SERVIÇOS DE APOIO AOS ESTUDANTES DE MEDICINA: CONHECENDO ALGUNS NÚCLEOS EM UNIVERSIDADES PÚBLICAS BRASILEIRAS

  • Larissa Petta Roncaglia
  • Ana da Fonseca Martins
  • Cássia Beatriz Batista
Palavras-chave: Educação Médica, Saúde mental, Sistemas de apoio psicossocial, Estudantes de medicina

Resumo

Os serviços de apoio psicopedagógico ao estudante de Medicina têm se tornado estratégias frente às altas prevalências de adoecimento psíquico nesse grupo social. Em vista disso, essa pesquisa qualitativa objetivou conhecer as propostas de apoio psicológico e educativo ofertadas pelas escolas médicas públicas brasileiras. A análise documental foi o recurso metodológico utilizado para coleta de dados em sites de escolas médicas e busca em outros documentos como regimentos e portarias, que também foram buscados por contatos institucionais telefônicos ou por e-mails. No geral, a maioria dos serviços identificados se localiza no sudeste do país e está voltada exclusivamente para a medicina. As equipes são quase todas formadas por psicólogos e psiquiatras e objetivam oferecer assistência à saúde aos discentes com ações de atendimentos individuais, grupos de promoção de saúde e bem-estar, orientação profissional e pedagógica, tutoria, grupos de debate e de reflexão sobre educação médica. Conclui-se que a atuação dos núcleos é traçada por diferentes compreensões sobre o adoecimento dos estudantes. Entre perspectivas ora mais individualizantes ora mais psicossociais sobre o sofrimento, incluindo aí aspectos curriculares e da profissão médica, a correlação entre estes elementos requer novas indagações de pesquisa para contribuir com o apoio aos estudantes nas escolas médicas.

