A PARTILHA DOS SEXOS E O EFEITO DE EMPUXO-À-MULHER: CONTRIBUIÇÕES DA PSICANÁLISE À CLÍNICA DA PSICOSE

  • Douglas Felipe Murta Marques
  • Felipe Sette Martino Braga
Palavras-chave: Psicanálise, Clínica da Psicose, Partilha dos Sexos, Empuxo-à-Mulher

Resumo

O presente artigo trata-se de uma revisão teórica bibliográfica da primeira clínica estrutural lacaniana acerca das psicoses, compreendida a partir da noção de forclusão do Nome do Pai na análise caso Schreber. Este trabalho é resultado da experiência dos autores no estágio curricular na clínica da psicose, realizado durante o curso de graduação em Psicologia pela Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais. Neste estudo buscou-se descrever, a partir da teoria psicanalítica, o fenômeno do empuxo-à-mulher. Conceituado por Lacan em 1972, o empuxo-à-mulher se refere à questão da feminização na sexuação do sujeito psicótico. Nota-se que devido a foraclusão do Nome-do-Pai, isto é, a falta do significante primordial, surgiria inicialmente a impossibilidade de o sujeito psicótico ingressar na partilha dos sexos do lado masculino ou feminino. Esse fenômeno do empuxo-à-mulher acaba por fazer ressoar no sujeito um gozo ilimitado, sem barra e envolto por uma convicção delirante em que o sujeito psicótico realmente sente como se estivesse transformando-se em uma mulher – sendo levado e forçado para o lado da feminização. Sabe-se que essas vivências trazem muitos sofrimentos e perturbações para os sujeitos e seus familiares. Dessa forma, a psicanálise continua apesentando uma importante contribuição no tratamento das psicoses e de seus efeitos na vida dos sujeitos, principalmente com fato do delírio passar a ter um significado, operando como um eixo possível para o tratamento. Assim, buscaremos destacar na teoria lacaniana o desencadeamento da psicose, os efeitos da foraclusão do significante Nome-do-Pai exemplicadas nas fórmulas de sexuação, conceitos com os quais trabalham os psicanalistas no sentido de fornecer um tratamento possível para o gozo desregrado do empuxo-à-mulher na psicose e melhor conduzi-lo para um novo plano de significação e estabilização.

Referências

ALVARENGA, Elisa. Estrutura e Figuras do Empuxo-à-Mulher. Novas Psicoses – Clínica e Investigação. Abrecampos, v. 2, n. 2, Julho/2002.

BENETI, Antônio. Do discurso do analista ao nóborromeano: contra a metáfora delirante. Opção Lacaniana Online. Belo Horizonte, maio de 2005.

CASTRO, Helenice, Saldanha de. Correio: revista da Escola Brasileira de Psicanálise. O desencadeamento da psicose e o empuxo-à-mulher, Belo Horizonte, 29, Agosto 2000.

DEFFIEUX, Jean-Pierre. Uso da metonímia em um caso de psicose. Curinga, v. 1, n. 0 (out. 1993) – Belo Horizonte: Escola Brasileira de Psicanálise – Seção Minas, n.31, dezembro de 2010.

FOLBERG, Maria Nestrovsky; MAGGI, Noeli Reck. Declínio da função paterna e dialética da simbolização. Estilos da Clínica, Vol. VII, no 13, 92-99, 2002.

FREUD, Sigmund. Neurose e psicose (1924-[1923]). In: FREUD, S. O Ego e o Id e outros trabalhos. Edição: Standard brasileira das obras psicológicas completas de Sigmund Freud. Rio de Janeiro: Imago, v. 19, 1990.

FREUD, Sigmund. O caso Schreber, artigos sobre a técnica e outros trabalhos (1911-1913). Edição: Standard brasileira das obras psicológicas completas de Sigmund Freud. ed. Rio de Janeiro: Imago, v. 12, 1990.

FREUD, Sigmund. Totem e tabu e outros trabalhos (1913-1914).Edição: Standard brasileira das obras psicológicas completas de Sigmund Freud. ed. Rio de Janeiro: Imago, v. 13, 1990.

GAMA, Vanessa Campbell; BASTOS, Angêlica. A feminilização na psicose: empuxo-à-mulher e erotomania. Psicologia Clínica, Rio de Janeiro, v. 22, p. 141-156, 2010.

LACAN, Jacques. O Seminário livro 3: as psicoses. (1955-1956). ed. 2ª Rio de Janeiro: Jorge Zahar, v. 3, 1985.

LACAN, Jacques. Escritos. 1901-1981. ed. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 1998.

LACAN, Jacques. Os complexos familiares em patologia. In: LACAN, J. Os complexos fami-liares na formação do indivíduo. (1938). ed. 2ª Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2008.

LAURENT, Éric. Os Tratamentos Psicanalíticos na Psicose – Instituto de Psicanálisee Saúde Mental de Minas Gerais. Papéis de Psicanálise. Ano.2 n.2, Maio 2006.

MALEVAL, Jean-Claude. La foraclusión del nombre del padre: el concepto y su clínica. Bueno Aires: Paidós, 2002.

MILLER, Jacques-Allain. Uma partilha sexual. Opção lacaniana online nova série , Rio de Janeiro, ano. 7 nº. 20. ISSN: 2177-2673, julho 2016.

QUINET, Antônio. Teoria e clínica da psicose. n 3. ed. Rio de Janeiro: Forense-Universitária, 2006.

SANTANA, Vera Lúcia Veiga. As psicoses e sua relação com a loucura na mulher. Opção Lacaniana Online Nova Série, ano 1, n 2, julho 2010. ISNN 2177-2673.

SOLER, Colette. O inconsciente a céu aberto da psicose (1937). Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2007.
Publicado
16-12-2019
Seção
Artigos de temática livre