O CLOWN COMO FERRAMENTA NA FORMAÇÃO DE SAÚDE

  • Giovanna Diaz Rebello Universidade Estadual de Londrina
  • Maíra Bonafé Sei Departamento de Psicologia e Psicanálise - Universidade Estadual de Londrina http://orcid.org/0000-0003-0693-5029
Palavras-chave: Palhaço, Humanização, Arte, Saúde

Resumo

A humanização em saúde, apesar de ser algo indicado nas políticas públicas, ainda é um tema pouco presente na formação em saúde. Diante deste fato, foi criado, em 2007, o projeto Sensibilizarte, na Universidade Estadual de Londrina, que visa promover a humanização da formação do profissional da saúde. Tal projeto possui quatro frentes de atuação: artesanato, contação de histórias, música e palhaço, também conhecido como clown. Objetivou-se, na presente pesquisa, investigar o clown, seu processo de construção e o papel dele na formação do estudante de saúde vinculados ao Sensibilizarte. Participaram deste estudo quatro pessoas, sendo dois estudantes e dois profissionais, com o critério de terem integrado a frente de atuação do palhaço do Sensibilizarte, por um período mínimo de um ano. Para discussão dos dados, foram delineadas quatro categorias, de caráter apriorístico: 1) motivação para a escolha do palhaço como linguagem artística, 2) desenvolvimento do clown, 3) momentos marcantes da inserção no Sensibilizarte, 4) papel do projeto na concepção de saúde e enquanto recurso político. Considera-se que, apesar da construção do clown se configurar como uma vivência particular para cada sujeito, notou-se que esta é uma figura que, por seu caráter vulnerável, atrelado ao riso, ao erro, permite uma aproximação diferenciada em relação aos pacientes. Além disso, permite o desenvolvimento de um olhar humanizado para o cuidado em saúde, contribuindo para a formação do profissional da saúde.

Biografia do Autor

Maíra Bonafé Sei, Departamento de Psicologia e Psicanálise - Universidade Estadual de Londrina
Psicóloga, Especialista em Arteterapia, Mestrado, Doutorado e Pós-Doutorado em Psicologia Clínica - IP-USP, Professora Adjunta do Departamento de Psicologia e Psicanálise - UEL.