Referências

ABRÃO, C. et al. Prevalência de sintomas depressivos entre estudantes de medicina da Uni-versidade Federal de Uberlândia. Rev. bras. educ. med. vol.32 no.3 Rio de Janei-ro July/Sept. 2008.
ANDRADE, J. B. C. et al. Contexto de formação e sofrimento psíquico de estudantes de me-dicina. Rev. bras. educ. med. Rio de Janeiro. vol.38 no.2, p. 231-242 Apr./June 2014.
BALDASSIN, S. P et al. Atendimento psicológico aos estudantes de medicina. Técnica e Éti-ca. 1° edição. São Paulo: Edipro, 2012. 190p.
BALDASSIN, S. P et al. I Fórum Paulista de Serviços de Apoio ao Estudante de Medicina — Forsa Paulista — “A Carta de Marília”. Rev. bras. educ. med., Rio de Janeiro, v. 40, n. 4, p. 537-539, Dec. 2016.
BAMPI, L. N. S. et al. Qualidade de vida de estudantes de medicina da Universidade de Brasília. Rev. bras. educ. med. Rio de Janeiro, v. 37, n. 2, p. 217-225, June2013.
BARDIN, L. Análise de conteúdos. Lisboa: Edições 70, 1977.
BELLODI, P. L. Retaguarda Emocional Para o Aluno de Medicina da Santa Casa de São Paulo (REPAM): realizações e reflexões. Rev. bras. educ. med. Rio de Janeiro , v. 31, n.1, p.5-14, Apr. 2007.
BELLODI, P. L. et al. Mentoring: ir ou não ir, eis a questão: um estudo qualitativo. Rev. bras. educ. med., Rio de Janeiro, v. 35, n. 2, p. 237-245. June 2011.
BELLODI, P; MARTINS, M. Projeto Tutores: da proposta à implantação na graduação da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo (FMUSP). Revista do Hospital Uni-versitário- Vol 11, n.1/2, Jan/Dez 2001 - p.52-58.
CHAVES, L. J et al. A tutoria como estratégia educacional no ensino médico. Rev. bras. educ. med. Rio de Janeiro , v. 38, n. 4, p. 532-541, Dec. 2014.
COLARES, M. F. A et al. Percepções de estudantes de Medicina e de mentores sobre um programa de tutoria (mentoring) desenvolvido em grupos. Rev. bras. educ. med., 33 (4): 670 – 675; 2009.
CONCEICAO, Ludmila de Souza et al. Saúde mental dos estudantes de medicina brasileiros: uma revisão sistemática da literatura. Avaliação (Campinas) [online]. 2019, vol.24, n.3, pp.785-802.
DALTRO, M. R; PONDÉ, M. P. Atenção psicopedagógica no ensino superior: uma experiên-cia inovadora na graduação de medicina. Construção Psicopedagógica, Vol. 19, n.18, 2011.
DAMIANO, R. F. et at. O Primeiro Ano do Grupo de Apoio ao Primeiranista. Rev. bras. educ. med., Rio de Janeiro, v. 39, n. 2, p. 302-309, June 2015.
FIOROTTI, K. P. et al. Transtornos mentais comuns entre os estudantes do curso de medici-na: prevalência e fatores associados. J. bras. psiquiatr. Rio de Janeiro, vol 59 no.1, 2010.
GONCALVES, M. B; BENEVIDES-PEREIRA, A. M. T. Considerações sobre o ensino mé-dico no Brasil: consequências afetivo-emocionais nos estudantes. Rev. bras. educ. med., Rio de Janeiro, v. 33, n. 3, p. 482-493, Sept. 2009.
GUIMARÃES, K. B. S. Estresse e a formação médica: implicações na saúde mental dos es-tudantes, 2005. 110f. Dissertação (mestrado). Faculdade de Ciências e Letras de Assis-Universidade Estadual Paulista, Assis.
GUIMARÃES, K.B.S Saúde mental do médico e do estudante de medicina. Primeira edição. São Paulo: Casa do psicólogo, 2007. 227p.
LIMA, M. C. P; DOMINGUES, M. S; CERQUEIRA, A. T. A. R. Prevalência e fatores de risco para transtornos mentais comuns entre estudantes de medicina. Rev. Saúde Pública. São Paulo, vol.40 no.6, Dec. 2006.
MARTINS, M. A. Projeto Tutores, 2000. Site disponível. em:. Acesso em 28 jul 2017.
MARTINS, A. F; BELLODI, P. L. Mentoring: uma vivência de humanização e desenvolvi-mento no curso médico. Interface (Botucatu), Botucatu , v. 20, n. 58, p.715-726, Sept. 2016. MELEIRO, A.M.A.S. Suicídio entre médicos e estudantes de medicina. Rev. Assoc. Med. Bras. São Paulo, vol.44 n.2, Apr./June 1998.
MEYER, C et al. Qualidade de vida e estresse ocupacional em estudantes de medicina. Rev. bras. educ. med., Rio de Janeiro , v. 36, n. 4, p. 489-498, Dec. 2012.
MILLAN, L. R et al. O universo psicológico do futuro médico: vocação, vicissitudes e pers-pectivas. São Paulo: Casa do Psicólogo, 1999. 282 p.
MILLAN, L. R; ARRUDA, P. C. V. Assistência psicológica ao estudante de medicina: 21 anos de experiência. Rev. Assoc. Med. Bras., São Paulo , v. 54, n. 1, p. 90-94, Feb. 2008.
BRASIL. MINISTÉRIO DA SAÚDE. Programa Mais Médicos - 2 anos. Mais saúde para os brasileiros. Brasil, 2015. 127p. Disponível em: . Acesso em 15 de mar. 2018.
PEREIRA, B.S. et al. É muita pressão! Percepções sobre o desgaste mental entre estudantes de medicina. Revista Brasileira de Orientação Profissional, vol. 20,no 2, Florianópolis, 2019.
PETROIANU, A et al. Prevalência do consumo de álcool, tabaco e entorpecentes por estu-dantes de medicina da Universidade Federal de Minas Gerais. Rev. Assoc. Med. Bras. São Paulo, vol.56 no.5, p. 568-571, 2010.
RIBEIRO, M. G. S, CUNHA, C. F, ALVIM, C. G. Trancamentos de matrícula no Curso de medicina da UFMG: Sintomas de Sofrimento Psíquico. Rev.Brasileira de Educação Médica. 40 (4): 583-590; 2016
RIBEIRO, M. M. F et al. Tutoria em escola médica: avaliação por discentes após seu término e ao final do curso. Rev. bras. educ. med., Rio de Janeiro , v. 37, n. 4, p. 509-514, Dec. 2013.
SÁ-SILVA, J. R. ALMEIDA, C. D; GUINDANI, J. F. Pesquisa documental: pistas teóricas e metodológicas. Revista Brasileira de História e Ciências Sociais. Ano I, Número I, 2009.
TEMPSKI, PZ; MARTINS, MA. A responsabilidade da Escola Médica na manutenção da saúde e da qualidade de vida do estudante. In: BALDASSIN, S. (Org.). Atendimento psico-lógico aos estudantes de medicina. Técnica e ética. São Paulo: Edipro; 2012. p. 51-58.
VASCONCELOS, T. C et al. Prevalência de Sintomas de Ansiedade e Depressão em Estu-dantes de Medicina. Rev. bras. educ. med. Rio de Janeiro, vol.39 no.1, p. 135-142, Jan./Mar. 2015.
ZONTAL, R. ROBLES, A. C. C. GROSSEMAN, S. Estratégias de enfrentamento do estres-se desenvolvidas por estudantes de medicina da UFSC. Rev. bras. educ. med. 30 (3): 147 – 153; 2006.
Publicado
08-09-2020
Como Citar
RONCAGLIA, L. P.; MARTINS, A. DA F.; BATISTA, C. B. SERVIÇOS DE APOIO AOS ESTUDANTES DE MEDICINA: CONHECENDO ALGUNS NÚCLEOS EM UNIVERSIDADES PÚBLICAS BRASILEIRAS. Pretextos - Revista da Graduação em Psicologia da PUC Minas, v. 5, n. 9, p. 664-682, 8 set. 2020.
Seção
Artigos de temática livre