O ENTRE-LUGAR DA GESTÃO EM SAÚDE COMO ESPAÇO DE FORMAÇÃO

Letícia Aline Back, Karla Gomes Nunes

Resumo


Este trabalho objetiva apresentar o relato de experiência do estágio curricular em Psicologia realizado no ano de 2016 no campo da gestão em saúde, mais especificamente na 13ª Coordenadoria Regional de Saúde (CRS), responsável por 13 municípios localizados no interior do Estado do Rio Grande do Sul. A proposta desta escrita é pensar esse espaço como um entre-lugar disparador de caminhos e processos formativos. Para o desenvolvimento do estudo, utilizamos como procedimento investigativo a Cartografia, proposta por Deleuze e Guattari, no intuito de acompanhar os processos concernentes ao campo de estágio. Os movimentos em torno desse campo ocorreram a partir da constituição de três materialidades que se entrelaçaram constantemente, sendo elas: a) o diário de campo; b) a revisão de literatura concomitante com a construção de um pequeno mapa de localização do espaço físico, buscando registros da historicidade da 13ª CRS; e c) a busca pela história viva, mediante conversas com os trabalhadores. Diante desses percursos, inspiradas na concepção de Bhabha (2005), nomeamos o campo da gestão em saúde como um entre-lugar, na medida em que este ocupa e estabelece suas relações desde o lugar do meio. Nessa perspectiva, ressalta-se como resultado desse processo a atuação em diferentes frentes, tais como: a construção do apoio institucional e o acompanhamento de discussões de caso junto às equipes de saúde; o acompanhamento de processos de desinstitucionalização; e a participação em espaços coletivos propositivos e deliberativos de diferentes políticas públicas. Além desses, apontamos como resultado o processo de formação em Psicologia na densidade do Sistema Único de Saúde (SUS), possibilitando intensos registros em nossos territórios existenciais, aproximações e distanciamentos formadores. Ainda, as marcas deixadas por nós, estagiárias, produzem movimentos também nos serviços, com seus trabalhadores, e reafirmam a necessidade de uma formação viva entre a Universidade e a vida.


Palavras-chave


Formação no SUS; Gestão em Saúde; Experiência

Texto completo:

PDF

Referências


BARROS, Laura Pozzana; KASTRUP, Virgínia. Cartografar é acompanhar processos. In: PASSOS, Eduardo; KASTRUP, Virginia; ESCOSSIA, Liliana da (Org.). Pistas do método da cartografia: pesquisa-intervenção e produção de subjetividade. Porto Alegre: Sulina, 2010. p. 52-75.

BHABHA, Homi K. O Local da Cultura. Editora UFMG: Belo Horizonte, 2005.

BRASIL. Portaria n. 95 de 26 de janeiro de 2001. Norma Operacional da Assistência a Saúde – NOAS. República Federativa do Brasil, DF, 2001. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/gm/2002/prt0373_27_02_2002.html. Acesso em: 03 abr. 2016.

BRASIL. Decreto-Lei n. 7508 de 28 de junho de 2011. Regulamenta a Lei nº 8.080, de 19 de setembro de 1990, para dispor sobre a organização do Sistema Único de Saúde - SUS, o planejamento da saúde, a assistência à saúde e a articulação interfederativa, e dá outras providências. República federativa do Brasil, DF, 2011. Disponível em: https://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2011-2014/2011/decreto/d7508.htm. Acesso em: 19 mar. 2016.

CALVINO, Italo. Palomar. Trad. João Reis. São Paulo: Planeta DeAgostini, 2001.

DELEUZE, Gilles, GUATTARI, Félix. Mil Platôs: Capitalismo e esquizofrenia, vol.1. Trad. Aurélio Guerra Neto e Célia Pinto Costa. Editora 34: São Paulo, 1995.

DELEUZE, G.; PARNET, C. Diálogos. Trad. de Eloisa Araújo Ribeiro. São Paulo: Escuta, 1998.

FÉLIX, Valdiná Guerra, SACRMENTO, Sandra Maria Pereira. “Maísa”: o Entre-lugar como espaço de indeterminação. In: Revista Eletrônica de Estudos Literários, Vitória, s. 2, ano 8, n. 11, 2012. Disponível em: http://periodicos.ufes.br/reel/article/viewFile/4355/3400 Acesso em: 20 out. 2016.

GUIMARÃES, Cristian Fabiano; et al. Análise histórica do processo de regionalização no Rio Grande do Sul e a construção do planejamento regional. In: Anais 2° Congresso Brasileiro de Política, Planejamento e Gestão em Saúde. Belo Horizonte, MG, 2013. Disponível em: http://www.politicaemsaude.com.br/anais/orais_painel/010.pdf Acesso em: 20 mar. 2016

JÚNIOR, Nilton Pereira, CAMPOS, Gastão Wagner de Souza. O apoio institucional no Sistema Único de Saúde (SUS): os dilemas da integração interfederativa e da cogestão. In: Iterface: comunicação, saúde, educação, n. 18, supl I, p. 895-908, 2014. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/icse/v18s1/1807-5762-icse-18-1 -0895.pdf Acesso em: 07 set 2016.

LARROSA, Jorge. A operação ensaio: sobre o ensaiar e o ensaiar-se no pensamento, na escrita e na vida. In: Educação e Realidade, jan/jun 2004, p. 27-43. Disponível em: http://www.seer.ufrgs.br/educacaoerealidade/article/viewFile/25417/14743 Acesso em: 07 jun 2017.

MEDRADO, Benedito et al. Diários como atuantes em nossas pesquisas:

narrativas ficcionais implicadas. In: SPINK, Mary Jane et al (org). A produção de informação na pesquisa social: compartilhando ferramentas. Centro Edelstein: Rio de Janeiro, 2014.

MERHY, Emerson. Em busca do tempo perdido: a micropolítica do trabalho vivo em saúde. In: MERHY, E.; ONOCKO, R. Agir em saúde: um desafio para o público. São Paulo: Hucitec, 1997.

ROMAGNOLI, Roberta Carvalho. A cartografia e a relação pesquisa e vida. In: Psicologia & Sociedade; 21 (2): 166-173, 2009.

ZOURABICHVILI, François. O Vocabulário de Deleuze. Rio de Janeiro: Relume-Dumará, 2004.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2018 Pretextos - Revista da Graduação em Psicologia da PUC Minas

Compartilhar no Facebook



Licença Creative CommonsEsta obra está protegida com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.
Esta obra está bajo una Licencia Creative Commons Reconocimiento 4.0 Internacional.
This work is licensed under a Creative Commons Attribution 4.0 International License.