Referências

ANDRADE, C. D. A flor e a Náusea. Disponível em: http://www.poesiaspoemaseversos.com.br/a-flor-e-a-nausea-drummond-sem-erros/. Acesso em 15 ago 2018.
BARROS, R. S. PALHAÇO - JOGADOR DO RISO. Monografia (Trabalho de conclusão de curso de graduação) - Departamento de Música e Teatro, Universidade Estadual de Londrina, Londrina, 2011. Disponível em: http://admin.agenciar8.com.br/uploads/arquivos/2016/05/10/499394fa6125929e427573e8ab90e4b8img.pdf
DOUTORES DA ALEGRIA. O riso já foi proibido. E agora, o que é? 02/12/2016. Disponível em: https://www.doutoresdaalegria.org.br/tag/idade-media/. Acesso em 15 jun 2018.
FIGUEIREDO, M. L. R; DELEVATI, D. M; TAVARES, M. G. Entre loucos e manicômios: história da loucura e a reforma psiquiátrica no Brasil. Psicologia. Cadernos de Graduação. Ciências humanas e sociais, v. 2, n. 2. p. 121-136, 2014. Disponível em: https://periodicos.set.edu.br/index.php/fitshumanas/article/view/1797/1067. Acesso em 20 mar 2018.
FOUCAULT, M. Por uma genealogia do poder. Microfísica do Poder. Rio de Janeiro: Paz & Terra, 2017. P.8
LEITE, P. P. SOBRE A ARTE DO CLOWN. MUSEOLOGIA INFORMAL, SOCIODRAMA. Disponível em: https://globalherit.hypotheses.org/1707. Acesso em 15 ago 2018.
LIBAR, M. A Nobre Arte do Palhaço. 1996. Rio de Janeiro: Marcio Lima Barbosa, 2008. Disponível em: https://docgo.net/philosophy-of-money.html?utm_source=libar-marcio-a-nobre-arte-do-palhaco-212p. Acesso em: 16 ago 2018.
LISPECTOR, C. Se eu fosse eu. Disponível em: http://ouricoelegante.blogspot.com/2012/08/clarice-lispector-dois-textos.html. Acesso em 15 jun 2018.
MOREIRA, J. O.; ROMAGNOLI, R. C.; NEVES, E. O. O surgimento da clínica psicológica: da prática curativa aos dispositivos de promoção da saúde. Psicologia: ciência e profissão, v. 27, n.4, p. 608-621, 2007. Disponível em: http://dx.doi.org/10.1590/S1414-98932007000400004. Acesso em: 14 ago 2018.
MOURA, L. N. F; MONTEIRO, H. M; SOUZA, M. R. A dor e o riso entre o clown e o processo de análise. Anais do VI Congresso Nacional de Psicanálise e do XV Encontro de Psicanálise da UFC: O Psicanalista, sua clínica e sua cultura. 2011. Disponível em http://www.psicanalise.ufc.br/hot-site/pdf/Trabalhos/46.pdf. Acesso em 28 ago 2018.
NICHOLS, S. Jung e o Tarô: Uma jornada arquetípica. São Paulo: Editora Cultrix Ltda, 1995.
PASCHE, D. F. Política Nacional de Humanização como aposta na produção coletiva de mudanças nos modos de gerir e cuidar. Interface: comunicação, saúde e educação, v. 13, supl. 1, p. 01-8, 2009. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1414-32832009000500021&lng=en&nrm=iso. Acesso em 20 mar 2018. http://dx.doi.org/10.1590/S1414-32832009000500021.
PUCCETTI, R. O Riso em três tempos. Revista do LUME, v. 1, n. 1, p. 67-74, 2012. Disponível em https://www.cocen.unicamp.br/revistadigital/index.php/lume/article/view/161/15. Acesso em 28 ago 2018.
QUEIROZ, R. S. O herói-trapaceiro. Reflexões sobre a figura do trickster*. Tempo social, v. 3, n. 1-2, p. 93-107, 1991. Disponivel em: http://dx.doi.org/10.1590/ts.v3i1/2.84821.
RAMALHO, C. M. R. Resgatando o arquétipo do palhaço no psicodrama. Psicologia &m foco, v. 2, n. 1, p. 28-38, Jan./jun 2009. Disponível em http://linux.alfamaweb.com.br/sgw/downloads/161_105450_ARTIGO3-Resgatando.pdf. Acesso em 15 jun 2018.
SACCHET, P. O. F. Da discussão: “clown ou palhaço” às permeabilidades do Clownear-palhaçar. Dissertação (Mestrado em Artes Cênicas). Instituto de Artes, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2009. Disponível em https://lume.ufrgs.br/handle/10183/17730. Acesso em 28 ago 2018.
SILVEIRA, D. T; GERHARDT, T. E. Métodos de Pesquisa. Série educação a distância. Porto Alegre: Editora da UFRGS, 2009.
WUO, A. E. A linguagem secreta do Clown. Integração, Ano XV, n. 56, p. 57-62, 2009. Disponível em http://www.teatronacomunidade.com.br/wp-content/uploads/2014/02/A-linguagem-secreta-do-clown.pdf. Acesso em 20 mar 2018.
Publicado
07-09-2020
Como Citar
DIAZ REBELLO, G.; BONAFÉ SEI, M. O CLOWN COMO FERRAMENTA NA FORMAÇÃO DE SAÚDE. Pretextos - Revista da Graduação em Psicologia da PUC Minas, v. 5, n. 9, p. 492-509, 7 set. 2020.
Seção
Artigos de temática livre