RELAÇÃO ENTRE O VÍNCULO MÃE-FILHO E A PSICOSSOMÁTICA NA PRIMEIRA INFÂNCIA

Tayná Luiza dos Santos de Oliveira

Resumo


Este estudo trata a influência do vínculo mãe-bebê no surgimento de doenças psicossomáticas na infância. A metodologia utilizada foi a revisão bibliográfica de trabalhos realizados anteriormente.   A proposta de analisar a relação entre a díade mãe-bebê e a psicossomática teve como motivação uma pesquisa realizada de tema “Vínculo mãe-bebê e separação precoce”, desenvolvida junto à Maternidade Haydeé Espejo Conroy (Maternidade Pública de Betim - Imbiruçu), com as mães e profissionais da saúde que estavam vinculados à maternidade. O presente artigo teve como objetivo ressaltar a importância da mãe (ou cuidadores semelhantes) no desenvolvimento psíquico da criança, assim como avaliar se esse vínculo, quando frágil, pode trazer sintomas psicossomáticos à criança.  Atingidos esses objetivos, foi possível constatar a relevância do afeto materno (ou de cuidadores semelhantes) no desenvolvimento do Eu da criança, levando a conclusão de que a subjetividade é criada a partir do relacionamento que o sujeito tem com seus cuidadores iniciais e que, quando esse desenvolvimento psíquico ocorre de uma maneira ineficaz, pode acarretar no desenvolvimento de doenças psicossomáticas na criança.

Palavras-chave


Psicossomática; Vínculo mãe-filho; Adoecimento infantil; Constituição psíquica

Texto completo:

PDF

Referências


BASEGGIO, Denise Bortolin. Psicossomática na infância: uma abordagem psicodinâmica. Revista de Psicologia da IMED, Passo Fundo/ RS. vol. 4, n. 1, p. 629-639, 2012. Disponível em: Acesso em: 06 nov. 2016

CALDEIRA, Geraldo; MARTINS, José Diogo. Psicossomática: Teoria e Prática. 2. ed. Rio de Janeiro: Médica e Científica Ltda., 2001. 482 p.

KLEIN, Melanie. Amor, Culpa e Reparação e Outros trabalhos (1921 – 1945). Rio de Janeiro: Imago, 1996. 504 p.

KLEIN, Melanie. Psicanálise da Criança. 3. Ed. São Paulo: Mestre Jou, 1981. 394 p.

MCDOUGALL, Joyce. Teatros do corpo: O Psicossoma em Psicanálise. 2. ed. São Paulo: Martins Fontes, 2000. 198 p.

MYSSIOR, Silvia Grebler. Doenças e manifestações psicossomáticas na infância e na adolescência: construindo uma interseção da psicanálise com a pediatria. 2007. 147 f. Dissertação (Mestrado em Medicina) – Faculdade de Medicina da UFMG, Belo Horizonte, 2007. Disponível em: . Acesso em: 06 nov. 2016

NEME, Carmem Maria Bueno; DAMETO, Cristiane Araújo; AZEVEDO, Guilherme M. Guedes de; FONSECA, Mariane da Silva. Implicações do vínculo mãe-criança no adoecimento infantil: revisão de literatura. Revista Pediatria Moderna, 44(4), p. 162-166, Bauru/ SP, 2007. Disponível em: < Acesso em: 06 nov. 2016

PRAZERES, Vera Lúcia Silva. Subjetividade e adoecimento: implicações para a formação em saúde. Revista Científica da FAMINAS, Muriaé/ MG, v. 2, n. 3, p. 27-32, 2006. Disponível em: < http://periodicos.faminas.edu.br/index.php/RCFaminas/article/view/174/154>. Acesso em: 06 nov. 2016

SOUZA, Carolina Grespan Pereira; SEI, Maíra Bonafé; ARRUDA, Sergio Luiz Saboya. Reflexões sobre a relação mãe-filho e doenças psicossomáticas: Um estudo teórico-clínico sobre psoríase infantil. Boletim de Psicologia, v. 60, n.132, São Paulo, 2010. Disponível em: . Acesso em: 06 nov. 2016

SPITZ, Rene A. O primeiro ano de vida. 2. ed. São Paulo: Martins Fontes, 2000. 390 p.

WINNICOTT, D. W. Os bebês e suas mães. 2. ed. São Paulo: Martins Fontes, 2006. 98 p.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2018 Pretextos - Revista da Graduação em Psicologia da PUC Minas

Compartilhar no Facebook



Licença Creative CommonsEsta obra está protegida com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.
Esta obra está bajo una Licencia Creative Commons Reconocimiento 4.0 Internacional.
This work is licensed under a Creative Commons Attribution 4.0 International License.