VIOLÊNCIA OBSTÉTRICA: A AGRESSÃO SILENCIOSA NAS SALAS DE PARTO

  • Júlia Araujo Coelho Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais
  • Ana Flávia Dia de Andrade Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais
  • Bruno Vasconcelos de Almeida PUC Minas
Palavras-chave: Violência obstétrica, SUS, Parto, Feminismo, Maternidade

Resumo

Este artigo apresenta reflexões acerca da violência obstétrica no Brasil, abordando a história do parto, explicitando as práticas utilizadas, bem como as definições, categorias e consequências geradas pela violência obstétrica. Discute-se ainda a naturalização das diversas formas de violência praticadas durante o pré-natal, parto e puerpério, bem como as diferenças observadas entre os acompanhamentos e partos efetuados pelo Sistema Único de Saúde (SUS), nos âmbitos público e privado, neste último caso, quando há regulação pública. Realizou-se um questionário online sobre a vivência do parto e episódios de violência obstétrica com 120 mães. Encontrou-se, através do questionário, grande desconhecimento acerca dos próprios direitos e das práticas alternativas àquelas desenvolvidas pela medicina clássica, além disso, destacou-se a conduta inadequada dos profissionais e sua relação com a prática da violência.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Júlia Araujo Coelho, Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais

Graduanda em Psicologia pela Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais (2016-2020). Foi monitora das disciplinas de "Técnicas de Exame e Avalização Psicológica I" (2018-2019) e "Técnicas de Exame da Personalidade" (2019), e do Laboratório de Coordenação de Monografia (2019). Além disso, realizou estágio extracurricular nas escolas "ComumViver" (2016-2017), auxiliando a professora em atividades que visavam a autonomia e independência de alunos com deficiência, e "Ipê Amarelo" (2017), acompanhando criança autista e auxiliando a professora na rotina escolar. Atualmente é voluntária no projeto "Libras no Buritis" (2019).

Ana Flávia Dia de Andrade, Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais

Graduanda em Psicologia pela Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais (2016-2020). Participou dos projetos de extensões Trilhas Filosóficas (2016) e Projeto Laços (2018) e, a partir das experiências obtidas no segundo projeto escreveu o artigo " Ressignificar a experiência da medida socioeducativa numa perspectiva não punitivista: a experiência do Projeto de Extensão Laços / PUC Minas", publicado na Conecte-se! Revista Interdisciplinar de Extensão. Atualmente é monitora da disciplina "Análise Experimental do Comportamento" (2019). Foi voluntária do Programa Adote um Amigo (2016-2018) e do Projeto RONDOM (2019). Como estágio extracurricular prestou acompanhamento domiciliar de uma criança com Transtorno do Espetro do Autismo (2019).

Referências

BARBOZA, Luciane Pereira; MOTA, Alessivânia. Violência obstétrica: vivências de sofrimento entre gestantes no Brasil. Revista Psicologia, Diversidade e Saúde, Salvador, v. 1, n. 5, p.119-129, 2016. Disponível em: https://www5.bahiana.edu.br/index.php/psico logia/article/view/847/598. Acesso em: 29 nov. 2019.

BARROS, Bruno Mello Correa; RUVIARO, Rianne; RICHTE, Daniela. A violação dos direitos fundamentais na hora do parto: uma análise da autonomia e empoderamento da mulher. Revista Direitos Sociais e Políticas Públicas, Bebedouro, SP, v. 5, n.1, p. 67-104, 2017. Disponível em: http://www.unifafibe.com.br/revista/index.php/direitos-sociais-politicas-pub/article/view/204/pdf_1. Acesso em: 14 Abr. 2018.

BOWSER Diana, HILL Kathleen. Exploring evidence for disrespect and abuse in facility-based childbirth: report of a landscape analysis. USAID-TRAction Project. Boston: Harvard School of Public Health University Research, 2010. Disponível em: https://www.ghdonline.org/uploads
/Respectful_Care_at_Birth_9-20-101_Final1.pdf. Acesso em: 14 Abr. 2018.

BRASIL, Ministério da Saúde. Secretaria de Políticas de Saúde. Área Técnica de Saúde da Mulher. Parto, aborto e puerpério: assistência humanizada à mulher. Brasília, DF: Ministério da Saúde, 2001. Disponível em: http://bibliotecadigital.puc-campinas.edu.br/services/e-books-MS/01-0420-M.pdf. Acesso em: 04 dez. 2019.

BRASIL. Lei nº 11.108, de 07 de abril de 2005. Altera a Lei no 8.080, de 19 de setembro de 1990, para garantir às parturientes o direito à presença de acompanhante durante o trabalho de parto, parto e pós-parto imediato, no âmbito do Sistema Único de Saúde - SUS. Brasília, DF: Presidência da República, 2005. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_Ato2004-2006/2005/Lei/L11108.htm. Acesso em: 04 dez. 2019.

