DO CÁRCERE À LIBERDADE: O PAPEL DA REDE SOCIAL PESSOAL PARA INDIVÍDUOS QUE VIVENCIARAM A EXPERIÊNCIA DO APRISIONAMENTO

Jéssica de Sousa Moreira, Sônia Vieira Coelho

Resumo


Este trabalho tem por tema o sistema prisional e a reintegração social do egresso. O objetivo central que norteou esta reflexão foi a importância da rede social para o egresso do sistema prisional e como mobilizá-la para tornar possível a reintegração social. Atualmente, importantes reflexões tem sido levantadas a respeito das situações degradantes que vivem aqueles que cumprem pena no Brasil, como prisões superlotadas e tratamentos subumanos. Mesmo diante das condições precárias das prisões, o número de presos aumentou consideravelmente nas últimas décadas, assim como os índices criminais e as taxas de reincidência. Após cumprimento de pena, o indivíduo retorna à sociedade e se vê com poucos recursos para diferentes alternativas de vida. Assim, este trabalho surge como proposta de mobilização da rede social do egresso, como possível alternativa para a sua reintegração social. A rede social se refere às relações significativas que uma pessoa estabelece, como família, amigos, colegas de trabalho e comunidade. Portanto, através da mobilização da rede social, tornam-se possíveis recursos que movimentam seus membros em direção à autonomia e ações de solidariedade conjuntamente construídas, podendo vislumbrar novas possibilidades para si e a se movimentar em direção à saídas criativas. A rede social é abordada na perspectiva do Construcionismo Social, que propõe reflexões a respeito da primazia da interação entre os indivíduos, da importância da cultura e da história e questiona a realidade alienada do observador, considerando-a como uma construção social na linguagem. Para se alcançar os objetivos propostos, foi utilizada a pesquisa de caráter bibliográfico.


Palavras-chave


Sistema prisional; Integração social; Rede social pessoal

Texto completo:

PDF

Referências


AUN, Juliana Gontijo. A proposta de redes no atendimento em saúde mental. Trabalho apresentado no IX Congresso Mineiro de Psiquiatria. Belo Horizonte, 1999. Digitado.

BARATTA, Alessandro. Ressocialização ou controle social: uma abordagem crítica da “reintegração social” do sentenciado. Universidade de Saarland, R. F. A., Alemanha. Disponível em: Acesso em: 5 jul. 2017.

BRASIL. Lei nº 7.210 de 11 de julho de 1984. Institui a Lei de Execução Penal. Diário Oficial da União, Brasília, 13 jul. 1984. Disponível em: Acesso em: 22 jun. 2017.

COELHO, Edmundo Campos. A oficina do diabo: e outros estudos sobre criminalidade. 428 p. Rio de Janeiro: Editora Record, 2005.

ESTEVES DE VASCONCELLOS, Maria José. Redes Sociais: conceitos teóricos fundamentais para a prática. In: AUN, Juliana Gontijo; ESTEVES DE VASCONCELLOS, Maria José; COELHO, Sônia Vieira. Atendimento Sistêmico de Famílias e Redes Sociais. Belo Horizonte: Ophicina de Arte & Prosa, 2010. Cap. 2, p. 123-151.

FEELEY, Malcolm; SIMON, Jonathan. A nova penalogia: notas sobre a emergente estratégia correcional e suas implicações. In: CANÊDO, Carlos; FONSECA, David S. Ambivalência, contradição e volatilidade no sistema penal. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2012. Cap. 1, p. 19-54.

FOUCAULT, Michel. Vigiar e punir: nascimento da prisão. 26ª ed. 262 p. Tradução de Raquel Ramalhete. Petrópolis: Editora Vozes, 2002.

GARLAND, David. Os limites do Estado soberano: Estratégias de controle do crime na sociedade contemporânea. In: CANÊDO, Carlos; FONSECA, David S. Ambivalência, contradição e volatilidade no sistema penal. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2012. Cap. 2, p. 55-99.

GARUTTI, Selson; OLIVEIRA, Rita de Cássia da Silva. A prisão e o sistema penitenciário – uma visão histórica. Seminário de Pesquisa do PPE, Universidade Estadual de Maringá. 07 a 09 de maio de 2012. Disponível em: Acesso em: 08 jul. 2017.

GOFFMAN, Erving. Manicômios, prisões e conventos. Tradução de Dante Moreira Leite. São Paulo: Editora Perspectiva, 1974. Disponível em: Acesso em: 25 jun. 2017.

INSTITUTO DE PESQUISA ECONÔMICA APLICADA. Reincidência Criminal no Brasil. Rio de Janeiro: IPEA, 2015. Disponível em: Acesso em: 20 jun. 2017.

JULIÃO, Elionaldo Fernandes. A ressocialização através do estudo do trabalho no sistema penitenciário brasileiro. 2009. 449 p. Tese (Doutorado), Ciências Sociais - Universidade do Estado do Rio de Janeiro - UERJ. Rio de Janeiro, 2009. Disponível em: . Acesso em: 05 jul. 2017.

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE MINAS GERAIS. Pró-Reitoria de Graduação. Sistema de Bibliotecas. Padrão PUC Minas de normalização: normas da ABNT para apresentação de artigos de periódicos científicos. Belo Horizonte, 2010. Disponível em . Acesso em: 11 set. 2017.

RASERA, Emerson Fernando; JAPUR, Marisa. Os sentidos da construção social: o convite construcionista para a psicologia. Paidéia, 2005, p. 21-29.

SLUZKI, Carlos E. A rede social na prática sistêmica: alternativas terapêuticas. Tradução de Cláudia Berliner. São Paulo: Casa do Psicólogo, 1997.

SOUZA, Rafaelle Lopes; SILVEIRA, Andréa Maria. Mito da ressocialização: programas destinados a egressos do sistema prisional. SER social. Brasília, v. 17, n. 36, p. 163-188, jan.-jun. de 2015. Disponível em: Acesso em: 30 maio 2017.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2018 Pretextos - Revista da Graduação em Psicologia da PUC Minas

Compartilhar no Facebook



Licença Creative CommonsEsta obra está protegida com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.
Esta obra está bajo una Licencia Creative Commons Reconocimiento 4.0 Internacional.
This work is licensed under a Creative Commons Attribution 4.0 International License.