INVESTIGAÇÃO DAS AÇÕES DE SAÚDE MENTAL COMO FERRAMENTA ÚTIL NA MINIMIZAÇÃO DE CASOS DE SUICÍDIO

  • Elizabeth Fátima Teodoro Universidade do Estado de Minas Gerais; Universidade Federal de São João del-Rei https://orcid.org/0000-0003-0977-7265
  • Mardem Leandro Silva Universidade Federal de Minas Gerais Universidade do Estado de Minas Gerais
Palavras-chave: Prevenção, Saúde Mental, Suicídio, Tentativa de suicídio

Resumo

O aumento no número de casos e tentativas de suicídio vem sendo alvo de grande preocupação, nas últimas décadas, em muitos países. Frente a essas observações surgem algumas questões: como a psicanálise entende o suicídio? Qual a contribuição da psicanálise para a compreensão desse fenômeno? A fim de se responder a tais questionamentos, a presente pesquisa objetivou investigar o suicídio a partir da psicanálise. Para tanto, a metodologia utilizada foi a investigação teórica com enfoque em textos psicanalíticos. Tendo em mente que o suicídio é um assunto de amplo espectro resultante da interação de fatores biológicos, sociológicos, epidemiológicos, filosóficos, psicológicos e culturais, tanto intrapsíquicos como interpessoais que causam impacto profundo na saúde e na sociedade como um todo, uma vez que escancara a impotência mediante tais situações, a psicanálise o compreende como um fenômeno de internalização perturbada, um esforço para enfrentar os objetos internalizados hostis e uma ausência interna de conforto para alcançar a estabilidade e tranquilidade mental. Nessa perspectiva, é possível afirmar que as ações de saúde mental para o comportamento suicida representam uma possibilidade de garantia de integridade física, da manutenção da vida e da prevenção dos traumas decorrentes desse comportamento em familiares, amigos e todos aqueles próximos ao sujeito.  

Biografia do Autor

Elizabeth Fátima Teodoro, Universidade do Estado de Minas Gerais; Universidade Federal de São João del-Rei
Enfermeira graduada pelo Centro Universitário de Formiga (Unifor/MG). Pós-graduada em Gestão em Saúde Mental pela Universidade Cândido Mendes. Graduanda em Psicologia pela Universidade Estadual de Minas Gerais-UEMG / Divinópolis. Mestranda em Psicologia, na linha de pesquisa Fundamentos teóricos e filosóficos da Psicologia, pela Universidade Federal de São João del-Rei.
Mardem Leandro Silva, Universidade Federal de Minas Gerais Universidade do Estado de Minas Gerais
Psicólogo graduado pela Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais. Mestre em Psicologia, na linha de pesquisa ?Conceitos Fundamentais e Clínica Psicanalítica?, pela Universidade Federal de São João del Rei. Doutorando em Psicologia, na linha de pesquisa "Conceitos Fundamentais em Psicanálise e Investigações no Campo Clínico e Cultura", pela Universidade Federal de Minas Gerais. Professor no Curso de Psicologia da Universidade do Estado de Minas Gerais - Unidade Acadêmica Divinópolis. 

Referências

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE PSIQUIATRIA. Suicídio. Debates – Psiquiatria hoje, ano 2, n. 1, jan/fev 2010.

BAUMAN, Z. Modernidade líquida. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2001.

BAUMAN, Z. O mal-estar da pós-modernidade. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 1998.

CASSORLA, R. M. S. O que é suicídio. São Paulo: Brasiliense, 1984.

CROUZET, M. História Geral das Civilizações. São Paulo: Difel, 1996.

DURKHEIM, E. O Suicídio – Um Estudo Sociológico. Rio de Janeiro: Zahar, 1982.

FENSTERSEIFER, L.; WERLANG, B. S. G. Comportamentos autodestrutivos,

subprodutos da pós-modernidade? Psicologia e Argumento. Curitiba, v. 24, n. 47, p. 35-44, out./dez. 2006. Disponível em: < http://www2.pucpr.br/reol/index.php/PA/view/?dd1=489>. Acesso em: 08 set. 2018.

FOUCAULT, M. A História da Loucura na Idade Clássica. São Paulo: Perspectiva, 1997.

FREUD, S. Luto e Melancolia. In: Sigmund Freud. Edição Standard Brasileira das Obras Psicológicas Completas de Sigmund Freud (Vol. 14). Rio de Janeiro: Imago, 1996. (Obra original publicada em 1917).

JAEGER, W. Paidéia – A Formação do Homem Grego. 4 ed. São Paulo: Martins Fontes, 2001.

LOUREIRO, R. M. Um possível olhar do comportamento suicida pelos profissionais da saúde. Scientia Medica, Porto Alegre, v. 16, n. 2, abr./jun. 2006. Disponível em: < http://

revistaseletronicas.pucrs.br/ojs/index.php/scientiamedica/article/viewDownloadInterstitial/1622/7913>. Acesso em: 13 set. 2018.

MELEIRO, A.; TENG, C. T.; WANG, Y. P. Suicídio – estudos fundamentais. São Paulo: Segmento Farma, 2004.

MENEGHEL, S. N. et al. Suicídio de Mulheres: uma Situação Limite?. Athenea Digital, v. 13, n. 2, p. 207-217, jul. 2013.

MINISTÉRIO DA SAÚDE. Estratégia Nacional de Prevenção do Suicídio. (s./d.). Disponível em: <http://portal.saude.gov.br/portal/saude/cidadao/visualizar_texto.cfm?

idtxt=25605>. Acesso em: 19 ago. 2018.

MINOIS, G. História do suicídio. Lisboa: Teorema, 1998.

MIRANDA, T. G. de. Autópsia psicológica: compreendendo casos de suicídio e o impacto da perda. 2014. 159f. Dissertação (mestrado em Psicologia clínica) – Universidade de Brasília, Brasília, 2014. Disponível em: <http://repositorio.unb.br/bitstream/10482/16392/1/2014_TatianeGouveiaMiranda.pdf>. Acesso em: 15 mar. 2019.

ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DA SAÚDE. Prevenção do suicídio um recurso para conselheiros. Genebra: Organização Mundial da Saúde, 2006. Disponível em:

www.who.int/mental_health/media/counsellors_portuguese.pdf>. Acesso em: 6 ago. 2013.

RODRIGUES, J. C. A entrevista clínica no contexto do risco de suicídio. 2009. 176 p. Dissertação (Mestrado em Psicologia Clínica e Cultura) – Universidade de Brasília, Brasília, 2009.

SILVA, D. da. De onde vêm as palavras – origens e curiosidades da língua portuguesa. 14 ed. São Paulo: A Girafa Editora, 2004.

SILVA, V. F. da et al. Fatores associados à ideação suicida na comunidade: um estudo de caso-controle. Caderno Saúde Pública, v. 22, n. 9, Rio de Janeiro, set. 2006. Disponível em: <http://www.scielo.br/pdf/csp/v22n9/07.pdf>. Acesso em: 10 mar. 2019.

Publicado
16-12-2019
Seção
Artigos de temática livre