BRASIL. Ministério da Saúde. Saúde Brasil 2017: uma análise da situação de saúde e os desafios para o alcance dos objetivos de desenvolvimento sustentável. Brasília: Ministério da Saúde, 2018. Disponível em: http://tabnet.datasus.gov.br/cgi/sinasc/saude_brasil_2017_analise_situacao
_saude_desafios_objetivos_desenvolvimento_sustetantavel.pdf. Acesso em: 01 dez. 2019.

CASTRO, Jamile Claro de; CLAPIS, Maria José. Parto humanizado na percepção das enfermeiras obstétricas envolvidas com a assistência ao parto. Revista Latino-americana de Enfermagem, São Paulo, v. 13, n. 6, p. 960-967, dez. 2005. Disponível em: http://www.redalyc.org/pdf/2814/281421850007.pdf. Acesso em: 17 abr. 2018

CUNHA, Alfredo de Almeida. Indicações do parto a fórceps. Femina, Rio de Janeiro, v. 39, n. 12, p.550-554, dez. 2011. Disponível em: http://files.bvs.br/upload/S/0100-7254/2011/v3
9n12/a2974.pdf. Acesso em: 17 abr. 2018.

CUNHA, Camila Carvalho Albuquerque. Violência obstétrica: uma análise sobre o prisma dos direitos fundamentais. 2015. Trabalho de Conclusão de Curso (Graduação em Direito) - Universidade de Brasília, Brasília, 2015. Disponível em: http://bdm.unb.br/handle/10483/10818. Acesso em: 04 dez. 2019.

DALFOVO, Michael Samir; LANA, Rogério Adilson; SILVEIRA, Amélia. Métodos quantitativos e qualitativos: um resgate teórico. Revista Interdisciplinar Científica Aplicada, Blumenau, v.2, n.4, p.01- 13, Sem II. 2008

DINIZ, Simone Grilo. Gênero, saúde materna e o paradoxo perinatal. Revista Brasileira de Crescimento e Desenvolvimento Humano, São Paulo, v. 19, n. 2, p. 313-326, ago. 2009 . Disponível em: http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0104-12822009000200012&lng=pt&nrm=iso. Acesso em 01 dez. 2019.

DOMINGUES, Rosa Maria Soares Madeira et al. Processo de decisão pelo tipo de parto no Brasil: da preferência inicial das mulheres à via de parto final. Cadernos de Saúde Pública, Rio de Janeiro, v. 30, supl. 1, p. S101-S116, 2014. Disponível em: http://www.scielo.br/
scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0102-311X2014001300017&lng=pt&nrm=iso. Acessado em: 20 abr. 2018.

FAUNDES, Aníbal; CECATTI, José Guilherme. A operação cesárea no Brasil: incidência, tendências, causas, conseqüências e propostas de ação. Cadernos de Saúde Pública, Rio de Janeiro, v. 7, n. 2, p. 150-173, jun. 1991. Disponível em http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0102-311X1991000200003&lng=en&nrm=iso. Acesso em: 28 nov. 2019.

FLORIANO, Francisco. Projeto de Lei Complementar PLC 8.219/2017. Dispõe sobre a violência obstétrica praticada por médicos e/ou profissionais de saúde contra mulheres em trabalho de parto ou logo após. Brasília: Câmara dos Deputados, 2017. Disponível em: http://www.camara.gov.br/proposicoes
Web/prop_mostrarintegra;jsessionid=79E6E60D7D9C0ACA4DCE3CE1A5BCFC8E.proposicoesWebExterno1?codteor=1591466&filename=Avulso+-PL+8219/2017 Acesso em: 20 abr. 2018.

FUNDAÇÃO PERSEU ABRAMO; SERVIÇO SOCIAL DO COMÉRCIO DE SÃO PAULO. Mulheres brasileiras e gêneros nos espaços públicos e privado. São Paulo: Fundação Perseu ABRAMO, 2010. Disponível em: https://fpabramo.org.br/publicacoes/wp-content/uploads/sites/5/2017/05/pesquisaintegra_0.pdf. Acesso em: 04 dez. 2019.

GONÇALVES, Aniandra Karol; MISSIO, Lourdes. Fatores determinantes para as expectativas de gestantes acerca da via de parto. In: ENCONTRO DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA, 7., 2009, Dourados. Anais [...] Dourados: Universidade Estadual de Mato Grosso do Sul, 2009. Disponível: https://anaisonline.uems.br/index.php/enic/article/view/
1163/1185. Acesso em: 22 abr. 2018.

