociais na terceira idade. 2014. Disponível em: . Acesso em: 30 abr. 2017.

ASSOCIAÇÃO ALZHEIMER PORTUGAL. Terapias e Abordagens Comunicacionais. Portugal, 2015. Disponível em: . Acesso em: 26 jan. 2017.

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE ALZHEIMER. Evolução da doença. Brasil, 2012. Disponível em: . Acesso em: 21 abr. 2017.

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE ALZHEIMER. Tratamento. Brasil, 2012. Disponível em: . Acesso em: 26 jan. 2017.

ÁVILA, Renata; MIOTTO, Eliane. Reabilitação neuropsicológica de déficits de memória em pacientes com demência de Alzheimer. Revista de Psiquiatria Clínica, São Paulo, v. 4, n. 29, p. 190-196, nov. 2002. Disponível em: . Acesso em: 28 jan. 2017.

ÁVILA, Renata. Resultados da reabilitação neuropsicológica em paciente com doença de Alzheimer leve. Revista de Psiquiatria Clínica, São Paulo, v. 4, n. 30, p. 139-146, ago. 2003. Disponível em: . Acesso em: 30 abr. 2017.

BOLOGNANI, Sílvia Prado et al. Memória implícita e sua contribuição à reabilitação de um paciente amnéstico. Arquivo Neuropsiquiátrico, São Paulo, v. 3, n. 58, p.924-930, jul. 2000. Disponível em: . Acesso em: 02 maio 2017.

BORUCHOVITCH, Evely. Estratégias de aprendizagem e desempenho escolar: considerações para a prática educacional. Psicologia: Reflexão e Crítica, Porto Alegre, v. 12, n. 2, p. 361-376, ago. 1999. Disponível em: . Acesso em: 01 maio 2017.

CAMÕES, Cristina; PEREIRA, Fernanda Marie; GONÇALVES, Andréa. Reabilitação na doença de Alzheimer. Psicologia Pt, Lisboa, p. 1-20, set. 2009. Disponível em: . Acesso em: 27 jan. 2017.

BRASIL. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Projeção da População do Brasil: taxa bruta de natalidade por mil habitantes. 2013. Disponível em: . Acesso em: 20 set. 2016.

CARAMELLI, Paulo; BOTTINO, Cássio Machado de Campos. Tratando os sintomas comportamentais e psicológicos da demência (SCPD). Conferência Clínica, Belo Horizonte, p. 83-87, 18 jun. 2007. Disponível em: . Acesso em: 25 jan. 2017.

CARDOSO, Sílvia Helena. Memória: o que é e como melhorá-la. Disponível em: . Acesso em: 15 jan. 2017.

CASAL, Edith. Os fenômenos mais esquisitos da memória. 2013. Disponível em: . Acesso em: 15 jan. 2017.

CHAIMOWICZ, Flávio. Saúde do Idoso. Belo Horizonte: Editora Coopmed, 2009.

CHARCHAT-FICHMAN, Helenice; FERNANDES, Conceição Santos; LANDEIRA-FERNANDEZ, Jesus. Psicoterapia neurocognitivo-comportamental: uma interface entre psicologia e neurociência. Revista Brasileira de Terapias Cognitivas, Rio de Janeiro, v. 1, n. 8, p. 40-46, jun. 2012. Disponível em: . Acesso em: 01 maio 2017.

DALGALARRONDO, Paulo. A memória e suas alterações. In: DALGALARRONDO, Paulo. Psicopatologia e semiologia dos transtornos mentais. 2. ed. Porto Alegre: Artmed, 2008. Cap. 15. p. 148-149.

FALCÃO, Deusivania Vieira da Silva; BUCHER-MALUSCHKE, Júlia Sursis Nobre Ferro. Cuidar de familiares idosos com a doença de Alzheimer: uma reflexão sobre aspectos psicossociais. Psicologia em Estudo, Maringá, v. 14, n. 4, p. 777-786, dez. 2009. Disponível em: . Acesso em: 30 abr. 2017.

FRAZÃO, Arthur. Doenças Degenerativas: Como é feito o tratamento para o Alzheimer. 2012. Disponível em: . Acesso em: 25 jan. 2017.

