DOS MANICÔMIOS AOS SERVIÇOS SUBSTITUTIVOS: A POSSIBILIDADE DO LAÇO SOCIAL NA PSICOSE PELO DISCURSO DA PSICANÁLISE LACANIANA

  • Júlia Lorrane de Paulo Silva PUC Minas
  • Carla de Abreu Machado Derzi
Palavras-chave: Psicose, Loucura, Laço social, Inserção social, Reforma psiquiátrica

Resumo

O percurso teórico realizado abordará de forma breve a trajetória social da loucura no Brasil, principalmente no que se refere aos serviços substitutivos, a partir de 1989, buscando contemplar na discussão as nuances dos lugares sociais que o louco perpassou e o lugar que esse se encontra atualmente, desde os manicômios até os atuais serviços substitutivos, a partir do embasamento da teoria psicanalítica lacaniana. O trabalho considera a possibilidade de laço social, uma vez que, o discurso é sem dúvida o engendrar de toda a trama social em que o louco se encontra e é chamado a participar depois do advento da reforma psiquiátrica. Busca-se ainda investigar a possibilidade de laço social na psicose, sua viabilidade e dificuldade e, assim, conjecturar sobre o novo lugar social do louco e a inserção social do mesmo. Para realização do trabalho foi realizada uma revisão bibliográfica concernente à psicose, à reforma psiquiátrica e ao laço social no âmbito da psicanálise lacaniana. Pela discussão observa-se a importância da noção de sujeito na elaboração do diagnóstico diferenciado e a direção do tratamento, que difere da abordagem fornecida pela psiquiatria contemporânea, empirista e universalizante, baseada no discurso do mestre e do capitalista. Neste sentido a clínica psicanalítica se apresenta como possibilidade a inserção do louco, uma vez que leva em consideração a singularidade de cada sujeito, de cada caso. Assim, oferece ao psicótico a possibilidade de estar e pertencer ao mundo, construindo saídas possíveis, lhe possibilitando existir fora da norma fálica, para além do discurso atualmente imperante, discurso do mestre e do capitalista.

Biografia do Autor

Carla de Abreu Machado Derzi
Docente da FAPSI PUC Minas

Referências

AMARANTE, Paulo. Psiquiatria social e reforma psiquiátrica. Rio de Janeiro: Fiocruz, 1994.

BAUMAN, Zygmunt. 44 Cartas do mundo líquido moderno. Rio de Janeiro: Zahar, 2011.

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. DAPE. Coordenação Geral de Saúde Mental. Reforma psiquiátrica e política de saúde mental no Brasil. Documento apresentado à Conferência Regional de Reforma dos Serviços de Saúde Mental: 15 anos depois de Caracas. OPAS. Brasília, novembro de 2005. Disponível em: < http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/Relatorio15_anos_Caracas.pdf> Acesso em: 26 out. 2016.

COSTA, Ana Paula C.; POLI, Maria Cristina. Dos discursos no laço social: a construção de uma moradia possível na psicose. Psicologia em Revista: Belo Horizonte, v. 16, n. 2, p. 409-427, ago. 2010. Disponível em: http://pepsic.bvsalud.org/pdf/per/v16n2/v16n2a11.pdf. Acesso em: 05 de maio de 2017.

GENEROSO, Cláudia Maria. Considerações sobre psicose e laço social: o fora-do-discurso da psicose. Clinicaps: Belo horizonte, v.2, n.4, p 1-10, abr. 2008. Disponíve em: http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1983-60072008000100003. Acesso em: 05 de maio de 2017.

GENEROSO, C. Psicose, desinserção e laço social: um debate entre a psicanálise e o campo da saúde mental. 2014, 157 f. Tese (doutorado) - Faculdade de Filosofia e Ciências Humanas, Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte. 2014.

INFANTE, Domingos Paulo. Psiquiatria para que e para quem? In: JERUSALINSKY, Alfredo; FENDRIK, Silvia. (Org.). O livro negro da psicopatologia contemporânea. São Paulo: Via Lettera. 2011. 2. ed. p. 280.

LOBOSQUE, Ana Marta; SOUZA, Marta Elizabeth (org.). Atenção em saúde mental. Secretaria de Estado de saúde de Minas Gerais, Belo Horizonte. 2006.

MARIANO, Adriana Simões; PRISZKULNIK, Léia. Nome-do-Pai e o discurso do capitalista: contribuições psicanalíticas a uma clínica com jovens autores de ato infracional. Revista Bras. Adolescência e conflitualidade. v.4, 2011, p. 68-80.

MAFRA, Taciana de Melo. Psicanálise, Linguística e Singularidade. Revista Antígona, n.2, Nov. 1999. Disponível em:<http://torodepsicanalise.com.br/site/wp-content/uploads/2017/05/psicanalise-singularidade.pdf>. Acesso em: 27 out. 2017.

MARCOS, Cristina Moreira. O não-todo de Lacan e a lógica do caso clínico. Revista aSEPHallus de Orientação Lacaniana, Rio de Janeiro. v. 9, n. 18, p.4-16, 2014. Disponível em:<http://www.isepol.com/asephallus/numero_18/pdf/o_nao_todo.pdf>. Acesso em: 27 out. 2017.

MILLER, Jacques Alain. O rouxinol de Lacan. São Paulo: Carta de São Paulo, v.10, n.5, p. 18-32. out.-nov. 2003. Disponível em: <http://ea.eol.org.ar/03/pt/textos/txt/pdf/el_ruisenor.pdf>. Acesso em: 27 de outubro de 2017.

PASSOS, Fernanda Paranhos; AIRES, Suely. Reinserção social de portadores de sofrimento psíquico: o olhar de usuários de um Centro de Atenção Psicossocial. Revista de Saúde Coletiva, Rio de Janeiro, v.23, p. 13-31. 2013.

QUINET, Antônio. Psicose e laço social: esquizofrenia, paranoia e melancolia. 2. ed. Rio de Janeiro: Zahar, 2009.

TATIT, Isabel. A noção da singularidade na psicanálise lacaniana: aspectos teóricos, clínicos e sociais. 2016. 226f. Tese (Doutorado em Psicologia Clinica)- Instituto de Psicologia da Universidade de São Paulo, São Paulo, 2016. Disponível em:. Acesso em: 27 out. 2017.

TIZIO, Hebe. Novas modalidades do laço social. A sephallus: São Paulo, v. 2, n. 4, p.6, maio./out. 2007.

VERAS, Marcelo Frederico Augusto dos Santos. A loucura entre nós: a teoria psicanalítica das psicoses e a saúde mental. 2009. 288 f. Tese (doutorado) - Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro. 2009.

Publicado
16-12-2019
Seção
Artigos de temática livre