MOTT, Maria Lúcia. As parteiras e a assistência ao parto em São Paulo nas primeiras décadas do século XX. Revista do Instituto Histórico e Geográfico Brasileiro, Rio de Janeiro, v. 163, n. 415, p. 67-84, 2002.

ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DA SAÚDE. Prevenção e eliminação de abusos, desrespeito e maus-tratos durante o parto em instituições de saúde. Genebra: OMS, 2014. Disponível em: http://apps.who.int/iris/bitstream/handle/10665/134588/WHO_RHR_14.23_por.pdf?
sequence=3. Acesso em: 22 abr. 2018.

PAIVA, Aline. 'Conhecimento é a prevenção contra violência obstétrica', diz especialista: Seminário em Macapá discutiu as várias formas de violência contra grávidas. Cerca de 35 estudantes, técnicos e enfermeiros participaram de palestra. G1 Amapá Rede Amazônica, 19 out. 2015. Disponível em: http://g1.
globo.com/ap/amapa/noticia/2015/10/conhecimento-e-prevencao-contra-violencia-obstetrica-diz-especialista.html. Acesso em: 29 nov. 2019.

PALMA, Carolina Coelho; DONELLI, Tagma Marina Schneider. Violência obstétrica em mulheres brasileiras. Psico, Porto Alegre: v. 3, n.48 , p. 216-230, 2017. Disponível em: https://dialnet.unirioja.es/servlet/articulo?codigo=6123768. Acesso: 14 abr. 2018

SALIM, Natália Rejane et al. Os sentidos do cuidado no parto: um estudo intergeracional. Cogitare Enfermagem, Curitiba, v. 4, n. 17, p.628-634, out. 2012. Disponível em: https://revistas.ufpr.br/cogitare/article/view/30358/19647. Acesso em: 30 nov. 2019

SEIBERT, Sabrina Lins et al. Medicalização X humanização: o cuidado ao parto na história o cuidado ao parto na história. Revista Enfermagem UERJ, Rio de Janeiro, v.13, p.245-251, 2005. Disponível em: http://www.facenf.uerj.br/v13n2/v13n2a16.pdf. Acesso em: 01 dez. 2019.

SERRA, Maiane Cibele de Mesquita. Violência obstétrica em (des)foco: uma avaliação da atuação do Judiciário sob a ótica do TJMA, STF e STJ. 2018. Dissertação (Mestrado em Direito) - Universidade Federal do Maranhão, São Luís, 2018. Disponível em: http://tedebc.ufma.br:8080/jspui/bitstream/tede/2159/2/MaianeSerra.pdf. Acesso em: 01 dez. 2019.

SIPIÃO, Jordânia; VITAL, Bruna. Violência Obstétrica: o silêncio das inocentes. In: ENCONTRO DE PESQUISA E EXTENSÃO DA FACULDADE LUCIANO FEIJÃO, 8., 2015, Sobral. Anais […]. Sobral: Faculdade Luciano Feijão, 2015.

TEIXEIRA, Maria de Lourdes da Silva. A doula no parto. São Paulo: Ground, 2003.

TESSER, Charles Dalcanale et al. Violência obstétrica e prevenção quaternária: o que é e o que fazer. Revista Brasileira de Medicina de Família e Comunidade, Rio de Janeiro, v. 10, n. 35, 2015. Disponível em: https://www.rbmfc.org.br/rbmfc/article/view/1013/716. Acesso em: 14 abr. 2018.

VIELLAS, Elaine Fernandes et al. Assistência pré natal no Brasil. Cadernos Saúde Pública, Rio de Janeiro, v. 30, supl. 1, p. 85-100, 2014. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?
script=sci_arttext&pid=S0102311X2014001300016&lng=en&nrm=iso. Acesso em: 14 abr. 2018.

WENZEL, Karine. Rede Pública Avança mais Rápido que a Privada. Revista Diário Catarinense, Santa Catariana, 2016. Disponível em: http://www.clicrbs.com.br/sites/swf/dc_
hora_marcada_para_nascer/rede-publica-x-rede-privada.html. Acesso em: 14 abr. 2018

ZANARDO, Gabriela Lemos de Pinho et al. Violência obstétrica no Brasil: uma revisão de
narrativa. Psicologia & Sociedade, Belo Horizonte, v. 29, p. e155043, jul. 2017. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0102-71822017000100218&lng=en&nrm=iso.Acesso em: 01 dez. 2019.
Publicado
08-09-2020
Como Citar
ARAUJO COELHO, J.; DIA DE ANDRADE, A. F.; VASCONCELOS DE ALMEIDA, B. VIOLÊNCIA OBSTÉTRICA: A AGRESSÃO SILENCIOSA NAS SALAS DE PARTO. Pretextos - Revista da Graduação em Psicologia da PUC Minas, v. 5, n. 9, p. 719-740, 8 set. 2020.
Seção
Artigos de temática livre