GIL, Roger. Neuropsicologia das Demências. In: Neuropsicologia. 2. ed. São Paulo: Editora Santos, 2005. Cap. 16. p. 214-238.

GINDRI, Gigiane et al. Métodos em reabilitação neuropsicológica. Métodos em Neuropsicologia, Porto Alegre, v. 5, n. 22, p. 342-375, abr. 2012. Disponível em: . Acesso em: 01 maio 2017.

LIMA, Juliane Silveira. Envelhecimento, demência e doença de Alzheimer:: o que a psicologia tem a ver com isso?. Revista de Ciências Humanas, Florianópolis, v. 2, n. 40, p. 469-489, out. 2006. Disponível em: < https://periodicos.ufsc.br/index.php/revistacfh/article/viewFile/17666/16231>. Acesso em: 25 jan. 2017.

LIMA, Telma Cristiane Sasso de; MIOTO, Regina Célia Tamaso. Procedimentos metodológicos na construção do conhecimento científico: a pesquisa bibliográfica. Revista Katálogo, Florianópolis, v. 10, n. 1, p. 37-36, 03 abr. 2007. Disponível em: . Acesso em: 20 set. 2016.

MANZARO, Simone de Cássia Freitas. A Psicologia na doença de Alzheimer: como intervir?. 2015. Disponível em: . Acesso em: 25 jan. 2017.

MOREIRA-AGUIAR, Viviane et al. Memória de longo prazo modulada pela memória de curto prazo. Revista Paidéia, Rio de Janeiro, v. 40, n. 18, p. 331-339, dez. 2008. Disponível em: . Acesso em: 02 maio 2017.

OLIVEIRA, Glauber Correia de et al. A contribuição da musicoterapia na saúde do idoso. Cadernos Unifoa, Volta Redonda, v. 2, n. 20, p. 85-94, dez. 2012. Disponível em: . Acesso em: 30 abr. 2017.

PANTOJA, Maria Júlia; LIMA, Suzana Maria Valle; ANDRADE, Jairo Eduardo Borges. Avaliação de impacto de treinamento na área de reabilitação: preditores individuais e situacionais. Revista de Administração, São Paulo, v. 36, n. 2, p. 46-56, jun. 2001. Disponível em: . Acesso em: 01 maio 2017.

PIPER, Francieli Kramer. A importância da memória de trabalho para a aprendizagem. In: SEMANA DE LETRAS,13, 2013, Porto Alegre. Anais da XIII Semana de Letras. Porto Alegre: Puc-rs, 2013. p. 1-6. Disponível em: . Acesso em: 02 maio 2017.

QUEIROZ, Ronaldo Bezerra de et al. Cuidados paliativos e Alzheimer: concepções de neurologistas. Revista Enfermagem Uerj, Rio de Janeiro, v. 5, n. 22, p. 686-692, maio 2014. Disponível em: . Acesso em: 01 maio 2017.

SAYEG, Norton. Como diagnosticar e tratar a doença de Alzheimer. Moreira Júnior, Campinas, v. 68, n. 12, p. 46-58, dez. 2011. Disponível em: . Acesso em: 16 abr. 2017.

SAYEG, Norton. Existem fases ou estágios na doença de Alzheimer? 2008. Elaborado por AlzheimerMed. Disponível em: . Acesso em: 02 nov. 2016.

SILVA, Claudemir Bispo da; SOUZA, Edna Maria de. A demência de Alzheimer e suas terapêuticas não farmacológicas. Caderno Discente: um estudo sobre as estratégias e intervenções em reabilitação neuropsicológica, Recife, p. 1-29, jul. 2005.

WILSON, Bárbara. Mnemônica e estratégias de repetição em reabilitação. In: WILSON, Bárbara. Reabilitação da memória: integrando teoria e prática. Porto Alegre: Artmed, 2011. p. 94-144.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2018 Pretextos - Revista da Graduação em Psicologia da PUC Minas

Compartilhar no Facebook



Licença Creative CommonsEsta obra está protegida com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.
Esta obra está bajo una Licencia Creative Commons Reconocimiento 4.0 Internacional.
This work is licensed under a Creative Commons Attribution 4.0 International License.