O ATENDIMENTO DOMICILIAR COMO IMPORTANTE FERRAMENTA DA TERAPIA FAMILIAR SISTÊMICA: UMA EXPERIÊNCIA NA EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA

  • Jennifer Antonelle Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais
  • Tamara Alessandra Santos Gomes
  • Stella Maria Poletti Simionato Tozo
Palavras-chave: Atendimentos domiciliares, Terapia sistêmica, Extensão universitária, Família

Resumo

O artigo traz de um relato de experiência que objetiva expor e discutir aspectos concernentes às visitas domiciliares realizadas pelas alunas extensionistas do curso de Psicologia no Projeto “V. (retirado devido ao anonimato). O projeto é vinculado a uma instituição, sede de um dos grupos do projeto, que atendeu seis famílias por meio de grupos multifamiliares e atendimentos domiciliares que aconteciam paralelamente. Contando com uma breve contextualização das famílias atendidas, o relato da experiência com as visitas domiciliares enfocou fundamentalmente os resultados alcançados. Nos grupos, notamos que algumas questões eram compartilhadas pela maioria destas, como a adoção de narrativas dominadas pelo problema, baixa autoestima, violência familiar. No entanto, haviam questões específicas a cada uma delas, que nos atendimentos domiciliares puderam ser aprofundadas com as famílias em suas particularidades. Através de conversações compartilhadas sobre questões levantadas, buscou-se construções de narrativas que fossem menos limitantes e padrões interacionais que fossem considerados pela família como mais funcionais. A partir da experiência tida com esta modalidade de atendimento, endossamos as argumentações que defendem a necessidade de um embasamento teórico-metodológico específico para os atendimentos domiciliares. O atendimento clínico em domicílio não significa apenas uma mudança geográfica, e, portanto, não basta a transposição de teorias e métodos para o novo contexto. É preciso que o profissional que se engaje nesta modalidade de atendimento tenha acesso a um suporte teórico-metodológico que dê conta das especificidades inerentes aos atendimentos domiciliares, que em nossa experiência demonstram estar em torno principalmente da maior imprevisibilidade.  Endossamos também a potencialidade de conciliação desta modalidade de atendimento com os grupos multifamiliares, sob a visão sistêmica.  Por fim, destacamos que esta modalidade de atendimento carrega em si muita potência para a produção de mudanças pautadas na autonomia e no reconhecimento e aproveitamento de recursos pré-existentes pela família.

Biografia do Autor

Jennifer Antonelle, Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais

Psicóloga formada pela PUC Minas, Unidade São Gabriel.

Tamara Alessandra Santos Gomes

Psicóloga formada pela PUC Minas, Unidade São Gabriel.

Stella Maria Poletti Simionato Tozo

Professora Doutora do curso de Psicologia da PUC Minas, orientadora do projeto de extensão.

Referências

ALEXANDRE, Marta Maria de lima; ROMAGNOLI, Roberta Carvalho. Atendimento Psicológico Domiciliar: relato de uma experiência. PSI UNISC, v. 1, n. 1, 2017. Disponível em: <https://online.unisc.br/seer/index.php/psi/article/view/9617>. Acesso em 15 de out. 2018.

BARRERO, Guillermo Moreno. Família Retalhos: Estudo de caso sobre a estrutura relacional de uma família multiproblemática, 2012.

BRANDÃO, S. N; COSTA, L. F. Transformando heranças. IN: PENSO, M.A; COSTA, L. F (org.). A Transmissão Geracional Em Diferentes Contextos: Da pesquisa à intervenção. São Paulo: Summus, 2008, Cap. 10, p. 181-196.

COSTA, Liana Fortunato; BRANDAO, Shyrlene Nunes. Abordagem clínica no contexto comunitário: uma perspectiva integradora. Psicol. Soc., Porto Alegre , v. 17, n. 2, p. 33-41, Aug. 2005. Disponível em: <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0102-71822005000200006&lng=en&nrm=iso>. Acesso em 15 out 2018.

MINUCHIM, Salvador. Famílias. In: MINUCHIM, Salvador. Técnicas de terapia familiar. Trad. Claudine Kinsch, Maria Efigênia F. R. Maia. Porto Alegre: Artes Médicas, 1990. 285p. Cap. 2, p. 21-36.

MORE, Carmen OjedaOcampo. As redes pessoais significativas como instrumento de intervenção psicológica no contexto comunitário. Paidéia, v.15, n.31, 2005. Disponível em:<http://www.redalyc.org.articulo.oa?id=305423747016>ISSN0103-863X.

MOREIRA, Juliana Amorim; CREPALDI, Maria Aparecida. Atendimento psicológico domiciliar no contexto do envelhecimento: um olhar sob a perspectiva sistêmica. Mudanças – Psicologia da Saúde, 24 (2), Jul.-Dez. 2016. Disponível em: <https://www.metodista.br/revistas/revistas-ims/index.php/MUD/article/view/6996>. Acesso em 16 out. 2018.

RASERA, EF; JAPUR, M. Desafios da aproximação do construcionismo social ao campo da psicoterapia. Estudos de Psicologia, 9(3), 431-439, 2004

ROCHA, Kátia Bones et al . A visita domiciliar no contexto da saúde: uma revisão de literatura. Psic., Saúde &Doenças, Lisboa , v. 18, n. 1, p. 170-185, abr. 2017 . Disponível em <http://www.scielo.mec.pt/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1645-00862017000100015&lng=pt&nrm=iso>. Acesso em 18 out 2018.

SHIMOGUIRI, Ana Flávia Dias Tanaka; SERRALVO, Fernanda Silveira. A importância da abordagem familiar na atenção psicossocial: um relato de experiência. Nova perspect. sist., São Paulo , v. 26, n. 57, p. 69-84, abr. 2017 . Disponível em <http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0104-78412017000100006&lng=pt&nrm=iso>. Acessado em 22 out. 2018.

SLUZKI, Carlos. Famílias e redes. Terapia familiar, redes e poética social. Lisboa: Climepsi, 2007

WALSH, Froma. Diversidade e Complexidade nas famílias do Séc. XXI. In: Processos normativos da família: diversidade e complexidade. Editora Artmed, 2016. Disponível em: <http://www.larpsi.com.br/media/mconnect_uploadfiles/a/m/amostra_1_.pdf>.

Publicado
16-12-2019
Como Citar
ANTONELLE, J.; GOMES, T. A. S.; TOZO, S. M. P. S. O ATENDIMENTO DOMICILIAR COMO IMPORTANTE FERRAMENTA DA TERAPIA FAMILIAR SISTÊMICA: UMA EXPERIÊNCIA NA EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA. Pretextos - Revista da Graduação em Psicologia da PUC Minas, v. 4, n. 8, p. 217-235, 16 dez. 2019.
Seção
Artigos de temática livre